Uma publicação especializada em gênero busca expandir pela Ásia

porAntonia Timmerman
Mar 11, 2020 em Empreendedorismo de mídia
Cidade de Taipei, Taiwan

"Há muitas mulheres. Você é única”, é o slogan escrito em uma janela de vidro dentro do prédio de escritórios de três andares da Womany na cidade de Taipei.

O escritório é luminoso e aberto, graças às suas grandes janelas. Mas é o jogo de cores que chama a atenção. O escritório é emoldurado por zonas em preto e branco, refletindo a contraposição de yin e yang e como isso se reflete na fluidez de gênero e sexualidade.

O grupo de mídia, fundado há nove anos, ajudou a estimular a conversa social sobre mulheres e questões de gênero em Taiwan, e agora espera levar sua marca ao resto da Ásia este ano.

A empresa estuda os dados dos leitores para determinar o que as pessoas querem e, em seguida, cria conteúdo para corresponder a esses interesses. Assim, no ano passado, a Womany construiu e traduziu conteúdo para Hong Kong e Japão, enquanto avaliava oportunidades na Coreia do Sul e Cingapura.

Womany's Taiwan office
A publicação Womany em Taiwan — 女人迷 em chinês — está se firmando como uma mídia regional focada em questões de gênero. Foto de Antonia Timmerman.

A missão

A Womany ganhou vida como uma página no Facebook, onde publicava conteúdo relacionado a mulher. Sua missão é promover a educação de gênero e lançar luz sobre questões de gênero. Em particular, queria contrapor a narrativa predominante em Taiwan de que o papel de uma mulher era encontrar um marido e ter filhos, mantendo padrões restritos de beleza.

A sociedade taiwanesa mudou muito na última década. No início de 2020, Taiwan elegeu duas vezes uma presidente solteira e sem filhos e se tornou o primeiro governo asiático a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Com 30 funcionários em período integral, a Womany hoje ganha dinheiro com anúncios (principalmente banners e advertorials) e mercadorias vendidas na Womany Shop. Também organiza eventos como o anual I Love Myself, #CodeforGender e Global Women Impact Summit.

"Queremos cobrir todo o espectro", diz a cofundadora e diretora de dados Tanya Chen. "Passamos um tempo ensinando às marcas que o gênero não é um assunto difícil de entrar."

[Leia mais: 5 lições que aprendemos ao apoiar a liderança das mulheres na mídia]

De Taiwan para a Ásia

A Womany vê um enorme potencial em toda a Ásia. O Japão, em particular, é um mercado único, com muito espaço para a educação de gênero. "Estamos muito empolgados em entrar no Japão porque sabemos que há muito mais que podemos fazer lá", disse Chen.

"Ainda existe uma lacuna, mas a recepção do nosso conteúdo tem sido bastante encorajadora. Existem oportunidades no Japão, como havia nove anos atrás, em Taiwan.”

Chen, ex-produtora do Yahoo Taiwan, disse que o grupo quer estimular o crescimento melhorando o conteúdo local e aperfeiçoando-o para atender às necessidades e desejos dos dois milhões de usuários únicos que visitam o site todos os meses. Ela também quer facilitar a localização do conteúdo nos mecanismos de pesquisa.

"No começo, nosso maior desafio era mudar o comportamento das pessoas na internet. Mas agora, existem tantos outros sites verticais que nosso desafio é como manter nossos leitores e como obter visitas repetidas”, disse ela.

Tanya Chen
A cofundadora da Womany, Tanya Chen, disse que existem oportunidades para impulsionar a educação de gênero em toda a Ásia. Foto de Antonia Timmerman.

Dados informados

A Womany entendeu desde o início que dados poderiam ser usados ​​para tudo, desde formar o comportamento até definir a estratégia de conteúdo e planejar eventos offline.

“Coletamos dados desde o primeiro dia, porque os dados são a coisa mais importante. Sabemos quais são os tópicos mais interessantes para nossos leitores, sobre o que estão falando e o que precisarão no futuro”, afirmou Chen.

Em 2014, a Womany iniciou uma conversa sobre empoderamento feminino, uma palavra-chave que estava apenas começando a ganhar força. Em 2015, quando Taiwan estava se preparando para a eleição presidencial de 2016, a Womany organizou um evento chamado “Poder Feminino” e convidou as duas candidatas: Tsai Ing-wen, do Partido Progressista Democrático, e Hung Hsiu-chu, que ganhou a nomeação do Kuomintang em julho (embora mais tarde substituída por Eric Chu). O tráfego da web aumentou.

Em 2019, a equipe de dados encontrou novamente um padrão distinto: mais pessoas estavam tendo conflitos com seus pais, enquanto as discussões sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo e trabalho estavam em ascensão. E sentiu que uma mudança social estava próxima.

Com base nas informações, a empresa decidiu dividir esses tópicos em três sites diferentes: Womany, "estou em casa" e "poder do gênero". O site da Womany seria voltado para tudo o que é moda e estilo de vida, enquanto as novas plataformas "estou em casa" e "poder do gênero" abordariam relacionamentos familiares e ensaios de gênero, respectivamente.

"Depois que tomamos a decisão, nossos leitores aumentaram novamente em 30%", revelou Chen.

[Leia mais: A realidade de lançar uma startup de jornalismo]

Financiando o futuro

Como a marca chamou a atenção do público em 2015, a empresa conseguiu uma quantia não revelada de financiamento inicial de vários investidores estratégicos.

Desde então, com o negócio capaz de se sustentar, o grupo não sente a urgência de levantar outra rodada de financiamento, apesar de seus planos de expansão regional. Ainda assim, Chen disse que não quer descartar uma nova rodada de financiamento, mas que a Womany é muito seletiva quando se trata de novos investidores.

“Escolhemos nossos investidores com cuidado, porque queremos que eles também sejam nossos parceiros estratégicos. Se eles têm alguns interesses conflitantes com a nossa missão, talvez não seja uma boa ideia fazer parceria conosco”, ela conclui.


Este artigo foi publicado originalmente pelo Splice Newsroom e reproduzido na IJNet com permissão. 

Antonia Timmerman é uma jornalista freelance indonésia que reside em Taiwan e escreve para o South China Morning Post e DealStreetAsia.

Imagem sob licença no Unsplash via Timo Volz