Quatro ferramentas da Media Party 2015 que jornalistas devem conferir

por Jefferson Mok
Sep 10, 2015 em Jornalismo digital

Desde 2012, a Media Party, organizada anualmente pelo bolsista Knight do ICFJ Mariano Blejman e o Hacks/Hackers Buenos Aires, mostra as últimas tecnologias digitais e de dados.

A Media Party 2015 não decepcionou.

O ICFJ foi ao evento, que contou com mais de 1600 profissionais e entusiastas da mídia, e reuniu essas ferramentas digitais emocionantes, algumas das quais já estão disponíveis e outras que devem estar em redações e kits de ferramentas dos usuários nos próximos meses.

O que nós gostamos especialmente sobre essas ferramentas é que são todas de código aberto, permitindo que jornalistas aproveitem essas ferramentas sem muito conhecimento de codificação.

Autotune da Vox Media

Você vê um gráfico impressionante de dados online e pensa, "Legal, vou apenas copiar o código e colocar meus dados". Parece simples, certo? Não é assim, disse Kavya Sukumar, bolsista Knight-Mozilla no Vox Media. Muitas redações geralmente trabalham com desenvolvedores para construir estes gráficos para uma finalidade específica, sem considerar a reutilização do projeto.

A Vox Media, que dirige sites como Vox.com, SB Nation e The Verge, optou por uma abordagem diferente com o Autotune, lançado em julho de 2015. Autotune é uma interface da web que abriga plantas para determinados tipos de conteúdo, como quizzes, gráficos, sliders e muito mais.

Jornalistas de todos veículos da Vox -- e outros jornalistas também -- podem usar esses modelos reproduzíveis ​​para adicionar qualquer um desses tipos de conteúdo em suas próprias matérias sem iniciar um projeto de codificação a partir do zero.

Como Sukumar e seu colega Ryan Mark explicaram neste artigo no Vox Product, o objetivo é "ter um caminho muito bem definido para ter um projeto a partir de uma simples produção inicial a um modelo de projeto reutilizável."

Twine  

Twine é uma ferramenta para a criação de histórias interativas que permite que o leitor dirija o caminho da narrativa. Trata-se de algo como "escolha sua própria aventura" em forma de jogo de notícias.

Na Media Party, Linda Sandvik, bolsista Knight Mozilla no jornal Guardian, guiou usuários através do processo de configuração e ajudou-os a desenvolver seus próprios jogos de notícias, que apresentam as solicitações para que os leitores participem diretamente no avanço da história.

Uma ferramenta como Twine pode ser especialmente útil para apresentar escolhas que confrontam os indivíduos em circunstâncias difíceis, por exemplo, como criar um orçamento com recursos limitados ou fazer uma viagem perigosa em todos os continentes. Os leitores podem ganhar uma nova perspectiva em primeira mão a partir das matérias que leem.

Superdesk​ do Sourcefabric

A transição total para publicação digital pode ser um processo de várias etapas -- encontrar e criar o conteúdo, produzi-lo e distribuição são apenas o mínimo e todas requerem diferentes equipes e plataformas.

A equipe Sourcefabric, que cria ferramentas de código aberto para jornalistas, espera limpar tudo isso com Superdesk. Esta ferramenta de gerenciamento de fluxo de trabalho totalmente personalizável permitirá que editores e jornalistas digitais criem conteúdo, colaborem em equipes, mergulhem em bibliotecas de codificação, encontrem canais para entrega de notícias e muito mais, tudo em um sistema de publicação.

Os usuários serão capazes de trabalhar a partir de uma única interface em vez de se registrarem em vários sites. Sourcefabric espera lançar Superdesk em 2016, mas, enquanto isso, confira alguns dos recursos planejados, ou mesmo solicite o seu próprio aqui.

Mapa de Medios Argentina

Criado em parceria pelo bolsista Knght do ICFJ Miguel Paz,Mapa de Medios constrói sobre seu trabalho de aumentar a transparência na América Latina através da Poderopedia, uma plataforma que registra as relações entre figuras poderosas.

Desta vez, sua obra olha atentamente para os meios de comunicação na Argentina. Semelhante aos "mapas de mídia", lançados recentemente na Colômbia e no Chile, o Mapa de Medios Argentina criará um banco de dados abrangente de organizações de mídia para exibir o conteúdo que produzem, como são regulamentados e que pessoas de influência estão ligadas ao seu trabalho.

Miguel trabalhou neste projeto durante uma hackatona da Media Party, que deu aos participantes a oportunidade de lançar e executar novos projetos, com base em conceitos dos dois primeiros dias do evento. A edição deste ano apresentou quase 30 projetos novos. Visite esta página do Hackdash para ver todos os projetos da hackatona da Media Party 2015.

Imagem principal porJefferson Mok na Media Party 2015