Conselhos para entrevistar sobreviventes de violência sexual

por Mariana Verbovska
May 13, 2021 em Temas especializados
Duas pessoas aparecendo as mãos de frente para um microfone

Quase uma em cada três mulheres (30%) em todo o mundo já sofreu violência física ou sexual por parceiro íntimo, ou violência sexual por não parceiro em suas vidas, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Embora seja difícil, é importante para a mídia noticiar sobre essa violência. Ao fazer isso, os jornalistas devem identificar pessoas que estão prontas para discutir suas experiências e estar equipadas com a linguagem e sensibilidade adequadas para engajar em conversas. Os jornalistas também devem prestar atenção à sua própria saúde mental ao fazerem esse tipo de reportagem.

Para obter dicas sobre como cobrir o tema, conversei com a psicóloga, ativista de direitos humanos, instrutora e fundadora do Centro de Perspectivas da Mulher, Martha Chumalo. Chumalo trabalha com mulheres sobreviventes de violência e abuso há mais de 20 anos. Em dezembro de 2020, ela recebeu o prêmio anual Human Rights Tulip da Holanda.

Prepare a entrevistada antes da entrevista

Lembre-se de que uma conversa com a mídia pode ser tanto benéfica como prejudicial para as entrevistadas. “Potencialmente, qualquer conversa pode ser terapêutica ou traumatizante; tudo depende do seu conteúdo”, disse Chumalo. “Uma conversa sobre trauma é como reabrir feridas”. Os jornalistas, portanto, devem ser sensíveis aos sentimentos da pessoa entrevistada.

Ela acrescentou que conversas produtivas devem ser realizadas em um local que a entrevistada considere seguro. É fundamental que a pessoa se sinta confortável antes de compartilhar o trauma com você. Você deve discutir isso com antecedência, perguntando ao entrevistado sobre seu bem-estar, como:

  • "Você está pronta para esta conversa?"
  • "Você dormiu bem?"
  • "Você se sente segura?”

Permita que a entrevistada escolha a hora e o local

Ao organizar a entrevista, é importante permitir que a entrevistada tome o máximo de decisões possível.

“Muitas pessoas, especialmente aquelas que sofreram abusos e violência por longos períodos de tempo, não tinham autoridade sobre suas próprias vidas. É por isso que muitas vezes caem no padrão de subordinação, especialmente se ainda não enfrentaram sua experiência traumática”, disse Chumalo. “É importante não tomar decisões por elas, ao mesmo tempo que as encoraja a readquirir esta habilidade.”

[Leia mais: Dicas para cobrir violações e abusos dos direitos humanos durante COVID-19]

Respeite o direito de recusar uma entrevista

Em seus treinamentos, Chumalo instrui os jornalistas a fazer uma parceria com um colega com quem se sintam seguros e relaxados. Ela então pede que se lembrem de uma experiência sexual positiva que possam ter tido e a compartilhem com seu parceiro para o exercício.

“Você precisa ver a indignação e relutância que esse exercício causa. Peço aos jornalistas que lembrem desse momento: a reação de seu próprio corpo”, disse Chumalo. “Porque quando eles vêm para uma entrevista, a entrevistada tem que compartilhar uma experiência não menos pessoal que não foi nada positiva, mas sim muito desagradável e dolorosa.”

Sua principal prioridade deve ser a sensibilidade aos sentimentos da entrevistada. “É tudo muito íntimo”, disse Chumalo. “Você deve sempre esperar que a pessoa não esteja pronta para falar. Esta decisão deve ser respeitada. Nesses casos, agradeça e diga que você se solidariza. Peça perdão se suas ações trouxeram sofrimento adicional.”

Não olhe muito para o gravador de voz ou telefone

Para sobreviventes de abuso e violência, sua experiência a ensinou a procurar sinais não-verbais. Elas podem esperar que outras pessoas as tratem injustamente. “Mesmo quando você olha para o seu gravador de voz em vez delas, verão como você não está prestando atenção suficiente”, disse Chumalo.

Para evitar qualquer interpretação errada, Chumalo sugere ser franco e honesto. “Por exemplo, no início da conversa, explique que embora possa parecer impróprio, você deve olhar para o gravador de vez em quando para verificar se ainda está funcionando, se a bateria não acabou.”

[Leia mais: Dicas para reportagens sobre agressões e abusos sexuais]

Responda com tato às perguntas dirigidas a você

Prepare-se para responder com empatia e compaixão às perguntas que a entrevistada pode fazer. Se ela lhe perguntar, por exemplo, o que você faria se estivesse no lugar dela, você poderia dizer algo como: "Não sei como me comportaria, mas respeito e admiro o que você fez."

Expresse preocupação se a entrevistada ficar visivelmente chateada

A entrevistada pode ficar visivelmente perturbada durante a conversa. Se ela começar a chorar, por exemplo, mostre sua preocupação e ofereça um copo d'água ou lenço de papel. “Não tente acalmá-las”, disse Chumalo. “Ao deixá-las chorar, você dá às pessoas uma sensação de aceitação, mesmo quando estão em um estado de vulnerabilidade.”

Concentre-se nas ações do perpetrador

Focar nas ações do agressor ajuda a desviar a atenção da sobrevivente, disse Chumalo. Não tente avaliar se a entrevistada caminhou rápido o suficiente, se reagiu corretamente ou se pediu ajuda, por exemplo.

“A violência é cometida por agressores, mas na mídia, muitas vezes, vemos apenas as histórias das sobreviventes”, disse Chumalo. Embora os jornalistas raramente tenham acesso aos perpetradores para entrevistas, podem relatar informações sobre o agressor usando as palavras de sobreviventes, testemunhas oculares ou outras pessoas que conheçam o agressor. “Isso é fundamental para cobrir a violência. Temos que mostrar aqueles que cometem tais ações. ”

A violência não acontece no vácuo, disse Chumalo. Isso acontece dentro da comunidade. Se a violência aconteceu em um parque municipal, isso significa que existem locais na cidade onde essas coisas podem acontecer. A violência levanta questões importantes para as autoridades municipais sobre como tornar certos locais mais seguros.

A responsabilidade pela violência sempre recai sobre o perpetrador e o estado que não implementou salvaguardas suficientes.

Cuidado com a linguagem

Os jornalistas devem escolher suas palavras com cuidado. Por exemplo, use a palavra “sobrevivente” em vez de “vítima” ao descrever alguém que sobreviveu a um incidente traumático.

“Usamos a palavra‘ vítima ’quando uma pessoa morre”, disse Chumalo. “Existem vítimas do terror, do genocídio, da fome. É importante dizer 'sobreviventes da violência'. "

Envolva sua entrevistada em sua experiência

Durante a conversa, respeite a experiência e o insight da entrevistada. Pergunte o que o governo ou a prefeitura podem fazer para evitar incidentes semelhantes no futuro, por exemplo. Ou pergunte o que acham que pode ser feito para tornar o meio ambiente mais seguro.


Mariana Verbovska é uma jornalista que mora e trabalha em Lviv, Ucrânia. Ela foi bolsista do Milena Jesenská Visiting Fellowship no Instituto de Ciências Humanas de Viena, Áustria, onde pesquisou como a mídia cobre as mudanças climáticas. No ano passado, Verbovska foi nomeada Jornalista do Mês da IJNet..

Se você achou este conteúdo angustiante ou difícil de discutir, você não está sozinho. Existem recursos disponíveis para ajudar. Comece explorando os recursos do Dart Center for Journalism and Trauma e procure apoio psicológico, se necessário.

Imagem sob licença CC no Unsplash via CoWomen