Quatro dicas para prosperar como repórter freelance investigativo

porAshley Nguyen
Nov 14 em Miscellaneous

Antes de se tornar uma repórter investigativa premiada, Alejandra Xanic von Bertrab Wilhelm era uma universitária que trabalhava com madeira sem saber o que fazer com sua vida.

"Cheguei no jornalismo por acidente", disse von Bertrab IJNet em uma entrevista. "Decidi visitar uma estação de rádio, porque eu simplesmente amava o seu programa. Eu fui como uma integrante de fã clube de 18 anos. "

Um produtor na hora perguntou se ela queria ser uma âncora de telejornal e, às 6 da manhã do dia seguinte, von Bertrab se viu trabalhando como comentarista no programa de notícias da manhã.

Em 2014, ela foi a vencedora do Prêmio Knight de Jornalismo Internacional do ICFJ e no ano passado de um Prêmio Pulitzer por descobrir táticas agressivas do Wal-Mart para dominar o mercado mexicano.

Von Bertrab também ajudou a criar uma das primeiras equipes de jornalismo investigativo no México no Siglo 21, um jornal já extinto, em Guadalajara, a segunda maior cidade do país. Ela continuou seu trabalho de investigação no Público, outra publicação em Guadalajara, antes de se tornar jornalista freelance baseada na Cidade do México.

Em sua jornada cobrindo tudo desde a indústria do tabaco no México ao assassinato do ex-candidato presidencial Luis Donaldo Colosio, von Bertrab aprendeu muito que ela pode ensinar a aspirantes a repórteres investigativos. Ela conversou com a IJNet sobre sua carreira incomum e compartilhou seus conselhos para prosperar como jornalista investigativa freelance:

1. Assuma riscos e ouse ser diferente

Quando von Bertrab se casou e se mudou para a Cidade do México, ela queria fazer uma pausa na reportagem de editoria. Quase não havia repórteres freelance de investigação no México na época, mas ela decidiu tentar de qualquer maneira.

No começo foi difícil. Seu cartão de visita confundia as pessoas em organizações de notícias. "Freelancer" é um termo americano, portanto, em espanhol, seu cartão dizia "jornalista independente".

"No México temos uma tradição muito, muito longa de proximidade entre os meios de comunicação e o governo", disse von Bertrab. "Então, quando você diz" jornalismo independente ", as pessoas olham para você como se dissesem, 'o que você quer dizer? Que é independente do governo?' Parece tão político."

Com o tempo, von Bertrab definiu o que um jornalista independente era e conseguiu que editores confiassem que ela iria contar uma história melhor do que ninguém na equipe da publicação.

Ela gradualmente se tornou tão bem conhecida na mídia mexicana como freelancer investigativa que, quando David Barstow do New York Times começou a perguntar a jornalistas mexicanos quem poderia ajudá-lo a escrever uma matéria sobre o Wal-Mart do México, o nome de von Bertrab se destacou imediatamente.

"Acho que o fato de eu estar fazendo matérias investigativas há um longo tempo foi importante", disse von Bertrab. "Acho que estou sendo vista como uma repórter investigativa e não há muitos de nós no México."

2. Encontre o equilíbrio certo entre reportagens investigativas e outros trabalhos

Enquanto von Bertrab ainda não encontrou alguém que tenha achado o modelo ideal para a trabalhar com o jornalismo investigativo freelance, ela encontrou uma estratégia que funciona para ela.

No passado, von Bertrab focava em desenvolver quatro ou cinco matérias menores, menos complexas para pagar o aluguel e dedicava o seu tempo livre para histórias que ela queria seguir.

"O primeiro conjunto de histórias é talvez não sobre algo que eu esteja apaixonada, ou tão interessada quanto," von Bertrab disse, "mas podem ser mais fáceis de escrever ou investigar, o que me dá a capacidade de enfrentar os meus projetos de investigação."

"Eu não encontrei uma fórmula ainda e estou tentando explorar novos modelos", ela acrescentou.

3. Ganhe experiência na redação antes de fazer freelance

Embora von Bertrab goste de buscar projetos de reportagem independentes, ela disse que a redação é um campo de treinamento necessário para os repórteres.

Enquanto ela sabe que muitos repórteres novos ou jovens se sentem tentados a se tornar autônomos, "Eu acho que fazer frila é uma opção melhor depois de você ter passado por uma redação", disse ela. "Porque realmente, lá é onde você aprende. Você aprende a reportar e [aprende] as coisas melhores e mais importantes sobre o jornalismo."

Olhe para o trabalho freelance como um acadêmico, von Bertrab aconselhou. Tire um ano sabático da redação e trabalhe em um bom projeto.

No entanto, há exceções. Se um projeto realmente chama seu nome, você deve ir para ele, ela acredita.

"Se você tem uma coisa que precisa perseguir e sua vida pode ser diferente se fizer isso, e você vai se sentir como uma pessoa mais inteira, então, seja realmente um freelancer", disse von Bertrab.

4. Encontre alguém para bater bola

Tente encontrar um bom amigo ou editor que possa ajudá-lo com seus projetos.

Quando você está seguindo um projeto investigativo como freelancer, "você precisa de mais olhos e ouvidos junto ao seu lado com você", disse ela.

No vídeo abaixo (em inglês), von Bertrab compartilha mais de seus pensamentos sobre o jornalismo freelance.

Principal imagem: Foto da IJNet de 2014 das vencedores do Prêmio Knight de Jornalismo Internacional do ICFJ, Alejandra Xanic von Bertrab Wilhelm (esquerda) e Oluwatoyosi Ogunseye por Ashley Nguyen.