Desafios de combater notícias falsas que circulam no WhatsApp

por Connie Moon Sehat Credibility Coalition
Sep 12, 2018 em Fact-checking e verificação

O uso de WhatsApp, Sinal, WeChat, Telegrama, Line e outros aplicativos fechados de mensagens está em alta. De acordo com o Digital News Report de 2018 publicado pelo Instituto Reuters da Universidade de Oxford, as pessoas pesquisadas (74.000 consumidores de notícias online em 37 países) estão usando mais aplicativos de mensagens para qualquer finalidade (44%), enquanto o uso médio para obter notícias nesses espaços mais que duplicou em quatro anos para 16%.

A razão para essa mudança é bastante direta: um desejo crescente de privacidade, e é exatamente por isso que esses espaços ainda não são bem compreendidos. Os dados relacionados a essas conversas estão disponíveis apenas para participantes, incluindo grupos de uma a centenas de pessoas.

Fomos inspirados por uma recente chamada do WhatsApp para incentivar mais investigações sobre esse espaço. Queríamos fazer duas perguntas: quais são as metodologias boas para explorar esse espaço? Que ética precisa ser levada em conta, já que a própria privacidade fundamenta esses espaços?

Tivemos a sorte de organlizar este workshop com Oren Levine, do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), que destacou a urgência deste tópico, dado o crescente uso do WhatsApp como canal principal para registrar e compartilhar notícias. Nós nos separamos em grupos e tivemos algumas discussões animadas, e saímos com algumas ideias.


Do “The Rise of Messaging Apps for News", Relatório de notícias digitais, Instituto Reuters para o estudo do jornalismo, 2018.

1. Precisamos coletar mais informações sobre que tipo de conteúdo é compartilhado e quem o compartilha.

Como esses espaços são privados, qualquer conhecimento sobre eles requer a participação de pessoas que usam esses aplicativos de mensagens. É fácil imaginar um formulário de pesquisa para pessoas dispostas e interessadas, como uma maneira simples de obter mais informações.

O questionário pode incluir as seguintes perguntas, por exemplo, referente a uma ampla chamada de pesquisa com foco em mensagens privadas que incluem desinformações:

  • Em que idioma a mensagem é divulgada?
  • Selecione o tamanho do grupo de mensagens privadas onde você viu a mensagem: 2 pessoas, 3 a 5 pessoas, entre 5 e 100 pessoas, mais de 100
  • Descreva o foco do grupo, se aplicável: família, amigos, organização, causa
  • Você pode fornecer uma captura de tela da mensagem?
  • Data da mensagem compartilhada
  • Contato do contribuidor: e-mail ou número de contato no WhatsApp para responder a perguntas
  • Disposição para responder mais algumas perguntas? S / N

Se o participante estiver disposto, podemos então perguntar um pouco mais sobre ele ou ela como uma forma de entender as pessoas que compartilham notícias nesse espaço.

Por exemplo, poderiam completar uma enquete anônima, fornecendo uma certa quantidade de dados demográficos e de experiência do usuário:

  • Faixa etária
  • Gênero
  • País
  • Espectro político
  • Espectro econômico
  • Raça/etnia
  • Há quantos anos usa o WhatsApp? Menos de um ano, um ano, vários anos
  • Quando usa o WhatsApp?

No final, coletar e comparar essas informações nos contextos e idiomas do país pode nos fornecer uma melhor compreensão do que está acontecendo nesses espaços.

2. Antes de implementar pesquisas, pense nos limites do conhecimento que poderia ser reunido de maneira confiável.

Além de informações descritivas via pesquisa, podemos redirecionar algo tão simples como “hotlines” ou “tiplines” de verificação de fatos (como recentemente no México, a seguir no Brasil e há tempo emTaiwan): um número para onde as pessoas podem encaminhar conteúdo através de seus aplicativos de mensagens privadas para fins de pesquisa.

No entanto, pesquisas voluntárias solicitadas em espaços privados podem gerar respostas pouco autênticas. Isso acabou sugerindo que quanto menos anônimo o participante for, mais confiáveis ​​serão as respostas. Em outras palavras, talvez as pessoas enviem pesquisas com informações falsas apenas porque podem. Talvez melhores elos de conexões entre pesquisador e pesquisado signifiquem melhor conhecimento.

Logo de cara, entretanto, isso significa que nosso conhecimento desses espaços não deve ser aplicado em grande escala. Com base em redes confiáveis, os esforços também provavelmente não produziriam conjuntos muito diversos de participação: é difícil imaginar a participação de grupos de mensagens privadas que discutem tópicos ilegais, ou seja, antidemocráticos.

Um exemplo de ideias coletivas reunidas neste tópico usando nosso modelo favorito de “oficina com stickies (grandes)”.

3. O padrão para a revisão ética pode ter que ser maior que a média, dado o contexto.

Tentar aumentar a qualidade através de uma cadeia de participantes confiável também levanta uma questão da ética. Também temos que pensar na desidentificação e anonimização desses dados (essa recente matéria do Guardian fornece alguns bons exemplos do que acontece quando isso não é feito corretamente).

E quanto à compreensão dos termos por parte das pessoas com as quais estamos conversando? Até que ponto devem ter uma palavra a dizer na definição do que é revisado, analisado e salvo mesmo após o fato?

Além disso, teríamos que divulgar minimamente nossa intenção, nossas políticas de privacidade e tentar encontrar revisores externos para ajudar a manter nossos processos em dia. Então, quem poderia nos ajudar a fazer isso?

Finalmente, qual é o papel do pesquisador, especialmente se ele ou ela está ativamente tentando invadir espaços privados? E as considerações de segurança para esses repórteres e pesquisadores?

Também precisamos entender como é o consentimento quando (1) o indivíduo que envia um artigo de conteúdo pode não representar todo o grupo de onde veio ou que o fato de (2) revelar que é jornalista pode expulsá-lo de certos grupos ou mesmo torná-lo alvo de assédio.

Essas foram algumas ideias que tivemos em Washington, e gostaríamos de ouvir outras ideias sobre esse problema e continuar com o brainstorming.

O MisinfoCon 4.0 em Washington, D.C. foi o quarto encontro da comunidade Misinfocon, um projeto da Fundação Hacks/Hackers. Por meio de reuniões em todo o mundo, além de redação e mídia social, o Misinfocon foca em encontrar formas de combater a desinformação e seus efeitos, melhorando a confiança, a verificação, fact-checking e a experiência do leitor.

Este é o segundo de uma série de posts de blog do Credibility Coalition sobre os workshops que lideramos no MisinfoCon D.C., realizados no Newseum. Organizamos esses workshops ao longo de dois dias, com cerca de 50 pessoas de diversas organizações representando governo, pesquisa, advocacia, jornalismo e grupos acadêmicos.

Este post foi publicado originalmente na página do Misinfocon no Medium page e foi reproduzido na IJNet com permissão. 

Imagem sob licença CC no Unsplash via Kelly Sikkema