Como organizações de notícias podem usar WeChat para alcançar usuários na China

por James Breiner
Jun 12, 2013 em Diversos

Mais uma vez me vejo aprendendo coisas novas com meus alunos aqui na China, onde co-dirijo o Programa Global de Jornalismo de Negócios na Universidade de Tsinghua.

A tarefa deles foi recomendar uma estratégia de marketing de mídia social para uma organização de notícias ou de negócios onde gostariam de trabalhar. Vários desses planos de marketing que desenvolveram incluíram WeChat, que é um serviço de mensagem de voz em texto e gratuito para telefones celulares. WeChat permite que seus 300 milhões de usuários em todo o mundo se conectem com qualquer pessoa na lista de endereços do seu telefone.

Recomendações de estudantes

O aluno que escolheu o Wall Street Journal sugeriu melhorar o seu serviço WeChat tendo alguns dos seus repórteres interagindo com os seguidores. "Neste momento, os seguidores não têm qualquer resposta às mensagens enviadas em WeChat."

Outro estudante recomendou uma campanha em WeChat para a CCTV, a principal rede de televisão da China, incluindo vídeos curtos de notícias projetados para visualização em smartphones. O estudante recomendou que a CCTV recrute alguns jovens para serem repórteres de vídeo e permita que os usuários façam upload de seus próprios vídeos, seguindo o modelo do iReport da CNN.

Um estudante projetando uma campanha para uma companhia aérea da Indonésia escolheu WeChat como uma plataforma para atingir o mercado potencialmente lucrativo chinês, cujo público no continente não pode acessar Facebook e Twitter.

Pontos fortes e fracos de WeChat: privacidade

Os usuários de WeChat podem transmitir mensagens aos grupos, seguir marcas, compartilhar fotografias e vídeos, e se conectar a novos usuários através de serviços de localização. O recurso de mensagem de voz é especialmente popular entre os chineses que não querem perder tempo digitando os caracteres em mandarim ou pinyin.

A desvantagem de WeChat em comparação com o site de microblog chinês Weibo (um serviço semelhante ao Twitter) é que as mensagens são privadas. Vão apenas para a lista de contatos de uma pessoa, em que cada um dos contatos é ligado a um número de telefone particular. Por outro lado, o link para um número de telefone real é uma vantagem do ponto de vista publicitário: WeChat não tem as contas falsas que abundam no Weibo.

Marketeiros gostam de WeChat porque as mensagens passadas entre os contatos nesta plataforma são mais vistas, perto de 100 por cento. Em contraste, somente cerca de 15 por cento dos usuários Weibo olham uma determinada mensagem de um contato da rede. (Isto é: Você vê praticamente todos os seus contatos de mensagens de texto de telefone enviaremos mas não todos os Facebook ou RenRen atualizar seus amigos fazem.)

Especialistas em marketing chineses comparam o WeChat ao Weibo neste vídeo. Read some thoughts about the popularity of WeChat in China here.

Este artigo foi publicado originalmente no blog News Entrepreneurs e traduzido ao português para a IJNet com permissão.

James Breiner é co-diretor do Global Business Journalism Program na Universidade Tsinghua e ex-bolsista do programa Knight International Journalism Fellow, tendo lançado e dirigido o Centro de Periodismo Digital na Universidade de Guadalajara. Ele é bilíngue em espanhol e inglês e consultor em jornalismo online e liderança. Siga- o no Twitter aqui.

Imagem usada com licença CC no Flickr via World Economic Forum