Como fazer correções em matérias publicadas

porCristiana Bedei
Sep 12, 2019 em Jornalismo básico
Casquinha de sorvete caída no chão

Publicar algo errado é o pior pesadelo de um jornalista e com razão. Erros podem corroer a confiança na mídia, ter sérias consequências para pessoas e grupos e minar o trabalho mais importante dos jornalistas que é    fornecer informações precisas e verdadeiras. Ainda assim, errar é humano, especialmente em redações de ritmo acelerado. Para limitar os danos, é fundamental emitir correções apropriadas.

Erros podem assumir várias formas, incluindo erros de digitação, citações incorretas, fraseado enganoso, declarações difamatórias, omissões ou fatos errados. Em 2012, um jornal da City University de Londres reportou que, segundo pesquisas nos Estados Unidos, 40% a 60% dos artigos de jornais incluíram algum tipo de erro nos últimos 70 anos.

Apesar da falta de padrões universais claros, a maioria das publicações convencionais agora possui políticas de correções e reclamações. É cada vez mais comum, especialmente online, ver erros sendo corrigidos e relatados nos comentários, nas redes sociais ou por meio de um endereço de e-mail ou seção de site dedicado.

Alguns dos casos mais controversos dos últimos meses incluem o que Poynter chamou de “a mãe de todas as correções”, que são 579 palavras que cobrem 15 erros ou imprecisões em um artigo do Washington Post publicado em julho. Outro exemplo é o New York Times ter mudado uma manchete de primeira página após a reação de leitores, jornalistas e políticos.

O objetivo é evitar completamente os erros, no entanto, isso é impossível. Portanto, jornalistas e editores precisam pensar criticamente sobre promover responsabilidade e transparência, fazendo as correções apropriadas.

Abaixo, jornalistas compartilham estratégias e experiências para lidar com erros e fazer correções.

Crie e implemente um sistema

Laura Helmuth é editora de saúde e ciência do Washington Post e explica a política de correção do artigo: “Temos uma maneira de os leitores relatarem erros, e esse sistema gera um relatório que é enviado ao editor da matéria, que é responsável para descobrir se é realmente um erro."

Se houve um erro, o repórter gera uma solicitação de correção que passa por vários níveis de aprovação e é publicada. "Marcamos correções no artigo online e temos uma caixa de correções impressa", diz ela.

Helmuth não teve que lidar com nenhum erro grave nos últimos anos, mas não conseguiu evitar "um nome incorreto, um nome incorreto de animal, um erro direcional do fotógrafo ou editor de fotos".

Investigue e discuta

Jem Collins, fundadora e editora do Journo Resources, faz parte da edição de matérias após a publicação como redatora e editora. Sua primeira dica é não entrar em pânico, porque, especialmente online, existem muitas possibilidades para corrigir algo de forma responsável.

Depois de passar muito tempo elaborando uma política de reclamações com a equipe em sua última redação, ela categoriza as reclamações em dois tipos. Um tipo é referente a pequenos erros que podem ser alterados sem muita discussão.

O outro tipo é uma reclamação que põe em questão a própria reportagem. "É aí que todos nos reunimos e discutimos como equipe: o redator, o editor e qualquer outra pessoa interna que possa ter uma boa visão", diz ela.

Nesse caso, a equipe examina a matéria passo a passo, observando as evidências: fontes utilizadas, transcrições de entrevistas e mais. Por esse motivo, é imperativo que os repórteres mantenham registros completos, incluindo onde encontraram dados, arquivos de áudio, anotações e qualquer outra coisa usada para uma matéria.

"A última vez que isso aconteceu foi sobre uma de nossas reportagens longas", lembra Collins. "No final, decidimos que a reportagem tinha base, por isso, conseguimos responder a quem fez uma reclamação com todo o nosso raciocínio.”

Se correções tivessem sido necessárias para esse caso, eles teriam as destacado ou até publicado a correção como um artigo independente. De qualquer forma, todos os envolvidos com o trabalho editorial seriam informados, para que o erro também não fosse publicado nas redes sociais.

Se um leitor pede a um freelancer que mude algo, Collins sugere ser breve e eficaz com o editor: “Não envie um email em pânico imediatamente: reserve um tempo para digerir os fatos, para que você não esteja pedindo várias alterações. Um email curto com 'desculpe, eu fiz um pequeno erro' é muito melhor."

Publique um pedido de desculpas e persiga a desinformação

Em fevereiro passado, Bud Kennedy, um colunista do Fort Worth Star-Telegram, criticou o vice-governador republicano do Texas, com base em informações erradas que haviam sido reportadas por outro jornal. Quando ele descobriu o erro, a postagem original foi removida e Kennedy emitiu uma coluna de desculpas e pediu aos leitores que a compartilhassem.

“Era algo que eu teria feito a qualquer momento em 30 anos como colunista. Quando você entende algo errado, explica aos leitores e pede desculpas”, diz ele, chamando de decisão instintiva. Era uma parte natural do relacionamento entre ele, como colunista, e o público.

"Eu tenho que manter a confiança dos leitores", acrescenta ele. "Quando estou errado, tenho que dizer isso."

Depois que a nova coluna foi publicada, a equipe de audiência do Star-Telegram sugeriu o envio de uma cópia diretamente para todos que haviam compartilhado ou retuitado a coluna original, segundo Kennedy. Foi uma jogada ousada, mas teve um enorme potencial na era digital.

Dan Gillmor, no Nieman Lab, descreveu a decisão como "o catalisador de um experimento em transparência jornalística que acreditamos ter um enorme potencial: distribuir correções pelos mesmos caminhos de mídia social que o erro original".


Cristiana Bedei é freelancer e escreve sobre gênero, sexualidade, direitos da mulher, imagem corporal, saúde mental e mais.

Imagem principal sob licença CC pela Unsplash via Sarah Kilian