O que há de novo no mundo da desinformação?

porLaura Hazard Owen
Mar 18, 2019 em Fact-checking e verificação
Captura de tela do Reddit

Coletes amarelos, notícias falsas, ampla difusão. A organização global ativista Avaaz divulgou um informe sobre como as notícias falsas se espalharam no Facebook em torno do movimento anti-governista dos coletes amarelos na França. A Avaaz descobriu que a desinformação nos grupos e páginas dos Coletes Amarelos no Facebook recebeu mais de 105 milhões de visualizações e 4 milhões de compartilhamentos entre 1º de novembro e 6 de março. O relatório fornece estudos de caso de algumas das histórias falsas mais virais. Os verificadores de fatos do Facebook corrigiram algumas, mas outras não.

No YouTube, o canal de mídia estatal russo RT France foi “o canal mais visto em vídeos relacionados aos coletes amarelos na França e acumulou mais que o dobro de visualizações do Le Lérde, L'Obs, FRANÇA 24, Le Figaro, LeHuffPost juntos."

A RT France investiu maciçamente na cobertura dos protestos dos coletes amarelos, incluindo vídeos com cobertura ao vivo de uma hora, e como resultado, dominou o debate sobre os coletes amarelos no YouTube na França mais do que qualquer outro canal do YouTube, sem falar na mídia tradicional. A RT está tão envolvida com o movimento que os manifestantes gritavam “Obrigado, RT! Obrigado, RT! ”, o que foi postado diretamente em seu canal do YouTube.

Solução proposta da Avaaz: “As plataformas devem trabalhar com verificadores de fatos para 'Correct the Record' [Corrigir o Registro] distribuindo correções independentes de terceiros para TODAS as pessoas que viram as informações falsas em primeiro lugar.” A medida de “Corrigir o Registro” ganhou alguns adeptos, como Damian Collins, presidente do Comitê de Digital, Cultura, Mídia e Esporte do Parlamento do Reino Unido, que disse à Time no mês passado: “O apoio à medida 'Correct the Record' destaca a crescente preocupação com a desinformação nas mídias sociais e a ameaça que isso representa para nossa democracia. As grandes plataformas tecnológicas devem fazer mais para agir contra fontes conhecidas de desinformação e avisar os usuários quando podem ter sido expostos a ela. Sabemos que eles têm capacidade técnica para fazer isso.”

Trolls pró-China no Reddit. Craig Silverman e Jane Lytvynenko, do BuzzFeed News, examinam a possibilidade de as contas pró-China coordenarem as atividades no Reddit.

Sir Tim sobre os males da web. Esta semana marcou o 30º aniversário da proposta original para a World Wide Web, que Tim Berners-Lee entregou a seu chefe no CERN em 12 de março de 1989. (Nós fizemos uma homenagem ao primeiro website para marcar a ocasião.) Berners-Lee escreveu um ensaio sobre o que ele vê como os males mais significativos da web (e da internet) hoje:

Tendo como pano de fundo as notícias sobre como a web é mal utilizada, é compreensível que muitas pessoas se sintam inseguras se a web é realmente uma força do bem. Mas, considerando o quanto a web mudou nos últimos 30 anos, seria derrotista e pouco imaginativo supor que a web como a conhecemos não pode ser modificada para melhor nos próximos 30 anos. Se desistirmos de construir uma web melhor agora, então a web não terá falhado conosco. Nós teremos falhado a web.

Para resolver qualquer problema, devemos descrevê-lo e entender claramente. Eu vejo amplamente três fontes de disfunção que afetam a web de hoje:

  • Intenções maliciosas e deliberadas, como invasões e ataques patrocinados pelo Estado, comportamento criminoso e assédio online.
  • Sistemas que criam incentivos perversos em que o valor do usuário é sacrificado, como modelos de receita baseados em anúncios que recompensam comercialmente o clickbait e a disseminação viral da desinformação.
  • Consequências negativas não intencionais do design benevolente, como o tom ultrajado e polarizado e a qualidade do discurso online.

Embora a primeira categoria seja impossível de erradicar completamente, podemos criar leis e códigos para minimizar esse comportamento, assim como sempre fizemos off-line. A segunda categoria nos obriga a redesenhar os sistemas de forma a mudar os incentivos. E a categoria final pede pesquisas para entender os sistemas existentes e modelar novos sistemas ou ajustar os que já temos.

Os criadores de notícias falsas se ajustam aos esforços de verificação de fatos do Facebook. No Poynter, Daniel Funke tem um artigo descrevendo como criadores de algumas farsas ou notícias falsas reagem quando sua principal fonte de distribuição sinaliza suas histórias --às vezes as excluindo ou alterando.

No artigo do Factcheck.org, Angelo Fichera informou que uma fotografia falsa, que mostra Ocasio-Cortez em um restaurante chamado Hot Dog on a Stick, foi originalmente publicada em 9 de fevereiro pela página America's Last Line of Defense. A postagem original foi excluída desde então e não é a primeira vez que a página faz isso.

America’s Last Line of Defense é operado pelo notório fraudador Christopher Blair, que publica conteúdo satírico com o objetivo de enganar os conservadores para compartilhá-lo. Suas histórias e imagens falsas e populares tornaram-se um dos principais alvos dos verificadores de fatos americanos.

O colaborador de longa data de Blair, John Prager, disse ao Poynter em agosto que o alcance de todos os sites --que, em determinado momento, acumulavam cerca de 1 milhão de pageviews por mês-- havia sido dizimado pelo projeto de fact-checking do Facebook. Como resultado, o Facebook limitou suas opções de monetização.

Antes de se compadecer pelo America's Last Line of Defense e seu alcance “dizimado”, observe que seu site irmão Conservative Tears publicou a sexta história mais compartilhada de 2019 até agora: uma falsa alegação de que Henry Winkler havia morrido.

Notícias falsas, 2016-2018. Em um novo relatório, “Truth on the Ballot”, a PEN America oferece uma visão cronológica substanciada do desenvolvimentos de notícias falsas, pesquisas e relatórios desde 2016. Se em algum momento você está tentando lembrar quem exatamente fez o quê, quando ou que coisa horrível foi revelada por uma investigação específica de uma agência de notícias digital, confira este relatório.

Uma seção interessante é sobre a desinformação das eleições:

No dia da eleição --que é afinal um período de tempo muito específico-- notícias fraudulentas publicadas ou compartilhadas nas redes sociais estão em uma posição de vantagem em relação aos fact-checkers. O Twitter, em particular, é provavelmente mais propenso a receber desinformação no próprio dia da eleição, dado o foco da plataforma em comentários imediatos e curtos. O Brennan Center for Justice, em sua análise da supressão de eleitores online durante as eleições de 2018  (“supressão de eleitores”, referindo-se a notícias fraudulentas, bem como outras táticas destinadas a suprimir o comparecimento dos eleitores) declarou que encontrou campanhas notáveis ​​de supressão online “especialmente” no Twitter. Em sua análise retrospectiva dessas eleições, o Twitter informou que “a grande maioria dos conteúdos violativos que removemos de nosso serviço no dia da eleição foi o conteúdo supressivo dos eleitores”, totalizando 6.000 tuites.


Este artigo foi originalmente publicado no Nieman Lab como parte de uma série semanal sobre as últimas notícias sobre desinformação e republicado na IJNet com permissão. 

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Con Karampelas