Quando hashtags levam leitores a desconfiar das notícias

porEugenia Ha Rim Rho
Dec 2, 2019 em Fact-checking e verificação
Hashtag

Seja você de esquerda ou de direita, provavelmente se deparou com uma hashtag política em um artigo,  tuite ou história pessoal compartilhada no Facebook.

Uma hashtag é uma marca funcional amplamente usada em mecanismos de pesquisa e redes sociais que permite que as pessoas pesquisem por conteúdo que se enquadre na palavra ou frase, seguido pelo sinal #.

Popularizado pela primeira vez pelo Twitter em 2009, o uso de hashtags se generalizou. Quase qualquer artigo político com a intenção de atrair um público amplo agora está marcado com uma hashtag cativante. Como vemos, por exemplo, com campanhas eleitorais (#MAGA), movimentos sociais (#FreeHongKong) ou pedidos de apoio ou oposição a leis (#LoveWins).

Juntamente com ativistas e políticos, as empresas de notícias também estão usando hashtags políticas para aumentar o número de leitores e contextualizar as reportagens em postagens curtas e digeríveis nas redes sociais. De acordo com a Columbia Journalism Review, essa prática é uma “boa maneira de introduzir uma história ou perspectiva no ciclo principal de notícias” e “uma maneira de descobrir o que o público deseja discutir e aprender mais”.

Isso é mesmo verdade?

Nosso experimento

Para descobrir, realizamos um experimento online controlado com 1.979 pessoas.

Testamos se as pessoas reagiam de maneira diferente à presença ou ausência de hashtags políticas – particularmente as mais usadas #MeToo e #BlackLivesMatter – em artigos publicados no Facebook por grandes agências de notícias, como o New York Times e NPR.

Mostramos aleatoriamente a cada pessoa um post de notícias que continha ou excluía uma hashtag política. Pedimos então que comentassem sobre o artigo e respondessem algumas perguntas.

Screenshots of Facebook posts

Descobrimos que as hashtags políticas não são uma boa maneira de envolver os leitores.

De fato, quando a história incluía uma hashtag, as pessoas achavam que o tópico de notícias era menos importante e ficavam menos motivadas a saber mais sobre assuntos relacionados.

Alguns leitores também tendiam a ver as notícias com hashtags como mais tendenciosas politicamente. Isso era especialmente verdade para leitores mais conservadores, que eram mais propensos a dizer que um post de notícias era extremamente partidário quando incluía uma hashtag.

Da mesma forma, as hashtags também afetaram negativamente os leitores de esquerda. No entanto, os leitores que se identificaram como "extremamente de esquerda" não consideraram o conteúdo de notícias de mídia social sobre questões raciais e de gênero como partidários, independentemente da presença da hashtag.

Leitores no centro político

O que realmente me interessou foi a reação das pessoas do centro político. As pessoas que se identificaram como moderadas politicamente viam as postagens de notícias como significativamente mais partidárias quando incluíam hashtags.

De fato, em seus comentários, os politicamente moderados que viram postagens com hashtags ficaram mais desconfiados sobre a credibilidade das notícias e se concentraram mais na política da hashtag.

Screenshots of Facebook posts

Por exemplo, no grupo de hashtag, pessoas politicamente moderadas mencionaram repetidamente a hashtag sem se envolver substancialmente com questões sociais relevantes:

“O tópico #MeToo está se transformando em algo como as Kardashians. Você não pode ver as notícias sem um dos dois nas manchetes. É uma questão importante, mas estou cansado de vê-lo repetidamente.”

Por outro lado, quando as hashtags estavam ausentes, os leitores foram mais propensos a discutir as ideias e valores centrais que a hashtag deveria originalmente representar.

“Dar uma plataforma e voz às vítimas por meio das mídias sociais é uma ótima maneira de compartilhar a experiência de alguém quando é desconfortável fazê-lo publicamente. Algumas pessoas têm medo de denunciar qualquer assédio ou agressão por serem rotuladas como mentirosas. Fico feliz por haver uma maneira de acompanhar essas instâncias e evitar que passem desapercebidas."

A linguagem usada pelos participantes do grupo de hashtag estudado foi mais emocionalmente extrema. Mesmo aqueles que pareciam ser a favor do movimento da hashtag usavam linguagem agressiva nos comentários para dar apoio ao movimento e se referiam a elas como "Vocês idiotas", alegando, "há uma razão pela qua [#MeToo existe, idiotas!!”

Promovendo uma melhor conversa online

Essas descobertas mostram que políticos, ativistas, organizações de notícias e empresas de tecnologia não podem dar como certa práticas comuns de mídia social.

Mesmo uma prática simples, como marcar um tópico social com uma hashtag cativante, pode dar ao público a impressão de que o conteúdo da hashtag marcada, mesmo o conteúdo de notícias publicado pelas principais empresas de notícias, é hiperpartidário ou falso.

Se queremos construir e sustentar discussões saudáveis ​​online, precisamos começar a questionar como essas práticas influenciam a saúde democrática da internet.

O uso de uma hashtag pode chamar rapidamente a atenção do público para questões sociais importantes. No entanto, como mostra nosso estudo, esse momento viral pode ser prejudicial à discussão online sobre tópicos sociais urgentes a longo prazo.


Eugenia Ha Rim Rho é uma estudante de doutorado em ciências da computação na Universidade da Califórnia, Irvine

Este artigo foi publicado originalmente no The Conversation sob Creative Commons License. 

Imagem sob licença CC no Unsplash via Oliver Dumoulin.