Content supported by

Repórteres de conflito lançam organizações sem fins lucrativos

porClothilde Goujard
Dec 03 em Empreendedorismo de mídia
Treinamento de jornalistas afegãs

Os jornalistas são treinados para serem observadores, reportando eventos e conflitos, mas nunca se envolvendo. No entanto, a repórter Amie Ferris-Rotman e o fotojornalista Will Wintercross foram tão impactados pelo que viram no campo que decidiram se envolver de uma nova maneira: criar suas próprias organizações sem fins lucrativos.

Ferris-Rotman era uma correspondente sênior da Reuters no Afeganistão, enquanto Wintercross estava em missão para o Daily Telegraph na Síria e na Turquia durante a guerra civil na Síria.

"Eu tive uma raiva enorme da minha própria empresa, na Reuters, por não empregar mulheres locais, apesar do fato de que havia casos em que precisávamos desesperadamente delas", lembrou Ferris-Rotman. “Nós nos encontramos em situações em que não pudemos filmar ou falar com mulheres em certos lugares porque não tínhamos jornalistas afegãs conosco.”

Ferris-Rotman sentiu que a cobertura da Reuters foi afetada, assim como a percepção do Afeganistão, um país complexo. Durante seu tempo lá, do final de 2011 a 2013, ela tentou convencer seus superiores sediados em Cingapura a contratar mulheres jornalistas locais, mas não conseguiu convencê-los.

O problema não era só na Reuters.

“Não havia uma única afegã trabalhando para qualquer mídia internacional de língua inglesa quando eu estava no Afeganistão, apesar de escrevermos sobre os direitos das mulheres constantemente”, disse ela. "Isso me deixava muito irritada porque eu realmente queria mudar alguma coisa."

A reação de Wintercross foi igualmente emocional. Depois de várias missões cobrindo a Síria de 2012 a 2014, que estava caindo no caos, ele se sentiu impotente.

“Eu pude escrever artigos, gravar vídeos, fotografar e ver que não fazia nenhuma diferença”, disse ele.

Uma reportagem, onde ele esteve perto de ser morto, teve um profundo efeito sobre ele. Ele conheceu uma avó síria que havia fugido de seu país natal perto da fronteira síria na Turquia.

"Estava muito frio e ela estava cozinhando em um fogo para toda a família", disse ele. "Ela era tão resistente e não queria desistir. Eu pensei muito sobre ela."

Quando ele voltou para o Reino Unido, Wintercross decidiu que tinha que fazer alguma coisa.

“Eu não poderia, em boa consciência, dizer 'eu fiz tudo que podia' porque eu sabia que poderia fazer mais. Não havia um caminho curto para ajudar diretamente as pessoas”, disse ele.

Começando uma organização sem fins lucrativos

Ferris-Rotman foi selecionada para uma bolsa John S. Knight na Universidade de Stanford, o que lhe permitiu ter um ano inteiro para desenvolver sua ideia. Depois de trabalhar no projeto com outros bolsistas e mentores, ela lançou o Sahar Speaks, um programa de orientação e treinamento para mulheres jornalistas afegãs.

Desde o seu lançamento em 2015, o Sahar Speaks treinou 23 jornalistas afegãs em métodos de reportagem internacional, reportagens sobre ambientes hostis, técnicas de entrevistas, divulgação para um público internacional e mais. Matérias de ex-alunos foram publicadas em locais como o Huffington Post, e algumas delas começaram a trabalhar em tempo integral para organizações como o New York Times.

Wintercross lançou o Fundo de Ajuda aos Refugiados Sírios com seu pai, Brian Cross. Eles organizam jantares anuais para arrecadar fundos para próteses para crianças sírias e apoio a órfãos. Em 2017, o jantar arrecadou 35 mil libras. Eles também fazem parceria com outra instituição de caridade do Reino Unido, a Syria Relief, que trabalha na Síria.

O pai de Wintercross, que já trabalhou em caridade, ajudou-o a entender “a linguagem de estabelecer uma instituição de caridade”. Wintercross achou o processo burocrático complicado, especialmente porque eles estavam lidando com a Síria, um país devastado pela guerra.

