Design thinking para jornalistas: ferramentas para incentivar inovação

porKaren de la Hoz & Angélica Cuevas
Jan 4, 2021 em Empreendedorismo de mídia
Pessoa segura uma lâmpada

Cada vez que nós jornalistas vemos o valor de criar produtos informativos baseados nas necessidades do público (e não nas nossas), quebramos um paradigma: paramos de repetir o princípio errado de acreditar que sendo repórteres sabemos o que interessa aos nossos leitores e invertemos a equação. Abandonamos palpites desprovidos de evidência, ativamos empatia e investigamos, sem preconceitos, quais são os produtos, serviços e experiências que devemos entregar aos nossos leitores, ouvintes e telespectadores ou que experiências interativas devemos criar.

Esta abordagem é conhecida como “Design centrado no ser humano” e tem sido essencial para designers de grandes empresas imaginarem smartphones, geladeiras, televisores ou fones de ouvido, que adquirimos hoje nas lojas.

Muitos desses produtos são resultado de um processo de design thinking, utilizado pelas principais empresas de inovação do mundo e baseado na inter-relação de cinco etapas: empatizar (entender as necessidades do meio ambiente e do usuário), definir (o problema), conceber (todas as soluções possíveis), prototipar (um ou vários caminhos) e testar (para verificar, a baixo custo, se funciona).

Ao longo dos anos, o Hasso Plattner Design Institute (d.school) da Universidade Stanford recomenda esses estágios não como uma camisa de força a ser resolvida em um passo a passo linear, mas como uma jornada na qual o problema é considerado entre as diferentes etapas para revelar as soluções.

[Leia mais: O que organizações de notícias podem aprender com e-commerce]

 

Essa metodologia, que pode ser aplicada em todas as disciplinas e tem sido pouco explorada no jornalismo, pode ser útil para desenvolver empreendimentos melhores, criar programas de membresia, lançar boletins informativos, elaborar especiais jornalísticos e até mesmo melhorar as relações entre desenvolvedores, designers e repórteres de uma redação.

Durante junho e agosto de 2020, graças a uma pequena doação que o ICFJ nos concedeu e seu programa Um Caminho Digital para o Empreendedorismo e a Inovação para a América Latina, convidamos 20 jornalistas latino-americanos para realizar um workshop prático sobre design thinking que desenvolvemos junto com Letícia Britos, uma das professoras do Instituto Hasso Plattner de Design.

Repórteres, designers de produtos, líderes de programas de membresia, diretores de mídia e empreendedores da Argentina (Grupo Octubre e Página 12), Brasil (Agência Pública e Infoamazônia), Colômbia (La Podcastinación e Cosas de Internet), Guatemala (Chajalele Podcast) , Peru (La Caja Datera), Honduras (Cespad) e Equador (Paralelo), participaram de sessões enriquecedoras onde abordamos a metodologia e a experimentamos.

Esta caixa de ferramentas surgiu dessas semanas de trabalho e contém recursos que podem ajudar repórteres a resolver diferentes tipos de desafios em suas redações:

1. Design Thinking Bootleg: Este guia, criado pela d.school de Stanford, vai além da definição dos estágios clássicos do processo de design thinking (empatia, definição, concepção, protótipo e teste). É uma verdadeira caixa de ferramentas com vários métodos que você pode aplicar facilmente para lidar com qualquer tipo de projeto.

Os recursos da d.school respondem à visão de que o design thinking está mais relacionado à aquisição de habilidades (ver biblioteca de ambiguidade) e ao uso delas de acordo com as circunstâncias, do que seguir estritamente um processo preestabelecido. Carissa Carter, diretora de Ensino e Aprendizagem da d. School de Stanford, desenvolve essa ideia no artigo "Let’s stop talking about THE design process".

O Design Thinking Bootleg está disponível em inglês e espanhol.

