14ymedio de Yoani Sánchez quer ser fonte independente de notícias em Cuba

porMaite Fernandez
May 28, 2015 em Jornalismo digital

Em Cuba, o "pacote semanal" pode ser muitas coisas diferentes. Um disco rígido ou CD que pode ser entregue em casa ou disponível para retirada com a última temporada da série "Girls" ou a mais quente novela mexicana, a última edição digital do New York Times ou a revista espanhola de fofocas "Hola".

Esta rede clandestina de conteúdo off-line é a maneira como cubanos encontraram para ter acesso a informação e programas de TV que não estão disponíveis na ilha. "Em Cuba as pessoas leem [nosso site] no mercado ilegal de informações", disse Yoani Sánchez, uma das primeiras blogueiras cubanas e fundadora do site 14ymedio.com.

Em um país onde cerca de 5 por cento da população tem acesso à Internet, com censura extensiva do governo (Repórteres Sem Fronteiras chama Cuba de "inimigo da Internet" todos os anos desde que a lista foi criada em 2006), Yoani começou uma iniciativa ousada um ano atrás: ela decidiu criar um site de notícias.

"Foi como dar à luz a uma criança", disse ela.

Entre os meios de comunicação oficiais, que só publicam o que o governo julga necessário, e a imprensa de oposição, ela pretende seguir o que chama de uma terceira via, independente, que aspira a produzir jornalismo profissional de alta qualidade.

Não é a primeira experiência de Yoani com a mídia digital em Cuba. Ela tornou-se uma voz influente depois de criar Generación Y (Geração Y), em 2007, um blog pessoal que documentou a vida na ilha. O blog rapidamente ganhou seguidores internacionais - atingindo 1,2 milhões de visitas mensais em fevereiro de 2008 - e agora é traduzido em 17 idiomas.

Blogar em um país onde o acesso à Internet é escasso e caro não foi fácil. Yoani enviava seus posts para amigos que viviam fora da ilha para que pudessem publicá-los em seu blog e chegou a ser presa por seu ativismo.

Mas o mundo exterior estava assistindo e ela ganhou reconhecimento mundial e inúmeros prêmios, entre eles: ganhou o prestigiado prêmio de jornalismo Ortega y Gasset e foi nomeada uma das 100 pessoas mais influentes do tempo do mundo em 2008.

Com 14ymedio, ela quer ter certeza de que os cubanos vão obter as informações necessárias para que possam tomar decisões informadas em uma Cuba pós-Castro.

O tipo de jornalismo que ela prega parece básico para qualquer um que vive em um país com uma imprensa livre: depende de fontes credíveis e informações de valor em vez de opinião ou propaganda.

"Em Cuba estamos afogando em opiniões. Há 11 milhões de cubanos e 30 milhões de opiniões. ...Estamos tentando ensinar as pessoas a praticar um tipo diferente de jornalismo", disse Sánchez.

Ela sabia que não ia ser fácil. Os cubanos não podem ter uma conexão aberta com a internet em casa. Eles têm acesso a um serviço básico de e-mail limitado e, quando se conectam à internet, normalmente acontece em hotéis que cobram 5 dólares por hora. Mesmo assim, a velocidade é lenta e muitos sites estão bloqueados, ela disse.

Entre a censura (eles são bloqueados na ilha) e a baixa penetração da internet, ela e sua equipe de 11 funcionários tiveram que encontrar maneiras criativas de passar as informações para o seu público.

14ymedio.com, que também é traduzido para o inglês, recebe 315 mil visitas por mês de pessoas fora de Cuba, disse Alejandro González, que está no comando do crescimento e parcerias do site. Pessoas dentro da ilha acessam o site através de proxies ou versões PDF guardadas no "pacote semanal."

Embora eles ainda não saibam quantas pessoas leem seu conteúdo através do pacote semanal, podem dizer quando uma matéria teve repercussão quando o governo reage a ela.

Da mesma forma, Yoani tuita os artigos publicados no site a seus mais de 660.000 seguidores a partir de um serviço chamado Tweetymail.com, que publica seus tuites via e-mail.

Agora que os EUA estão a normalizando as relações com Cuba e a ilha está se abrindo para o mundo exterior, todos os olhos estão em sua transição.

Yoani tem plena consciência deste momento histórico e quer ter certeza de que sua redação está preparado para issa. Eles querem obter mais treinamento em multimídia, descobrir um modelo de negócio sustentável e se tornar uma redação profissional que adere a prazos. Porque jornalistas profissionais em Cuba temem repressão e optam por não trabalhar de forma independente, muitos dos jornalistas que trabalham para o site vêm de outras profissões, disse Yoani.

"No nosso primeiro ano conseguimos erguer este projeto por pura determinação", disse ela. "Quando você tem algo a dizer, você dá um jeito."

Imagem sob licença CC no Flickr via Yahoo