Entrevista com Alisa Sopova: Lições da mídia ucraniana

porSam Berkhead
Aug 4, 2018 em Temas especializados

À medida que informações erradas e notícias falsas se espalharam pelas fronteiras, jornalistas em todos os países se esforçaram para encontrar uma solução.

Poucos lugares sentem isso mais do que a Ucrânia, cuja mídia em sua maioria reagiu à guerra de informações russa com sua própria cobertura tribalista e emocional do conflito separatista-nacionalista que assola a região de Donbass desde 2014. Como resultado, as histórias da 3,5 milhões de civis pegos no fogo cruzado foram em grande parte perdidas ou distorcidas.

Alisa Sopova, jornalista de Donetsk, trabalha para resolver esses problemas há quatro anos. Quando o conflito começou no leste da Ucrânia, Sopova começou a trabalhar como repórter e produtora freelance para a mídia internacional. Atualmente pesquisadora visitante no Centro Davis para Estudos Russos e Eurasianos da Universidade de Harvard, Sopova promove um jornalismo objetivo e equilibrado como um antídoto para fatos distorcidos e propaganda.

A IJNet conversou com Sopova sobre a mídia ucraniana, o combate a notícias falsas e o que jornalistas não-ucranianos podem aprender com esse país muitas vezes incompreendido:

IJNet: Como você descreveria a atual situação de liberdade de imprensa na Ucrânia?

Sopova: Na Ucrânia, há meios de comunicação progressistas que lidam com questões sérias como corrupção e conflito no Oriente. Seu público é limitado a populações urbanas de classe média e educadas. O resto da população consome a mídia tradicional, que está envolvida principalmente em entretenimento e impulsionando narrativas simples, muitas vezes no interesse dos grupos empresariais que as controlam.

O conflito em Donbass representou um grande desafio para o jornalismo ucraniano e, infelizmente, não estamos lidando bem com ele. Sem quase nenhuma pressão do governo, a cobertura do conflito tornou-se rapidamente tendenciosa e propagandística. Uma das tendências mais perturbadoras é a recusa em cobrir qualquer coisa do lado não-governamental (e rotular qualquer tentativa de fazê-lo como traição) e se concentrar apenas no lado militar do conflito. A população civil na zona de conflito, sofrendo violações dos direitos humanos, é ignorada ou descrita como criaturas suspeitas que poderiam estar ajudando o inimigo.
 
Ainda assim, há espaço para mídias independentes de boa qualidade (a Hromadske TV é o exemplo mais popular). Elas geralmente têm orçamentos e alcance limitados, porque cobrem assuntos sobre os quais muitos rejeitam.

Como a mídia independente ucraniana está lidando com as ameaças?

Geralmente, atrair a atenção do público é considerado útil. Quando seus colegas enfrentam ameaças ou assédio, os jornalistas geralmente falam publicamente em defesa uns dos outros, cobrem extensivamente esses casos, etc. Mas isso pode ou não acontecer se o jornalista ameaçado for do campo político oposto.

A Ucrânia tem uma rede bem desenvolvida de ONGs de mídia. São bastante eficientes no monitoramento da liberdade de imprensa e na tomada de medidas contra ameaças. Somos muito gratos a ONGs e ONGs que organizam treinamentos de segurança e fornecem aos jornalistas que trabalham nas linhas de frente com kits de segurança gratuitos.

O que você acha que jornalistas de fora da região podem aprender com jornalistas ucranianos?

Em 2014, muitos jornalistas na Ucrânia enfrentaram um perigo real de morte em guerra em circunstâncias extremas. Eu sobrevivi apenas por milagre várias vezes. Nos Estados Unidos, ouço reclamações de meus colegas sobre como eles se sentem ameaçados porque o presidente os mencionou de maneira desrespeitosa. Se você é jornalista, por que é um problema que alguém possa estar chateado com a sua escrita? Quando as pessoas falam sobre o perigo e a ameaça que sentem, só posso aconselhá-las a ir a algum lugar onde as pessoas vivem em perigo real e falar com elas e escrever sobre elas.

Como os jornalistas ucranianos estão trabalhando para superar a falsa crise de notícias? StopFake é o exemplo mais óbvio para os ocidentais, mas você pode contar como os jornalistas na Ucrânia estão usando reportagens baseadas no terreno para combater a desinformação?

Na maioria dos casos, a mídia ucraniana não pode combater a desinformação russa com nada melhor do que sua própria desinformação, especialmente em sua cobertura dos territórios não controlados. Em vez disso, pegam tudo o que encontram nas mídias sociais, sem qualquer verificação de fatos, dão sabor às suas próprias suposições e as publicam. Como resultado, o cenário de informação ucraniano transborda de matérias emocionais, muitas vezes falsas e geralmente bem absurdas sobre o que presumivelmente acontece nas repúblicas separatistas.
 
O StopFake está fazendo um bom trabalho refutando as notícias falsas de maneira analítica, mas isso não é algo que ajude nessa situação. Na atual crise de desinformação, as mensagens mentirosas apelam principalmente para as emoções, não para a lógica, e procuram afirmar o que a vítima já acredita. Combater isso com argumentos lógicos não funciona. Ucranianos não sabem a resposta. Eles estão ainda mais perdidos e frustrados do que você.
 
Existem alguns exemplos positivos do que vocês chamam de “reportagens baseadas no terreno”. Um exemplo recente é o documentário “The Secret Compound” da Hromadske TV. Ao investigar os casos de detenções ilegais pelo serviço especial ucraniano, seus autores falaram com pessoas que alegaram ter sido detidas ilegalmente e pediram que descrevessem o interior do centro de detenção. Em seguida, eles compararam as descrições das pessoas à realidade e descobriram que correspondiam, confirmando que essas pessoas estavam lá. Essa estratégia --checar as alegações com meticulosa pesquisa de baixo para cima, prestar atenção a pequenos detalhes e conversar com pessoas comuns-- é uma boa estratégia que os jornalistas ucranianos na mídia progressista costumam empregar.

O que precisa acontecer para que a cobertura internacional do mundo de língua russa migre das manchetes sensacionalistas para a cobertura de questões que afetam as pessoas comuns?

Ajudaria realmente se a mídia internacional cooperasse mais estreitamente com os jornalistas locais e os contratasse --não apenas como fixers, mas como redatores. Como ex-fixer, sei muito bem quantas vezes os jornalistas ocidentais chegam a lugares como o leste da Ucrânia apenas para reforçar suas visões existentes. Muitas vezes, essa cobertura retrata as pessoas locais como criaturas exóticas, enquanto perdem questões importantes.

Esta entrevista foi editada e condensada para maior clareza.

Imagem principal cortesia de Anastasia Taylor-Lind.

Segunda imagem cortesia de Alvaro Ybarra Zavala. Terceira imagem cortesia de Anastasia Taylor-Lind.