Ex-jornalista da CNN fala sobre como aproveitar a mídia social e tecnologia móvel para reportagens internacionais

porAndy Shuai Liu
Feb 29, 2012 em Diversos

Da Primavera Árabe à reconstrução do Haiti, a cobertura internacional tem cada vez mais se baseado nas mídias sociais impulsionadas pela tecnologia para aumentar a conscientização em questões de desenvolvimento global.

Em entrevista à IJNet, o ex-jornalista da CNN Felipe Estefan refletiu sobre suas experiências no jornalismo profissional e cidadão.

Baseado em Washington, Estefan foi um produtor de planejamento para a CNN e atualmente trabalha com o Banco Mundial sobre o envolvimento dos cidadãos. Ele também desenvolveu estratégias de engajamento digital para o gabinete do vice-presidente da Colômbia, seu país de origem.

Qual é a relação entre mídia e o jornalismo cidadão?

Felipe Estefan: A mídia tradicional transformou completamente a forma como produzimos, consumimos e compartilhamos informações no século 21... Embora os desafios permaneçam, como a qualidade e verificação de informação, a informação gerada pelo cidadão irá desempenhar um papel mais importante em influenciar a opinião pública e os processos de decisão política para melhores resultados de desenvolvimento.

Por exemplo, a CNN leva muito a sério [seus esforços] para incorporar os telespectadores na captação de notícias e reportagens. O "IReport" fornece diretrizes editoriais e técnicas aos repórteres cidadãos e faz perguntas específicas para orientá-los a pensar --"quais são as histórias mais importantes?" Também escuta repórteres cidadãos sobre as histórias importantes para eles. As informações são verificadas através do sistema de registro e equipe editorial.

Como os jornalistas devem usar as mídias sociais para melhorar a reportagem internacional?

FE: Os jornalistas podem usar a mídia social em três formas principais. Primeiro, eles podem usar as mídias sociais no processo de captação de notícias para encontrar informações em tempo real dos cidadãos, especialmente em locais remotos. Segundo, eles podem utilizar os canais de mídia social para compartilhar informações rapidamente para um público mais amplo. Em terceiro lugar, a mídia social pode ajudar os jornalistas a recolher opinião sobre o quão relevante são suas histórias para o público. O terceiro ponto nos leva a um novo nível de como podemos usar mídia social para integrar melhor o conteúdo de notícias.

Como os jornalistas devem utilizar a tecnologia móvel para relatar problemas no desenvolvimento internacional?

FE: A tecnologia móvel é a ferramenta mais importante que temos em campo hoje para o desenvolvimento internacional. Hoje em dia, a maioria das pessoas -- mesmo aquelas que não têm acesso a serviços básicos como água e eletricidade -- têm telefones móveis. Jornalistas podem fazer parte da conversa entre os cidadãos e agências de desenvolvimento estimulada pela tecnologia móvel.

Por exemplo, o programa "ICT4Gov" do Banco Mundial ajuda a melhorar a vida das pessoas, dando-lhes uma voz através de telefones celulares. Ele estabelece sistemas SMS ou centrais de atendimento para cidadãos de países em desenvolvimento para relatar problemas com os serviços públicos de seus governos. Tais relatos de cidadão podem ser mapeados em uma plataforma online, e os jornalistas, então, podem usar essas informações para tomar decisões editoriais em histórias de interesse jornalístico que estão acontecendo ou prestes a acontecer. Assim, há uma grande oportunidade nos métodos de apuração de informação que utilizam tecnologia móvel.

Que papel os jornalistas podem desempenhar no desenvolvimento global na era digital?

FE: Os jornalistas podem desempenhar um papel mediador entre os cidadãos e os dados e informações tornadas públicas pelos governos.... Os jornalistas podem olhar para iniciativas como o Open Government Partnership e o Open Data e dar sentido a todas essas informações, contando histórias relevantes para o público.

Siga Felipe Estefan no Twitter. Para saber mais sobre seu trabalho de engajamento de cidadãos (em inglês), clique aqui.