Cinco tipos de matérias que aumentam o engajamento no Facebook

por Margaret Looney
Dec 10, 2012 em Diversos

O que matérias sobre o mais recente vídeo de gatinhos, um projeto de construção e uma proposta de casamento têm em comum?

Se aconteceram perto de você -- e se geraram sentimentos fortes sobre o lugar que você vive -- é mais provável as compartilhe nas redes sociais.

As pessoas são seis vezes mais propensas a compartilhar, curtir ou comentar mensagens no Facebook, quando foram adaptadas para um público regional em vez de global, o departamento digital da National Public Radio (NPR) dos Estados Unidos descobriu em uma experiência recente.

A experiência examinou os tipos de matérias locais que envolvem a comunidade. Os Serviços Digitais da NPR geolocalizou suas publicações no Facebook por regiões específicas, usando o conteúdo de cinco estações filiais nos Estados Unidos. Assim, por exemplo, um post sobre um projeto de construção em San Francisco só seria visto por assinantes da página da NPR no Facebook que vivem nessa cidade.

A NPR quis saber que tipos de matérias foram compartilhadas com mais frequência e por quê. Aqui estão as notícias que se mostraram mais populares:

Explicadoras

As pessoas compartilham matérias que explicam as "características, peculiaridades e hábitos" em sua comunidade. Há mais cães do que crianças em Seattle, mas por quê? A filial da NPR em Seattle, a KPLU, engajou os internautas com uma explicação que foi compartilhada por muitos. Pessoas que descobrem um fato desconhecido são "obrigadas a compartilhar, porque têm a sensação de tropeçar em uma jóia local", escreveram os especialistas em notícias digitais, Eric Athas e Teresa Gorman no relatório.

Eles também compartilham histórias sobre questões complexas, como uma nova lei ou acontecimento incomum na cidade. A KPLU explicou o que vai acontecer para moradores de Washington agora que a maconha foi legalizada. A KQED explicou por que faz mais frio do que o habitual em San Francisco.

Histórias que nos fazem sorrir

Imagine que o mais recente vídeo engraçado com gatinhos foi filmado na casa de seu vizinho de porta. Muitos de nós o compartilhariam em um instante. Posts sobre o Coronel Miau de Seattle, a proposta de casamento em Austin da KUT News e a entrega de cookies de fim de noite na 90,0 WUBR em Boston foram um sucesso para essas estações.

"Ei, eu já fui lá!"

Vídeos e fotos atrativos são universalmente populares, mas há algo em observar um vídeo e ser capaz de nomear marcos familiares. Isso é especialmente atrativo. Moradores de Seattle grudaram no Facebook para ver um vídeo de lapso de tempo mostrando como a cidade pareceria deserta.

Acontecimentos atuais

Ninguém quer ficar por fora do que está acontecendo na comunidade. Se agências de notícias locais podem entregar essas notícias de forma rápida, com certeza vão ser compartilhadas, mas há um limite de tempo. Gorman e Athas disseram que o elemento fundamental para envolver a comunidade com este tipo de história é "saber quando algo está começando a acontecer". Por exemplo, quando os atores Zach Galifianakis e Will Ferrell serviram café num bar local em Seattle, a KPLU compartilhou a cena com fotos e vídeos, o que impulsionou o engajamento do internauta.

Orgulho e vergonha

Conteúdo que provoca sentimentos fortes sobre uma cidade, seja vergonha de uma briga entre vereadores ou orgulho de um novo parque, aumenta o envolvimento dos leitores. Mais de 300 moradores de Austin gostaram de um post da KUT sobre a nomeação de Austin como uma das 50 principais cidades americanas pela Bloomberg Businessweek.

A vergonha também motiva as pessoas a compartilharem histórias. Quando os moradores do estado de Washington ficaram sabendo sobre a morte de um bando de lobos pelo governo, eles expressaram sua indignação com cerca de 100 comentários.

Quais histórias de sua organização de notícias são mais compartilhadas no Facebook?

Imagem usada com licença CC no Flickr via ausnahmezustand