Como revisar sua matéria de olho na precisão

por Rana F Sweis
Dec 13, 2012 em Jornalismo básico

Como repórter, você deve apurar informações e entrevistar fontes rapidamente, em seguida, explicar o que aprendeu de forma concisa e clara. Uma vez feito isso, é tentador enviar a matéria para seu editor ou clicar em "publicar" no seu blog.

Resista a essa tentação. Você precisa fazer mais uma coisa para garantir que a sua história contenha apenas informações precisas, imparciais e verificadas: edite seu texto linha por linha.

O repórter investigativo Nils Hanson compartilhou o conselho de editar linha por linha na conferência da organização de Repórteres Árabes para Jornalismo Investigativo (ARIJ, em inglês) no Cairo. Mais de 200 jornalistas e acadêmicos, principalmente do Oriente Médio, participaram da conferência, que incluiu sessões de treinamento e oportunidades de networking com instrutores e repórteres investigativos internacionais.

Hanson, que trabalha para a emissora sueca SVT e é membro do conselho da ARIJ, ofereceu estas dicas para uma edição de precisão:

Tenha em mão seu bloco de endereços e notas

Certifique-se de ter ao lado sua lista de fontes e informações de contato, bem como as anotações das entrevistas. Pode haver fatos que precisam ser checados novamente enquanto você revisa o texto.

Mantenha a mente aberta

Uma grande armadilha é se deixar prender por uma certa crença, mesmo quando a evidência aponta em outra parte, Hanson disse. Repórteres às vezes fazem isso sem perceber, portanto, fique aberto quando apurar e editar sua história.

"Ouça o cético, examine o especialista e questione a vítima", disse Hanson. Pense no recente escândalo na BBC em que uma vítima de abuso sexual admitiu ter acusado erroneamente um ex-político de atacá-la "As vítimas podem provar suas alegações?"

Examine cada fato

Pergunte-se se há perda de informação essencial e se todas as afirmações são baseadas na verdade. Marque cada fato, nome, número e declaração citada em sua história e depois as verifique. "Cuidado com os exageros, como 'todo mundo diz' ou 'eles não fizeram nada'", disse Hanson.

Verifique todos os dados, incluindo as estatísticas. "Mesmo os dados apresentados pelos entrevistados devem ser verificados", disse ele.

Avalie suas fontes e decida se você precisa de mais entrevistas

As suas fontes tiram conclusões que outros possam criticar? Inclua esse fato.

Repórteres precisam ter certeza de que falam com muitas pessoas, incluindo quem não gostam ou quem não gostam deles. Também devem incluir pessoas que são controversas ou que podem parecer um pouco estranhas ou simplesmente erradas para o repórter.

"As pessoas criticadas na sua matéria têm a chance de responder a todas as críticas sérias dirigidas a elas?" Hanson perguntou.

"Olhe para a matéria em geral e verifique se é imparcial ou se é escrita num tom de acusação", ele recomendou. "Quem ou o que poderia dar uma imagem diferente?"

Proteger as fontes e verifique os direitos autorais

Certifique-se de que uma fonte que pediu para não se identificada não aparecerá nos documentos publicados ou em fotos ou vídeo. Também analise os designs e direitos de autor, incluindo em logotipos e estatísticas em tabelas ou gráficos.

Verifique se há alguma pulga atrás da orelha

Depois de examinar a matéria linha por linha, Hanson aconselhou fazer-se duas perguntas finais. Primeiro, pergunte-se: "Você está preocupado com alguma coisa?" Se a resposta for afirmativa, seja honesto consigo mesmo e com seu editor sobre o que é.

Finalmente, pergunte-se: "O que pode gerar críticas?" Não remova essas partes automaticamente. Em vez disso, atenda a essas críticas em sua matéria.

Se você seguir esses passos, vai ser muito menos provável a necessidade de publicar uma correção ou mesmo lamentar a publicação da história.

Rana F. Sweis é uma jornalista freelance e pesquisadora de mídia. Ela escreve principalmente sobre reforma política, refugiados e questões sociais no Oriente Médio. Ela também é a principal pesquisadora na Jordânia do Mapping Digital Media Study patrocinado pelo Open Institute. Visite o site de Sweis e segui-a no Twitter.

Foto Cortesia de Rogue Sun Media, usada com a licença Creative Commons