Estudo destaca papel crítico do jornalismo no combate à desinformação sobre COVID-19

porJulie Posetti and Kalina Bontcheva
May 2, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Letras

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

O artigo faz parte de uma série de duas partes. Veja o primeiro artigo aqui.

Enquanto a pandemia de COVID-19 assola o mundo, o jornalismo independente nunca foi tão importante. O acesso a informações confiáveis ​​e precisas é literalmente uma questão de vida ou morte.

Uma pesquisa publicada pela ONU e ICFJ identifica o jornalismo de qualidade como uma força importante para identificar e expor desinformação. E descobre que a "carga viral" da desinformação só aumentará se o jornalismo continuar sofrendo golpes mortais infligidos pela pandemia.

Em dois relatórios, argumentamos que garantir que o jornalismo sobreviva à pandemia de COVID-19 é um desafio de missão crítica para o sistema da ONU, governos e outros que tentam combater o que chamamos de desinfodemia. No primeiro relatório, identificamos nove temas diferentes da desinfodemia e quatro formatos típicos. No segundo relatório, analisamos criticamente dez métodos de resposta à crise que estão sendo empregados contra a desinformação de COVID-19 em todo o mundo.

Muitas das etapas legais e políticas que estão sendo implementadas são projetadas para defender a saúde pública. Mas, embora apresentadas como "curas", algumas dessas etapas podem realmente atrapalhar o trabalho de jornalistas e outras pessoas envolvidas em pesquisas vitais, investigações e histórias sobre a pandemia e a desinfodemia que ajuda a alimentá-la.

[Leia mais: Temas e formatos da desinfodemia sobre COVID-19, segundo pesquisa da ONU-ICFJ]

Recomendações para ação

Em reconhecimento aos riscos associados às respostas para a desinfodemia identificada por nossa pesquisa, fizemos 40 recomendações de ações dirigidas à ONU, governos, empresas de tecnologia, mídia, organizações da sociedade civil, órgãos policiais e outros. Aqui está uma lista curta de 21 recomendações com enfoque jornalístico*.

Os governos devem:

  • Reconhecer os jornalistas como trabalhadores-chave e oferecer assistência e proteção de acordo com as condições nacionais de emergência*
  • Analisar e adaptar suas respostas à desinfodemia para estar em conformidade com a liberdade de expressão reconhecida internacionalmente, acesso a informações e direitos de privacidade
  • Aumentar a transparência e a divulgação proativa de informações e dados oficiais, especialmente em questões relacionadas a COVID-19
  • Apoiar o investimento no fortalecimento do jornalismo independente, pois os impactos econômicos da crise de COVID-19 ameaçam a sustentabilidade jornalística em todo o mundo
  • Planejar o financiamento e apoio à literacia de mídia e informação focada no combate à desinfodemia, especialmente por meio de intervenções educacionais
  • Trabalhar com empresas de comunicação na internet para estabelecer preservação da privacidade, trocas de dados seguras e facilitar o acesso a dados de mídia social para jornalistas, mídia e pesquisadores, a fim de permitir investigações completas, total transparência e preservação segura de dados de mídia social historicamente importantes*

[Leia mais: Entrevista: Fotojornalista iraniano conta sobre experiência de fotografar COVID-19]

O setor de mídia deve:

  • Redobrar seus esforços como profissionais na linha de frente da desinfodemia, através do aumento do investimento em investigações de checagem de fatos, desmistificação, desinformação e continuação de linhas robustas de questionamento sobre respostas à pandemia e à desinfodemia
  • Reportar sobre as implicações para os direitos humanos nas respostas à pandemia, incluindo as que afetam a liberdade de expressão, acesso à informação e direitos à privacidade
  • Considerar colaborações de investigação em torno da desinformação sobre COVID-19 com outras organizações de notícias e audiências -- inclusive internacionalmente. As parcerias com públicos formados por membros também podem ser bem-sucedidas.
  • Forçar os limites da inovação no contexto de paralisações de redações e falta de pessoal: produzir informações de saúde pública em formatos mais acessíveis e atraentes, como infográficos, podcasts e fóruns online moderados com especialistas médicos; e aumento da confiança no conteúdo gerado pelo usuário (UGC, em inglês), que foi submetido a rigorosa verificação de fatos.
  • Garantir que as experiências em vários países em desenvolvimento não sejam negligenciadas na cobertura da desinfodemia
  • Garantir a preparação da equipe para os riscos de segurança associados a reportagens sobre desinfodemia (por exemplo, aumento de ameaças à segurança, abuso online, ataques físicos e incluindo ênfase na sensibilidade ao gênero)

