Como duas startups de mídia no México sobreviveram na pandemia

por Sebastián Auyanet
Mar 13, 2021 em Reportagem sobre COVID-19
Duas mulheres digitam em seus computadores

Durante 2020, as mídia digitais enfrentaram um ambiente econômico e social desafiador devido à pandemia de COVID-19. No México, Verificado.com.mx e La Verdad de Ciudad Juárez, veículos de mídia de nicho em áreas complexas, resistiram à crise e até cresceram graças a modelos de negócios claros e flexíveis, adaptados ao contexto.

Ambas as redações fizeram parte do SembraMex, um programa impulsionado pela SembraMedia junto ao Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês) e o Border Center, que tem como foco a sustentabilidade dos meios de comunicação que cobrem notícias na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Ao longo de 2019, eles experimentaram com maneiras diferentes e alcançaram o que o tráfego e a publicidade digital não proporcionam por si só: uma melhor renda econômica que lhes permite sustentar e fazer crescer seu projeto jornalístico. Quais aprendizados eles incorporaram e podem compartilhar com o ecossistema?

Modelos de negócios claros, diversificados e flexíveis

Verificado.com.mx é uma organização com sede em Monterrey que trabalha na checagem de dados com uma perspectiva de gênero e atenção às questões de direitos humanos. Para os especialistas em checagem de fatos, ter um modelo claro e flexível que não esteja exclusivamente vinculado ao tráfego foi fundamental. Em 2019, a organização trabalhou em oportunidades de consultoria em potencial e cursos de verificação de dados com base em sua experiência. “Nesse sentido, 2020 foi um ano muito bom, pois conquistamos sete novos clientes”, disse Daniela Mendoza, fundadora da publicação.

sss
As integrantes do Verificado.com.mx Syndy García, Deyra Melina Guerero, Liliana Elósegui e Daniela Mendoza. Fotografia: Crédito Punto U, Universidad Autónoma de Nuevo León.

 

Entre seus clientes, há organizações da sociedade civil localizadas até mesmo em outras áreas do país, como Nuevo León ou Jalisco. Além da capacitação em apuração de dados, o veículo ofereceu cursos sobre gênero e combate ao discurso de ódio, aproveitando o “know-how” de sua equipe. Elas também têm clientes nacionais e internacionais, como It Gets Better, que focam em questões LGBTIQ.

Alianças estratégicas para alcançar a sustentabilidade

Oficinas e treinamentos não foram as únicas áreas em que Verificado.com.mx obteve receitas. Alianças com outras mídias permitiu fortalecer seu conteúdo, mas também obter mais recursos. “A integração com plataformas como #LatamChequea ou Coronavirus Fact Checking Alliance nos permitiu obter dinheiro de doações e ao mesmo tempo levar nossa expertise a outros países”, explicou Mendoza.

[Leia mais: Uma lista ajuda a melhorar engajamento com jornalismo de soluções]

 

Verificado.com.mx também diversificou a receita por meio de outros subsídios, incluindo apoio da Google News Initiative. A equipe também ajuda outras organizações de notícias na região a criar suas próprias equipes de checagem de fatos. Essa é mais uma fonte de receita para a redação.

A abordagem multifacetada permite que o Verificado.com.mx combata a desinformação de muitas outras maneiras do que apenas publicando artigos. Ao mesmo tempo, são capazes de melhorar sua estabilidade financeira, estabelecer a marca da organização em um nível regional e promover as habilidades únicas que sua equipe tem a oferecer.

Encontrando alternativas para a crise

“La Verdad não escapou do impacto da COVID”, disse Rocío Gallegos, fundadora de um dos mais importantes veículos de jornalismo investigativo da fronteira entre o México e os Estados Unidos. “O fechamento da fronteira foi um golpe muito duro não só para nossa cobertura e nossas finanças, mas é claro para toda a nossa comunidade”, acrescentou.

Para 2020, La Verdad esperava estabelecer seu projeto de agência de conteúdo, algo que começou com meses de trabalho dentro da estrutura do programa SembraMex. As agências de conteúdo costumam ser um dos empreendimentos mais interessantes que um meio empreendedor pode enfrentar para diversificar sua receita, pois coloca a expertise da mídia a serviço de clientes e parceiros não jornalísticos.

ssss
As cofundadoras do La Verdad de Juarez, Rocío Gallegos e Gabriela Minjáres.

 

No final de 2019, a organização de mídia contava com dois clientes fixos que lhe permitiam custear seu funcionamento. Mas 2020 causou a queda de parte desse financiamento e o veículo teve que enfrentar problemas econômicos, como dívidas contraídas por clientes que não foram pagas. Também enfrentaram perdas pessoais, como a morte de um de seus colaboradores externos.

Diante da crise, elas tiveram que buscar alternativas. “Conseguimos ver algumas opções, ter a mente aberta ao pensar em como poderíamos gerar renda de outra forma porque não tínhamos outra opção”, disse Gallegos.

Concorrer a fundos de ajuda de organizações como Google ou Facebook permitiu que o veículo se mantivesse à tona e operacional. “Esse financiamento nos permitiu continuar operando no meio da contingência e atendendo a nossa comunidade em meio a esse ambiente, o que nos deu uma grande satisfação”, disse Gallegos.

Não tenha medo de pedir apoio

La Verdad decidiu que a situação exigia o apoio de seus leitores e iniciou um programa de doações. “O dinheiro que entra não é muito, mas cobre algumas despesas”, explicou Gallegos. Além disso, ver que muitos leitores se aproximaram permitiu-lhes entender que havia mais maneiras de se conectar. Elas lançaram um boletim informativo, passaram a otimizar processos de trabalho com públicos e a organizar fóruns digitais.

   

[Leia mais: 5 iniciativas de reportagem na América Latina que estão transformando suas comunidades]

 

A compreensão de que o público dava esses sinais e que, apesar da pandemia, o veículo continuava a consolidar sua marca, estimulou a organização a dar continuidade aos passos. A renda permitiu que a equipe passasse de duas a seis pessoas permanentes. “Dependendo de se continuarmos a receber receitas, a equipe vai continuar a crescer e é uma boa notícia que o tenhamos conseguido apesar do contexto”, explicou Gallegos.

Por fim, o próximo projeto do veículo é se abrir à publicidade comercial, mantendo as restrições à publicidade oficial. “Entendemos que também devemos avançar para a publicidade privada e que podemos fazer isso mantendo nossos padrões éticos”, disse Gallegos. “Nos enche de orgulho e nos emociona saber que fomos capazes de continuar apesar de tudo e que nossa cobertura jornalística continuou ativa apesar de tudo o que aconteceu e do que está acontecendo”, concluiu.


Sebastián Auyanet representa a SembraMedia como embaixador no Uruguai. Também trabalha como consultor nos programas SembraMex e Velocidad. É produtor associado no NowThis News. Obteve mestrado em jornalismo social pela Craig Newmark School of Journalism (CUNY) em Nova York.

Este artigo foi publicado originalmente no blog da SembraMedia e é reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem principal cortesia da SembraMedia