Quando ele começou a caridade, Wintercross recebeu o apoio de seus ex-colegas no Daily Telegraph. Seu editor bancou uma mesa para o jantar de arrecadação de fundos por vários anos seguidos, e o cartunista do jornal concordou em fazer desenhos personalizados para os leilões anuais.

Agora que ele trabalha como fotojornalista freelance, Wintercross se conecta regularmente com novas pessoas através de seu trabalho comercial.

“Quando se trata da minha caridade, sou completamente destemido. Eu ouço alguém e pergunto: "O que você estava dizendo sobre aquele lugar na França? Posso usá-lo por uma semana?", ele disse, explicando como consegue prêmios de leilão.

Ferris-Rotman achou o lado financeiro de sua organização um desafio.

“É muito estranho deixar de ser jornalista para lidar de repente com planilhas e basicamente implorar às pessoas que lhe deem dinheiro”, disse ela. “Se o seu projeto não tem um modelo de negócios --o que não aconteceu, porque não estávamos no negócio de ganhar dinheiro--, pode ser difícil conseguir atrair financiadores.”

Depois da bolsa, ela trabalhou com o escritório de ex-bolsistas do programa de bolsas, que a conectou a pessoas influentes e ajudou-a a elaborar propostas de financiamento. Mais tarde, ela também recebeu ajuda do fundo de ex-bolsistas.

Ferris-Rotman dirigiu a organização sozinha por três anos, mas como não pagava o suficiente, ela também trabalhou como freelancer.

Em abril de 2018, ela saiu do Sahar Speaks para voltar a tempo integral como correspondente da Rússia para o Washington Post. A iniciativa será coordenada por um novo chefe de programas em Londres.

"Tem sido uma decisão muito emocional", disse ela. “Eu estava incrivelmente ligada às mulheres e ao trabalho duro delas. Nós causamos um impacto duradouro.”

Ferris-Rotman disse que ainda promove suas ex-alunas e novas alunas pessoalmente, e que ela está orgulhosa do que o Sahar Speaks lhe trouxe. Ela disse que melhorou sua reportagem e solidificou sua crença no jornalismo local.

“O que eu aprendi com o Sahar Speaks é que as pessoas --especialmente as mulheres-- que estão no país onde moram se saem muito melhor em contar as histórias do que nós”, disse ela. “Isso é parte do privilégio que temos que entender, mesmo que isso signifique que tenhamos que dar um passo atrás. Isso significa que as histórias se tornarão mais ricas, o mundo se tornará mais interessante e melhor. ”

Conselhos para jornalistas no terceiro setor

Ferris-Rotman disse que jornalistas que também têm ideias para iniciativas ou instituições de caridade não devem desistir, apesar da indústria do jornalismo ser tão diferente.

“Se você tem uma boa ideia e trabalha duro, acabará dando certo”, disse ela. "Você tem que ter uma enorme quantidade de paciência, compromisso e determinação."

Um orientador da Universidade de Stanford sugeriu que ela reportasse sobre sua iniciativa antes de lançá-la, para ter certeza de que não havia sido feita antes.

“Finja que você está realmente apurando uma história em seu projeto. Ligue para fontes, peça para ser apresentado às pessoas e vá almoçar. Aja como um repórter ”, disse ela. “A parte difícil é seguir e perseverar. A parte fácil é reportar isso.”

Wintercross acha que os jornalistas são particularmente adequados para comunicar as metas e histórias de suas instituições de caridade. Durante seus jantares anuais, ele mostra fotos e vídeos das crianças que foram impactadas graças à sua iniciativa de atrair doadores.

Ele aconselha os jornalistas que querem ser fundadores a se cercarem de pessoas com diferentes habilidades.

"Você precisa de alguém que seja super organizado, alguém super conectado a pessoas que possam trazer o dinheiro [e] de alguém que possa encontrar prêmios de leilão peculiares", disse ele. "Cerque-se de pessoas que são positivas, que possam fazer."

Depois de vários anos trabalhando em seus projetos, Wintercross e Ferris-Rotman são gratos por terem dado o salto do jornalismo para novas formas de ajudar.

“Fundar o Sahar Speaks foi um dos maiores presentes dados a mim”, disse Ferris-Rotman. "Essas mulheres afegãs são incrivelmente inspiradoras e as pessoas mais fortes que já conheci."
 


Imagem principal: Joel van Houdt para o Sahar Speaks