Estratégias para uma cobertura dinâmica das mudanças climáticas

porAbigail Adcox
Mar 18, 2021 em Temas especializados
Uma plantinha na palma de uma mão

O ano de 2020 ficará para a história por causa da mortal pandemia de COVID-19 que varreu o mundo. Também entrará nos livros dos recordes por outro motivo preocupante: 2020 foi um dos anos mais quentes que o mundo já sentiu.

Como as consequências das mudanças climáticas se tornam cada vez mais inevitáveis, é fundamental que repórteres e redações desenvolvam editorias eficazes e estratégias dinâmicas para reportar sobre o meio ambiente.

Em um recente webinar do Covering Climate Now (CCNow), um painel de especialistas discutiu como construir uma abordagem de redação para cobrir o clima. Eles também examinaram como lidar com os negadores e céticos das mudanças climáticas e ofereceram recursos para cobrir a situação de forma segura e produtiva.

Participaram do painel Bernadette Woods Plack, meteorologista chefe e diretora da ClimateMatters, Kate Sheppard, editora sênior do HuffPost, Ben Tracy, correspondente nacional sênior e ambiental da CBS News, e Justin Worland, correspondente climático da TIME Magazine. O diretor executivo do CCNow e correspondente do The Nation Environment, Mark Hertsgaard, moderou a sessão.

Aqui estão algumas dicas importantes.

Uma abordagem integral de redação

  • Gerar adesão de toda a redação é fundamental para uma cobertura ambiental eficaz, disseram os painelistas. É uma questão complexa que afeta cada notícia na redação. “Tento adotar uma abordagem integral para o clima em nossa redação porque é um grande desafio em todas essas questões que cobrimos”, disse Sheppard. “É um desafio político, é um desafio de políticas, é um desafio da ciência, relações internacionais, saúde. Eu vejo o clima como o oposto de uma editoria de nicho: é a base de muitas coisas. Ter uma compreensão dessas conexões é muito importante para qualquer repórter em 2021.”

  • Tracy observou que este ano é a primeira vez que a CBS tem um correspondente dedicado às mudanças climáticas. “Estou grata por estarem investindo nesta editoria e na cobertura que faremos”, disse Tracy. “Acho que haverá muito mais notícias e ações sobre o clima se o governo [Biden] cumprir suas promessas.”

  • A CBS usou a colaboração dentro da redação para produzir uma cobertura abrangente das questões climáticas, disse Tracy. Isso incluiu uma reportagem sobre o retorno dos Estados Unidos ao Acordo do Clima de Paris, para a qual Tracy se sentou com o Enviado Presidencial Especial dos EUA para o Clima, John Kerry. Paralelamente a essa discussão, a divisão digital da redação publicou uma cartilha sobre o Acordo do Clima de Paris.

  • É importante que os repórteres reconheçam a interseção da cobertura climática com a justiça ambiental. “Podemos ver, apenas no ano passado, os efeitos do impacto desproporcional da poluição sobre pessoas latinas e negras com a COVID, e as consequências para a saúde de quem mora perto de instalações tóxicas”, disse Worland.

  • Sobre justiça ambiental, Sheppard observou que muitos repórteres estão acompanhando como a COVID aprofundou ainda mais as desigualdades e vulnerabilidades na sociedade.

Engajando negadores e céticos das mudança climáticas

  • Muitos negadores e céticos que argumentam contra a realidade das mudanças climáticas não sentiram seus efeitos em suas próprias vidas, observaram os painelistas. Para combater isso, é útil fazer conexões com os problemas que vão ressoar com eles. “Uma coisa que aprendi ao longo dos anos é sempre tentar conectar o que sabemos sobre as mudanças climáticas com o que as pessoas já se preocupam. E você verá que isso é realmente muito fácil”, disse Sheppard. “Eu cresci em uma fazenda. Eu conheço muitos fazendeiros republicanos [por exemplo] que entendem totalmente que o que estão vendo não é normal, sejam padrões de precipitação ou eventos climáticos extremos. Acho que é algo que você pode comunicar claramente a eles.”

  • Abordar os opositores do clima ao informar exige tato, disse Tracy. “Acredito que devemos tentar trazer as pessoas para o assunto e não afastar as pessoas disso, para que possam aprender”, disse Tracy. A missão de sua cobertura deve ser ajudar as pessoas a entender como algo sobre o qual são céticas pode afetar suas vidas, acrescentou.

  • As reportagens climáticas exigem abordar o tópico de vários ângulos. Isso inclui a adoção de ferramentas e recursos investigativos para descobrir histórias mais aprofundadas e transmitir seu impacto.

Recursos para reportagem cllmática

  • Jornalistas também devem se preparar para reportagens sobre o clima recorrendo à literatura sobre o assunto, lendo reportagens de outros jornalistas e buscando treinamento. Tracy disse que tem lido sobre assuntos como o vazamento de óleo do Exxon Valdez, por exemplo, para se preparar para seu novo papel como correspondente ambiental.
  • Sheppard discutiu como busca cursos de treinamento de segurança da Cruz Vermelha, que a preparam para o tipo de eventos climáticos extremos que ela pode reportar por muito tempo."

Recursos adicionais mencionados durante o webinar (em inglês)


Abigail Adcox é estagiária do ICFJ.

Foto de Akil Mazumder no Pexels