Sérgio Spagnuolo apresenta SciencePulse para jornalistas internacionais

porJennifer Dorroh
Aug 11, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Orbe da ciência

Em parceria com nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redação por meio de uma série de seminários online sobre a COVID-19. A série faz parte do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ.

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

Repórteres que cobrem tópicos científicos como a pandemia da COVID-19 às vezes têm dificuldade em encontrar as fontes certas. Enquanto isso, muitos cientistas que compartilham percepções valiosas nas redes sociais não alcançam um público amplo. Uma nova ferramenta digital pretende aproximar esses dois grupos.

“Há muitos cientistas que têm poucos seguidores, mas eles estão publicando muitos pensamentos, ideias e artigos interessantes”, disse Sérgio Spagnuolo, bolsista Knight do ICFJ, que impulsionou o desenvolvimento da ferramenta, durante um webinar do ICFJ na semana passada. “Eles são realmente válidos, mas não ganham muita força.”

Spagnuolo desenvolveu a ferramenta com o apoio da equipe do Volt Data Lab, a agência de notícias que ele fundou em São Paulo, para ajudar jornalistas a transformar essa base de especialistas em um conjunto mais rico de fontes. A equipe do Volt — formada pelo analista de dados Lucas Gelape, o designer Rodolfo Almeida, a jornalista de dados Renata Hirota e o gerente de base de dados Felippe Mercurio — chama o Science Pulse, de “ferramenta de escuta social para ajudar jornalistas a navegar por publicações científicas”.

[Leia mais: Science Pulse promete criar ponte entre jornalistas e produção científica]

 

A plataforma, que recebe apoio do ICFJ, está atualmente em fase beta. Em parceria com a Agência Bori, apresenta as últimas atualizações de mais de 1.300 cientistas e organizações científicas verificadas que estão tuitando em inglês, português e espanhol, disse Spagnuolo.

Ele deu uma demonstração da plataforma durante um webinar para jornalistas internacionais abaixo (em inglês):

 

Os repórteres podem usar a ferramenta gratuita para descobrir novas ideias para histórias e encontrar especialistas em potencial sobre tópicos científicos, desde a COVID-19 até mudanças climáticas.

Eles também podem aprender sobre quais tópicos, científicos e outros, são populares entre a comunidade científica.

[Leia mais: Ferramenta da Fiocruz mostra a gravidade da pandemia no Brasil]

 

“Achamos que seria muito legal incluir esse tipo de informação, porque meio que humaniza os cientistas... eles não querem falar sobre ciência o tempo todo”, disse ele. Por exemplo, muitos cientistas expressaram forte apoio ao movimento Black Lives Matter, observou ele.

Para encontrar perfis em potencial para incluir na plataforma, a equipe faz crowdsourcing, pesquisa listas do Twitter de universidades e procura contas verificadas. Então, Spagnuolo examina pessoalmente cada perfil para ter certeza de que é uma conta legítima de alguém que vai adicionar valor à conversa.

O Volt desenvolveu a plataforma usando a linguagem de programação R, e o projeto é open source. O Volt está ansioso para ouvir o feedback de repórteres e editores e para melhorar o Science Pulse antes de lançar uma versão alfa aprimorada ainda este ano.

Compartilhe seus comentários sobre o Science Pulse via Twitter ou e-mail.


Jennifer Dorroh é diretora sênior de programa do ICFJ.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Karlis Reimanis