Dicas para selecionar e pautar vídeos de jornalismo

porNathalia Restrepo
Sep 29, 2019 em Jornalismo multimídia
Câmera de vídeo

Este artigo é o quarto de uma série da Chicas Poderosas, uma comunidade global que promove a liderança feminina e gera conhecimento. Leia o primeirosegundo e terceiro artigo e siga a Chicas Poderosas no TwitterInstagram e Facebook.

Na ficção, dizem: “se você pode escrever, pode filmar”. No entanto, nem todo jornalismo deve ser dito usando vídeo. Limitações humanas, técnicas e de tempo exigem que jornalistas selecionem eficientemente as histórias que desejam contar na tela e planejem meticulosamente um plano para produzi-las.

A seguir, exploramos os tipos de histórias que funcionam bem para o público e as considerações importantes para o processo de planejamento. Em seguida, mostraremos o básico para transformar suas ideias em roteiros fáceis de seguir.

Identificando uma história

Tipos de histórias

Histórias ricas em dados e estatísticas que precisam ser humanizadas. Histórias escritas sobre inflação, desemprego, deslocamento e assuntos semelhantes tendem a ser carregadas de números. Nesses casos, para aumentar seu impacto, análises e conclusões, precisam ser humanizadas e incluir um elemento emocional. O vídeo é um mecanismo ideal para gerar empatia com as histórias por trás dos números.

Quando há muita informação e você precisa sintetizá-la. Algumas questões são extremamente complexas e a mídia costuma contar essas histórias em artigos densos que desinteressam uma grande parte da platéia. Nesses casos, o vídeo pode resumir as principais informações em um formato que a maioria das pessoas entende.

Quando você encontra um personagem extraordinário com uma voz forte. Personagens únicos ou extraordinários podem se perder na voz do repórter, por isso é melhor deixá-los contar sua própria história, com suas próprias palavras.

Quando uma história possui elementos visuais ou de áudio que seriam perdidos quando escritos. Isso abrange uma série de histórias de desastres naturais, protestos e mais.

Escolhendo personagens

Depois de identificar a história, você precisa decidir quem será o personagem principal no vídeo. A história seria melhor contada por uma fonte, repórter ou narração em off? Considere quem pode ser abordado rapidamente, também avaliando quem será capaz de transmitir a mensagem de maneira clara e concisa.

Traçando limites

Quando os jornalistas começam a pesquisar, as histórias crescem e se tornam mais complexas. Um vídeo não pode contar toda a história de uma comunidade exterminada pela violência ou a evolução do movimento feminista, por exemplo. Selecionar partes da história e deixar outras pessoas de lado não torna a história mais fraca. Pelo contrário, o público poderá se concentrar em uma única história bem contada, em vez de várias histórias dispersas.

A duração do vídeo também definirá limites para a história. Ao decidir a duração, considere a plataforma em que planeja publicar o vídeo, pois os algoritmos de cada rede social funcionam de maneira diferente. Por exemplo, o Facebook prioriza vídeos de mais de três minutos, e o YouTube prioriza vídeos entre 15 e 20 minutos. Esses algoritmos mudam com frequência, por isso é importante estar atualizado.

Se você tiver tempo limitado para filmar, pergunte se o seu veículo de mídia está inscrito em uma agência ou banco de imagens do qual você pode extrair um B-roll, ou imagens de fundo, para economizar tempo.

Criando um plano de filmagem 

Depois de saber quanto tempo você precisa filmar, é necessário criar um plano de filmagem que inclua tempo para realizar pesquisas, entrar em contato com fontes, escolher um ângulo e reunir os principais personagens. Então, você precisa de tempo para escrever o roteiro, filmar e editar. É imperativo planejar isso antes de começar.

Escrevendo um roteiro audiovisual

Noções básicas de roteiro

O roteiro deve incluir uma visão geral da história, bem como instruções para contar a história passo a passo. Descreva cada cena, incluindo os elementos de áudio, vídeo e foto da cena.

Cada equipe deve determinar o formato e a complexidade do roteiro, de acordo com suas preferências. Todo mundo tem que saber, interpretar e usar a mesma estrutura. Um esquema básico do roteiro pode ser:

Sample audiovisual script

Dicas para ter em mente:

  • "In/out" se refere ao registro da hora em que os elementos audiovisuais serão adicionados.
  • Sempre inclua o nome dos arquivos de vídeo, foto e áudio que você usará (exemplo: AW1909, PIC10).
  • Explique onde as inserções, a narração e o texto devem ser adicionados.
  • Indique quando você deseja usar técnicas como transições e efeitos.
  • Inclua referências de design, bem como quaisquer outras observações que o diretor e o produtor precisem.

Como exercício prático, encontre um vídeo online que espelhe a estrutura que você deseja e escreva o roteiro. Escreva tudo o que acontece e mostre a um amigo ou colega para obter feedback sobre se está claro ou não.

Conectando com o público

Os primeiros cinco segundos do seu vídeo são o gancho, que é a parte que fará com que seu público se interesse por sua história e esteja disposto a assistir até o fim ou não.

Não existe uma fórmula exata para escrever um gancho. Pode ser o personagem principal na frente de uma câmera dizendo uma frase significativa, um dado importante ou uma cena com muito poder audiovisual.

A chave é que o gancho introduza a história e gere curiosidade no público. Deve provocar um efeito emocional e fazer o público querer saber: “O que acontecerá com esse personagem?” “Como chegamos a essa situação?” “Como será resolvido?” E “O que podemos fazer para ajudar?"

Construindo o suspense

Não se apresse em responder a todas as perguntas no primeiro minuto. Defina qual estratégia de narrativa funciona melhor para você e sua equipe e crie suspense ao longo do vídeo, gerando picos de interesse diferentes, não apenas no começo.

No final do roteiro, verifique se você cumpriu a promessa que fez ao seu público e se entregou uma história completa. Sempre se pergunte: "Atingi meu objetivo com este vídeo?"

Contar histórias em vídeo, especialmente nas mídias sociais, oferece muita liberdade. A única coisa que você precisa respeitar é o gancho; então, você pode mover as peças conforme desejar, para manter a intriga e o suspense.


Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Sam McGhee