Entendendo as redes sociais na China

Oct 30, 2018 em Redes sociais

No início deste mês, a Tencent  tornou-se o primeiro gigante chinês de tecnologia a ser avaliado em mais de US$500 bilhões. Isso classificou a empresa, que possui o popular serviço de mensagens WeChat, à frente do Facebook. O novo status do Tencent significa que agora é a quinta empresa de tecnologia mais valiosa do mundo (com base no valor de mercado), atrás da Apple, Alphabet (Google), Microsoft e Amazon.

Como a agência criativa We Are Social mostrou, a China hospeda algumas das maiores redes sociais e de mensagens do mundo. No entanto, fora da região, muitas vezes pouco é conhecido sobre essas plataformas.

As redes sociais chinesas e os aplicativos de mensagens são os centros de inovação, com uma variedade de vídeos, notícias, comércio eletrônico e outros serviços. Aqui está o que você precisa saber sobre o cenário da mídia social da China.

3 plataformas para observar

Na China, três das mais populares plataformas de mídia social são WeChat, QQ e Weibo.

  1. WeChat é um aplicativo de mensagens instantâneas com quase 500 milhões de usuários ativos na China. "Metade dos usuários do celular do país acessará o aplicativo em 2017", informou o eMarketer. Globalmente, o uso é estimado em torno de 730 milhões de usuários ativos de redes sociais, de acordo com Huileng Tan da CNBC e 846 milhões, de acordo com o Hootsuite e We Are Social. Seja qual for o valor, estes são números altos, tornando a plataforma grande demais para ser ignorada.

  2. QQ foi lançado há 18 anos e, durante anos, foi o maior aplicativo social na China, apenas superado pelo WeChat no inverno passado. QQ foi recentemente reformulado para se concentrar em entretenimento e subculturas entre os jovens da China, com recursos semelhantes aos Snapchat, Rita Liao do Technode explicou. 

  3. Weibo é conhecido como o Twitter da China. No entanto, em termos de números, a rede parece ter ultrapassado o Twitter, com 340 milhões de usuários ativos em comparação a 328 milhões do Twitter. Uma das principais razões para esse crescimento foi a evolução do serviço para uma plataforma de blogs multimídia, com recursos semelhantes aos encontrados no Twitter, Pinterest e Tumblr combinados, explicou Yue Wang da Forbes. O movimento resultou em um aumento entre os usuários mais jovens ao longo do ano passado, segundo o Relatório de Impacto das Redes Sociais na China do Kantar, em 2017

5 tendências para ficar de olho

  1. Aplicativos de serviço - Aplicativos como Dianping e Ctrip alcançaram algumas das classificações maiores de satisfação na China, de acordo com o relatório Kantar. O Dianping, formado pela fusão de duas pequenas empresas semelhantes ao Groupon e Yelp, permite ao usuário fazer reservas de almoço, encomendar comida e comprar ingressos de filmes através do aplicativo, explicou Sherisse Pham da CNN.

  2. Streaming social ao vivo - Recursos interativos como o danmaku, onde pensamentos de outras pessoas parecem voar em sua tela de vídeo, acenderam o lançamento de um componente da rede social para transmissão ao vivo, informou o Social Brand Watch. Um desses aplicativos, Mango TV, um aplicativo de vídeo lançado pela Hunan Satellite, está crescendo rapidamente entre usuários jovens, observou o Kantar

  3. Notícias sociais - Esses recursos interativos também estão ganhando popularidade entre os aplicativos de notícias. O Toutiao, cada vez mais popular, por exemplo, agrega notícias e recursos em perguntas e respostas ao vivo. 

  4. eSports - O mercado de eSports na China deverá crescer para US$ 1,26 bilhão em 2017, de acordo com um novo relatório do pesquisador de mercado Niko Partners. O Tencent também comunicou que vai investir US$15 bilhões no gênero nos próximos anos. 

  5. Aplicativos voltados para idosos - Globalmente, os grupos etários mais velhos são cada vez mais fonte de crescimento das redes sociais, e isso é verdade na China, já que os usuários de 60 e mais anos cresceram em 38,2 por cento no ano passado. Este grupo tende a ver as redes sociais como uma forma de se conectar com amigos e familiares. Em contraste, as gerações mais jovens veem as redes sociais como forma de aliviar a pressão da vida real, observou o Kantar.

Impacto das redes sociais

Em geral, a pesquisa do Kantar sugere que a maioria dos chineses acredita que as mídias sociais tiveram um impacto positivo. As mulheres usuárias, em particular, observaram que os canais sociais são úteis para tomar decisões de compra, aliviar a pressão e aumentar a autoconfiança.

Apesar de sua popularidade, o uso desses canais não está livre de tensões.

Em agosto, a BBC informou que a Administração do Ciberespaço da China acusou os usuários de aplicativos de violarem as leis de segurança cibernética do país, com os usuários "espalhando violência, terrorismo, rumores falsos, pornografia e outros perigos para segurança nacional, segurança pública e ordem social."

Os sites e aplicativos da mídia social ocidental, como Facebook, Instagram e Twitter, bem como o Google, são bloqueados no país. O repórter da BBC John Sudworth observou: "Na China, as postagens são facilmente rastreáveis ​​através de números de telefone registrados e a maioria das pessoas já conhece bem tópicos e opiniões que devem manter distância."

Embora funcionem em um clima político e cultural muito diferente do Vale do Silício americano, essas plataformas continuam a ser centros de inovação e criatividade.

À medida que as marcas e as agências procuram expandir-se pela China --ou para alcançar a diáspora chinesa em todo o mundo-- precisarão entender melhor as complexidades do mercado chinês e muitos dos produtos e serviços exclusivos dentro dele. Isso, juntamente com o tamanho dessas redes, significa que os observadores das redes sociais precisam examiná-las atentamente, se ainda não o estiverem fazendo.

Kristin Peixotto colaborou neste artigo. Formada pela Faculdade de Jornalismo e Comunicação da Universidade de Oregon, ela é estrategista de comunicação, com foco em engajar o público através do poder da tecnologia. Siga-a no Twitter @kpeixotto27.

Imagem sob licença CC no Flickr via Sinchen.Lee 


Leia mais artigos de

Freelance writer

Damian Radcliffe

Damian Radcliffe is the Carolyn S. Chambers Professor in Journalism at the University of Oregon, a fellow of the Tow Center for Digital Journalism at Columbia University, an honorary research fellow at Cardiff University’s School of Journalism, Media and Culture Studies, and a fellow of the Royal Society for the Encouragement of Arts, Manufactures and Commerce (RSA).