As empresas de comunicação na internet devem:

  • Intensificar a transparência sobre suas respostas à desinfodemia (por exemplo, remoção de conteúdo) e fornecer mais apoio financeiro a redes de checagem de fatos e jornalismo independente (especialmente aquelas focadas em investigações direcionadas a conteúdo e redes de desinformação, além de organizações de notícias locais particularmente vulneráveis ​​durante a crise )
  • Fazer o tipo de investimento descrito acima "sem comprometimentos" e com transparência, para evitar o aparecimento de intervenções que servem apenas como exercícios de relações públicas
  • Concentrar-se na curadoria para garantir que os usuários possam acessar facilmente o jornalismo como informações verificadas compartilhadas no interesse público -- especialmente durante a pandemia, mas também no rescaldo
  • Trabalhar para aumentar a visibilidade do conteúdo de notícias confiáveis ​​e compensar financeiramente os produtores de notícias cujo conteúdo beneficia seus negócios, especialmente porque muitas organizações de notícias removeram o acesso pago e outras barreiras ao acesso ao conteúdo durante a pandemia
  • Evitar a dependência excessiva da automação, especialmente para moderação de conteúdo, onde é necessário expandir o processo de revisão humana, e monitorar de forma transparente o impacto da falta de pessoal em decorrência da pandemia, com o objetivo de resolver problemas de reparação
  • Aplicar as lições aprendidas durante a resposta urgente à desinfodemia sobre COVID-19 à desinformação política que ameaça a democracia internacionalmente

As agências policiais e o judiciário devem:

  • Garantir que os policiais estejam cientes da proteção à privacidade e à liberdade de expressão oferecida a atores jornalísticos e outras pessoas que publicam informações checadas de interesse público, a fim de impedir prisões e detenções arbitrárias durante a pandemia
  • Os agentes judiciais, particularmente os juízes, devem prestar atenção especial ao analisar casos relacionados à abordagem de medidas para combater a desinformação, garantindo que os padrões internacionais de liberdade de expressão e privacidade sejam totalmente respeitados

Os pesquisadores devem:

  • Colaborar com jornalistas, organizações de notícias e grupos da sociedade civil em projetos que ajudam a revelar e combater a desinformação, juntamente com exercícios de monitoramento e avaliação focados em respostas à desinfodemia
  • Trabalhar para desenvolver novas ferramentas para auxiliar jornalistas, organizações de notícias e outros profissionais de verificação na detecção e análise eficientes de desinformação, bem como na elaboração e promoção eficaz de desmentidos e informações fundamentadas*

Nota: Os seguintes colaboradores da pesquisa contribuíram para esta pesquisa: Denis Teyssou (AFP), Clara Hanot (Laboratório de Disinfo da UE), Dra. Trisha Meyer (Universidade Universitária de Bruxelas), Sam Gregory (Testemunha) e Dra. Diana Maynard (Universidade de Sheffield). O conjunto de dados no qual esta pesquisa se baseia consiste em uma amostra de mais de 200 artigos, resumos de políticas e relatórios de pesquisa. Pesquisamos sistematicamente bancos de dados públicos com curadoria da Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN, em inglês) do Instituto Poynter, Índice de Censura e Instituto Internacional de Imprensa (IPI, em inglês) e First Draft News, além dos sites de mídia, governos nacionais, organizações intergovernamentais, saúde profissionais, ONGs, think tanks e publicações acadêmicas

Sobre as autoras

Dra. Julie Posetti é diretora global de pesquisa do ICFJ. Ela também é pesquisadora sênior afiliada ao Centro de Liberdade de Mídia da Universidade de Sheffield (CFOM) e à Universidade de Oxford.

Profa. Kalina Bontcheva é professora de ciência da computação na Universidade de Sheffield e membro do CFOM.

*Essas recomendações são feitas pelos autores com base em suas pesquisas, mas não aparecem nos resumos de políticas publicadas pela Unesco.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Amador Loureiro