Empreendedores de mídia contam lições que aprenderam de erros

porClothilde Goujard
Nov 23, 2017 em Empreendedorismo de mídia

Lançar uma startip de mídia pode ser complicado. A IJNet perguntou a empreededores de mídia sobre erros que cometeram, as lições aprendidas e o conselho que eles têm para os jornalistas que procuram seguir um caminho semelhante.

Mariana Santos é a fundadora da Chicas Poderosas, uma organização sem fins lucrativos com filiais na América Latina. A Chicas Poderosas busca fortalecer e capacitar as mulheres jornalistas, designers e desenvolvedoras a trabalhar colaborativamente em tecnologia e notícias. Mariana trabalhou anteriormente como designer gráfica e de interativos no jornal Guardian e como diretora de animação e interação da Fusion. Ela criou a Chicas Poderosas em 2013 através de uma bolsa Knight do ICFJ.

Mariana estava trabalhando no Guardian em Londres quando percebeu que era especialmente difícil recrutar mulheres para trabalhar no lado tecnológico do jornalismo.

Quando Mariana se mudou para a América Latina, ela lançou a Chicas Poderosas como bolsista do Knight International Journalism Fellowship e começou a compartilhar lições de sua temporada no Guardian com mulheres trabalhando na mídia latino-americana. Ela queria capacitar as mulheres para se tornarem líderes na mídia digital.

Como parte do programa, sua equipe trabalha com embaixadoras em diferentes países, ensinando habilidades digitais e de liderança a mulheres.

"Acabei tendo problemas em uma comunidade onde uma das embaixadoras queria liderar e não compartilhar tanto com as outras embaixadoras", disse Mariana. "Apesar das muitas conversas que tive com essa garota, convidando-a a ser mais aberta e a aceitar as ideias e contribuições de outras mulheres, ela não quis mudar sua maneira de trabalhar. Eu acabei pedindo para ela sair. Precisamos trabalhar em colaboração e não ter uma pessoa ditando o que faremos no país inteiro."

Segundo Mariana, essa pessoa iniciou sua própria organização com um nome e função semelhantes à Chicas Poderosas, confundindo financiadores.

Novas embaixadoras reiniciaram o capítulo Chicas Poderosas nesse país, mas Mariana admitiu que também era confuso para a comunidade.

"Depois disso, a Chicas Poderosas tornou-se uma [organização sem fins lucrativos registrada], com um incrível conselho de diretores que nos orienta e nos leva a onde queremos ir."

Inoussa Maïga é o fundador do Agribusiness TV, a primeira mídia móvel que cobre agricultura em vários países africanos, incluindo Burkina Fasso e Mali. Inoussa trabalhou anteriormente como jornalista freelance e chefe de gabinete da Farm Radio International em Ouagadougou, capital de Burkina Fasso. A IJNet escreveu sobre sua organização de mídia há um ano.

Inoussa disse que o sucesso rápido e a publicidade da Agribusiness TV se tornaram um problema.

"Todos falaram sobre isso, e nós recebemos pedidos de países que não cobrimos", disse ele. "Sentimos um pouco obrigados a responder a esses pedidos da nossa audiência."

"Isso coloca uma enorme pressão [sobre nós] quando [as solicitações] estão vindo do público; temos uma responsabilidade ainda maior do que se viessem de outro lugar."

Ele decidiu obter matérias de freelancers em países fora da zona da Agribusiness TV. Mas muitos freelancers enviaram trabalho abaixo do nível que a organização esperava.

"Queremos cobrir um número cada vez maior de países, mas precisamos levar em consideração a qualidade dos tópicos que estamos cobrindo", explicou.

Com um orçamento limitado, fazer mais matérias em outros países também significou reduzir a quantidade de horas de seus outros correspondentes principais.

Depois de vários meses, a Agribusiness TV acabou diminuindo a expansão e voltando a enfatizar os principais países que estavam seguindo antes.

Inoussa recomenda concentrar-se no que é financeiramente e estrategicamente viável, apesar da pressão externa -- não importando quão lisonjeira e encorajadora pode ser.

Natalia Antelava é cofundadora e editora-chefe do Coda Story, uma startup sem fins lucrativos que cobre uma crise por um período longo de tempo. A jornalista investigativa premiada trabalhou anteriormente para a BBC cobrindo a Ásia Central e já colaborou com o jornal Guardian e a revista New Yorker. A IJNet escreveu sobre sua organização em 2016.

Natalia acredita que tudo que ela e sua equipe fizeram --erros e sucessos-- os levou aonde estão agora.

"De certa forma, eu não teria feito nada de forma diferente", disse ela. "Os erros são parte de todo o processo de construção de uma empresa."

Ela pensou em um erro que poderia ter sido cometido se não estivesse construindo o Coda Story com um parceiro. O cofundador Ilan Greenberg achou que era crucial primeiro se registrar como uma organização sem fins lucrativos, criar um conselho de administração e garantir uma representação legal.

"Só agora vejo o quão certo ele estava e como essa estrutura criada cedo definiu o tom para o crescimento", ela refletiu. "Isso nos levou a uma mentalidade de pensar no Coda não como um projeto de estimação, mas uma instituição real onde trabalhamos."

Ela diz que um dos erros que ela cometeu foi não ser suficientemente seletiva com as pessoas trabalhando para sua organização.

"Muitas pessoas passaram pelo Coda, especialmente nos estágios iniciais, em uma capacidade voluntária. Porque não tínhamos dinheiro próprio para investir, realmente contei com a ajuda desses entusiastas", disse ela. "Como você recusa a ajuda quando precisa tão desesperadamente? Mas acho que se você está recebendo isso de pessoas não adequadas, acabará perdendo tempo."

Imagem sob licença CC no Flickr via Esther Vargas