Mais recursos para começar a empregar essa metodologia: 

2. Biblioteca de ambiguidade: Para a equipe d.school, a habilidade mais importante para enfrentar qualquer desafio é aprender a lidar com a ambiguidade. Aprenda como navegá-la e aprenda um pouco sobre as oito habilidades básicas do design thinking:

a. Lidar com a ambiguidade: é a capacidade de reconhecer e persistir no desconforto de não saber algo e de desenvolver táticas para superar a ambiguidade quando necessário.

b. Aprender com os outros (pessoas - usuários, aliados e membros da equipe - e contextos): significa ter empatia, adotar diferentes pontos de vista, experimentar novas ideias com outras pessoas e observar e aprender com contextos desconhecidos.

c. Sintetizar informações: é a capacidade de dar sentido às informações para encontrar pistas, dados e oportunidades. Essa habilidade requer técnicas para desenvolver marcos, mapas e pensamento abdutivo.

d. Experimentar rapidamente: é a capacidade de gerar ideias rapidamente, sejam elas escritas, desenhadas ou construídas. Esta habilidade é naturalmente combinada com a habilidade de "Aprender com os outros".

e. Ir entre o concreto e o abstrato: Esta habilidade envolve abstração para definir significados, objetivos e princípios, bem como precisão para definir detalhes e características. Este vídeo de Charles e Ray Eames nos ajuda a entender a capacidade de passar do concreto ao abstrato.

f. Construir e criar intencionalmente: Esta habilidade requer a exibição do trabalho no nível de resolução mais apropriado para obter o feedback desejado.

g. Comunicar deliberadamente: é a capacidade de formar, capturar e contar histórias, ideias, conceitos, reflexões e aprendizados para os públicos apropriados.

h. Projete seu trabalho de design: Esta meta-habilidade consiste em reconhecer um projeto como um problema de design e, em seguida, decidir sobre as pessoas, ferramentas, técnicas e processos necessários para resolvê-lo. É uma habilidade que se desenvolve com a prática. Requer o uso da intuição, adaptando velhas ferramentas a novos contextos e desenvolvendo técnicas originais para enfrentar o desafio em questão.

[Leia mais: 5 elementos que organizações de jornalismo sustentáveis têm em comum]

 


3. Liberatory Design CardsÉ uma adaptação ao processo de design thinking que busca que quem implementa essa metodologia tenha consciência do impacto de suas próprias crenças e preconceitos no relacionamento com seus usuários e ao longo do processo de design.

Essa adaptação adiciona dois novos modos de design, NOTICE + REFLECT, ao pensamento de design hexagonal existente: empatia, definição, concepção, protótipo e teste.

A ferramenta foi desenvolvida pelo Laboratorio K12 da d.school K12, em colaboração com o National Equity Project dos Estados Unidos.


4. Pretotipar isto: Este livro, que não é um livro mas sim um pretótipo de livro, apresenta e desenvolve o conceito de pretótipo (sim, com e), que em palavras simples é uma ferramenta para “ter a certeza – o mais rápido e o mais barato possível – de estar construindo a coisa certa antes de construir”.

A pretotipagem se concentra em responder a uma pergunta muito básica e muito importante: é isso que você precisa construir? Os pretótipos tornam possível reunir dados valiosos de mercado e uso para tomar a decisão de continuar ou não trabalhando em uma nova ideia, a uma fração do custo dos protótipos.

O livro apresenta e desenvolve sete técnicas para fazer pretótipos que você pode usar em seus projetos:

  1. O Autômato Turco: substituir equipamentos ou máquinas complexas e caras por seres humanos.
  2. O Pinóquio: construir uma versão não funcional e "sem vida" do produto.
  3. O Produto Mínimo Viável: criar uma versão funcional dele, mas despojado de suas funcionalidades mais básicas.
  4. O Provincial: antes de lançar em todo o mundo, faça um teste em uma amostra muito pequena.
  5. A Porta Falsa: criar um “tíquete” falso para um produto que ainda não existe em nenhuma forma.
  6. O Simulador de Posse: antes de investir na compra de tudo que você precisa para isso, comece alugando ou emprestando.
  7. O Re-etiquetado: colocar uma etiqueta diferente em um produto existente que aparece como o produto que você deseja criar.

O conceito de pretótipo foi desenvolvido por Alberto Savoia. Você pode encontrar mais recursos sobre pretotipar no seu site. 


Karen de la Hoz trabalha como diretora de comunicação da Fundação Gabo e professora de Novas Tecnologias na Universidade de Cartagena, Colômbia. Angélica Cuevas é professora de negócios jornalísticos da Pontificia Universidad Javeriana de Bogotá e jornalista da Mutante.org. Ambas foram bolsistas do ICFJ em 2019. 

Imagem sob licença creative commons no Unsplash via Diego PH