VPNs não são perfeitas. Aqui estão algumas alternativas:

por Mandla Chinula
Dec 2, 2019 em Segurança do jornalista
Segurança

As redes privadas virtuais (VPNs, em inglês) são uma das ferramentas de segurança online mais comuns, usadas para ocultar o endereço de protocolo da internet (IP, em inglês) ou a localização geográfica de um usuário. A maioria das VPNs cria uma conexão criptografada que usa um endereço de IP separado gerado pelo servidor VPN. Isso dificulta que os provedores da internet identifiquem um usuário e, posteriormente, bloqueiem seu acesso.

Durante um bloqueio seletivo ou um fechamento parcial da internet, um bloco de endereços IP em um local ou país pode ficar mais lento ou ser prejudicado pelo governo. O uso de VPNs como Express VPN, Tunnelbear ou Outline VPN permite que usuários obtenham acesso à internet durante esses fechamentos parciais.

Mandla Tshuma, um jornalista do Zimbábue, contou que usou uma VPN para acessar a internet durante uma paralização das redes sociais em janeiro deste ano. "A pessoa com quem você estava se comunicando ou a fonte também precisava ter uma VPN instalada no telefone", disse ele. "Se não, a comunicação ainda era limitada."

Fazer pesquisas ficou difícil para jornalistas como Tshuma, já que a maioria dos sites e publicações online não podia ser acessada. As VPNs, portanto, tornaram-se as ferramentas essenciais para acessar recursos básicos da internet que permitiam fazer o básico.

No entanto, as VPNs não são necessariamente a ferramenta perfeita para todas as ocasiões. Sean Ndlovu, especialista em segurança digital, observou que houve casos em que as pessoas descobriram que as VPNs baixadas eram administradas pelos governos.

"Ao usar ferramentas de evasão, verifique se são confiáveis ​​e verificadas pela comunidade", disse ele, o que geralmente é mais fácil dizer do que fazer.

Existem outras ferramentas alternativas que podem ser usadas para evitar desligamentos parciais da internet. Algumas delas são navegadores da web e sistemas operacionais, enquanto outras combinam recursos de VPN com outras tecnologias.

Abaixo está uma lista de ferramentas alternativas que podem ser usadas para ajudar jornalistas a acessar a internet e continuar fazendo seu trabalho.

DNS inteligentes

No caso de sites de mídia social específicos, como o Facebook e o Twitter, serem bloqueados, um DNS (Servidor de Nomes de Domínio) inteligente pode disfarçar sua localização, permitindo o acesso a sites restritos. O DNS inteligente redireciona uma solicitação por meio de servidores proxy localizados em outros países onde os sites são suportados.

A vantagem principal de um DNS inteligente é que ele só precisa redirecionar informações sobre sua localização por uma rede diferente, em vez de rotear todo o tráfego da web: um recurso comum das VPNs. Isso significa que as velocidades da internet ao usar um DNS inteligente geralmente são mais altas.

Uma desvantagem é que um DNS inteligente nem sempre criptografa suas informações como uma VPN, o que coloca em risco suas informações e privacidade. Um DNS inteligente também não altera seu endereço IP. Embora isso possa ser bom para a velocidade da rede, qualquer pessoa com os detalhes da sua rede pode rastrear sua atividade.

Um exemplo de DNS inteligente é o Getflix, mas também existem outras opções.

Lantern

Lantern é um software de código aberto que contorna a censura na internet usando conexões ponto a ponto como fonte de conectividade com a internet quando os servidores estão danificados. O software, que afirma ser mais rápido que uma VPN, é ativado quando os usuários tentam acessar um site bloqueado. Ele direciona os usuários através dos servidores Lantern, ou servidores de voluntários.

O Lantern, baseado nos EUA, tornou-se popular em países como a China, que sofre censura e restrições na internet.

Quando se trata de anonimato e privacidade, o Lantern tem algumas falhas sérias e não deve ser confiável para questões de anonimato ou privacidade. De acordo com sua Política de Privacidade, o Lantern coleta uma grande quantidade de informações sobre seu histórico e comportamento de navegação.

Psiphon

Psiphon é um sistema de evasão que usa uma combinação de tecnologias seguras de comunicação e ofuscação, que incluem as tecnologias VPN, Secure Shell (SSH) e HTTP Proxy. Isso significa que, se uma VPN não estiver funcionando (a primeira técnica de evasão), usará outras tecnologias para evitar a censura. Uma das principais atrações do Psiphon são os servidores proxy que fornecem camadas adicionais de privacidade. Isso o tornou popular especialmente em países de muita censura como China, Turquia e Irã.

A desvantagem desses servidores proxy é que a criptografia deles é limitada ao tráfego do navegador, e o Psiphon não aumenta a privacidade online dos outros aplicativos. O Psiphon coleta alguns dados de seus usuários, que podem ser melhor compreendidos em sua Política de Privacidade transparente.

Tor

Tor não apenas protege a identidade das pessoas online, mas também permite evitar os bloqueios de mídia social e internet. Em vez de se conectar diretamente a um site, ele salta entre vários nós ou computadores na rede Tor, dificultando o rastreamento da comunicação.

https://youtu.be/6czcc1gZ7Ak 

Durante um bloqueio seletivo ou um fechamento parcial, sua localização será desconhecida e você ainda terá acesso à internet e poderá evitar a censura. Também mantém sua comunicação relativamente segura contra hackers ou espiões, mas não é perfeita. Os usuários ainda devem ter cuidado ao confiar no Tor.

Alternativas ao Tor que usam tecnologia semelhante incluem Freenet, Yandex e 12P Browser.

Sistemas operacionais

Computadores e sistemas operacionais móveis também permitem contornar a internet usando vários recursos. Por exemplo, Tails garante que as conexões de entrada e saída sejam forçadas a passar pelo Tor. Tails também criptografa arquivos e mensagens de e-mail e não deixa rastros no computador que você está usando, a menos que você queira. No entanto, o Tor tem suas limitações, como ser lento e inadequado para baixar e transmitir conteúdo de mídia, mas os usuários do Tails não têm escolha a não ser passar pelo Tor.

Outros exemplos de sistemas operacionais seguros são Whonix e Qubes

Aplicativos

A maioria das VPNs também oferece aplicativos móveis que permitem manter o anonimato e evitam a censura. Também existem aplicativos apenas para dispositivos móveis, como o Orbot, que redirecionam todo o tráfego através da rede Tor. O Orfox, outro navegador para telefones Android, funciona de maneira semelhante ao Orbot, redirecionando o tráfego através do Tor. A rede de pares, como a do Lantern, também é usada no FireChat, um aplicativo de mensagens fora da rede que permitiu a usuários se comunicar usando redes sem fio ou Bluetooth durante apagões no Irã, Iraque e Hong Kong.

Um aspecto importante a ser observado sobre as ferramentas de segurança e privacidade é que não há ferramenta mágica que faça tudo perfeitamente. A melhor solução dependerá do contexto e condições de um ambiente específico.

"Depende em grande parte da região ou país em que o fechamento da internet está ocorrendo", disse Berhan Taye, do Access Now. "A infraestrutura da internet varia de país para país, assim como os mecanismos técnicos usados ​​para implementar o desligamento parcial da internet".


Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Chris Barbalis