Como tornar matérias de formato longo mais envolventes

porCristiana Bedei
Dec 18, 2019 em Engajamento da comunidade
Diário

Na era das notícias instantâneas e das atualizações ao vivo, o jornalismo de formato longo continua a prosperar. Do New York Times ao Guardian ou BuzzFeed, a maioria dos principais meios de comunicação publica regularmente matérias mais longas e até imersivas, incluindo diferentes fontes, elementos interativos, áudio, vídeo e dados.

Geralmente, esses são projetos mais caros e demorados, mas atendem aos leitores, oferecendo perspectivas e reportagens mais detalhadas. Uma análise de 2016 do American Press Institute mostrou que as histórias longas recebem mais visualizações e compartilhamentos do que outras, e a lista das 10 matérias mais interessantes do Chartbeat no ano passado — selecionadas pela plataforma de inteligência de conteúdo entre mais de 60 milhões de artigos publicados — incluiu pelo menos sete investigações e recursos em profundidade.

“Há muita coisa escrita sobre como nossa atenção coletiva está diminuindo, e tudo isso é verdade. Mas também vemos sinais de que as coisas estão indo na outra direção”, disse Brandan Spiegel, cofundador e diretor editorial da Narratively, uma plataforma de mídia digital especializada em histórias de interesse humano. “Muitas pessoas estão cansadas de receber suas notícias das manchetes nas redes sociais. A constante enxurrada de informações cansa nossos cérebros e nossas mentes.”

Spiegel disse que as pessoas estão com fome de trabalhos que podem tirá-las do ciclo de notícias sem parar por um segundo. “[Na Narratively], experimentamos diferentes comprimentos de artigos e descobrimos que nossas histórias mais longas e cuidadosamente elaboradas são as que se mantêm. Um exemplo é The Man With the Golden Airline Ticket, que é um dos artigos mais longos que já publicamos e também um dos mais lidos.”

O jornalismo de formato longo retornou na era digital, com novas ferramentas, espaços virtuais e tecnologias gerando uma nova onda de matérias altamente envolventes, como Snowfall: The Avalanche at Tunnel Creek do  New York Times em 2012.

Mas como você faz com que os leitores fiquem até o final de um artigo longo? Como você os mantém interessados ​​quando há tantas coisas diferentes competindo por sua atenção, especialmente online?

Pedimos dicas a Brendan Spiegel do Narratively e e Natalie Orenstein do Berkeleyside, vencedora do prêmio de storytelling do grupo do norte da Califórnia da Sociedade de Jornalistas Profissionais por sua série Beyond the Buses.

Não desperdice a atenção do leitor

A abertura do artigo precisa atrair os leitores, especialmente em matérias online escritas, disse Spiegel. “Um filme talvez tenha cerca de 30 minutos para segurar o interesse do espectador antes que o mesmo desligue-o e resolva assistir a outra coisa. Com um podcast, talvez você tenha cinco minutos. Com um artigo impresso no New Yorker, podem ler uma página inteira antes de decidir se devem ou não continuar”, disse ele. "Com um artigo online, você tem um parágrafo, no máximo."

Cada frase precisa avançar a história e envolver o leitor. Segundo ele, os jornalistas não têm o luxo de incluir uma seção de 1.000 palavras que seja útil como pano de fundo, mas que não seja interessante para o leitor. O risco é perder completamente a atenção.

Edite resumindo

Ser longo não é uma virtude em si, observou Spiegel. A chave é encontrar o equilíbrio certo entre criar cenas que chamam a atenção do leitor, sem se atolar em muitos detalhes que eles se perdem. "A edição sucinta é provavelmente ainda mais importante em uma matéria longa do que em uma mais curta", acrescentou Spiegel.

Para tornar as histórias mais atraentes, você pode precisar experimentar diferentes ferramentas narrativas e mídias. "Não acho que o futuro do jornalismo seja o de pessoas lendo artigos de 10.000 palavras em seus computadores", disse ele.

Devido ao sucesso das histórias em áudio, por exemplo, a Narratively lançou recentemente versões de áudio completas de cada nova história publicada. Spiegel acha que os e-readers também apresentam muitas oportunidades.

Planeje além da publicação

"Como consumidor e escritor de jornalismo de formato longo, eu aprecio quando os meios de comunicação apresentam oportunidades para os leitores se envolverem com o trabalho além da página e após a publicação", disse a repórter Natalie Orenstein. Isso pode assumir muitas formas diferentes: um evento ao vivo, uma enquete na matéria, um fio de mídia social.

Para sua série premiada sobre integração escolar em Berkeley, a equipe de Orenstein usou fotos antigas da Associated Press das primeiras turmas do ensino fundamental integradas racialmente na década de 1960. "Incluímos de imediato uma caixinha à parte, solicitando que os leitores nos avisem se eles se reconhecem nas fotos". Meses depois, ela foi contatada por um homem na Austrália que viu seu irmão no jardim de infância na época em uma das fotos. Ele enviou um e-mail a Orenstein sobre sua experiência com a integração e se ofereceu para qualquer ser entrevistado para qualquer matéria de seguimento.

Tratar o jornalismo como uma conversa e envolver o público com o processo de reportagem pode ajudar a mídia a construir um relacionamento com os leitores, reunindo-os e criando uma comunidade envolvida com maior probabilidade de apoiar e revisitar o trabalho. "Como jornalista local, é gratificante e importante para mim saber que a comunidade que abordo se vê em nosso trabalho e que as pessoas tenham oportunidades de ter uma voz além das poucas entrevistas que eu possa fazer enquanto ao reportar para uma matéria", ela disse.


Cristiana Bedei é uma freelancer que escreve sobre gênero, sexualidade, direitos da mulher, imagem corporal, saúde mental e mais.

Imagem sob licença CCno Unsplash via Thomas Martinsen