New York Times disponibiliza materiais de curso de jornalismo de dados

porJoshua Benton
Jun 18, 2019 em Jornalismo de dados
The New York Times

“Os jornalistas devem aprender a codificar?” É uma pergunta antiga que sempre teve respostas insatisfatórias. (Isso era verdade mesmo antes de se tornar uma heurística útil para identificar idiotas no Twitter.) Alguns deveriam! Alguns não deveriam! Útil, certo?

Uma maneira pela qual a pergunta cai por terra envolve o que, exatamente, o questionador quer dizer com “código”. É improvável que um repórter da prefeitura tenha a oportunidade de criar um aplicativo para iPhone no Swift ou construir um modelo de aprendizado de máquina no prazo. Mas há certamente um conjunto mais básico e direto de habilidades técnicas em torno da análise de dados que pode ser útil para praticamente qualquer pessoa em uma redação. Não significa codificar, mas também não é um conjunto de habilidades que todo repórter possui.

O New York Times quer que mais de seus jornalistas tenham essas habilidades básicas de dados, e agora está lançando o currículo que construíram internamente para o mundo, onde pode ser útil para repórteres, redações e muitas outras pessoas também.

Lindsey Rogers Cook, editora de storytelling digital e treinamento no Times, e o tipo de pessoa apaixonada por planilhas, escreve:

Mesmo entre alguns dos melhores jornalistas de dados e gráficos da empresa, identificamos um desafio: o conhecimento de dados não era muito difundido entre as editorias da nossa redação e não estava canalizado nas reportagens diárias das redações.

No entanto, a fluência com números e dados tornou-se mais importante do que nunca. Embora os jornalistas gostem de brincar que entraram no campo por causa de uma aversão à matemática, os números agora constituem a base para editorias tão amplas quanto educação, mercado de ações,  Censo e justiça criminal. Mais dados são divulgados do que nunca (existem quase 250.000 conjuntos de dados apenas no data.gov) e cada vez mais, o governo, os políticos e as empresas tentam distorcer esses números para promover suas próprias agendas…

Queríamos ajudar nossos repórteres a entender melhor os números que recebem das fontes e do governo e dar a eles as ferramentas para analisar esses números. Queríamos aumentar a colaboração entre jornalistas tradicionais e não tradicionais... E com mais concorrência do que nunca, queríamos capacitar nossos repórteres para encontrar histórias escondidas nas centenas de milhares de bancos de dados mantidos por governos, acadêmicos e think tanks. Queríamos oferecer aos nossos repórteres as ferramentas e o suporte necessários para incorporar dados em suas reportagens diárias, não apenas em projetos grandes e ambiciosos.

Esse desejo se transformou em programas de treinamento piloto e, em seguida, em um treinamento intensivo; Mais de 60 jornalistas do Times passaram pelo treinamento, que se concentra em habilidades de planilhas, até o momento. Em sua forma atual, são duas horas de aula todas as manhãs durante três semanas de trabalho, com muito apoio e acompanhamento a partir daí.

(Para ter uma ideia do que esses repórteres fazem com suas habilidades, confira este artigo que pede a cinco deles que descrevam os detalhes: procurar padrões nos dados de chamadas do 311, catalogar dados de localização para uma matéria sobre fogo amigo no Vietnã e apenas acompanhar as 3.472.382 pessoas atualmente concorrendo à nomeação do Partido Democrata para presidente.)

Você pode acessar os materiais de treinamento do Times aqui. Algumas das coisas que você encontrará:

  • Um esboço das habilidades de dados que o curso pretende ensinar. Tudo é executado no Google Docs e no Planilhas Google. A aula começa com o super básico, vai para tabelas dinâmicas e depois entra na limpeza de dados e em fórmulas mais avançadas.
  • O resumo completo diário do curso de três semanas do Times, que é claro que você está livre para usar ou reformular para as necessidades da sua redação.
  • Não se trata apenas de células, colunas e linhas: o curso também inclui mais informações baseadas em jornalismo sobre questões éticas, como usar os dados de forma eficiente dentro da narrativa da história e como trabalhar melhor com colegas no departamento gráfico.
  • Folhas de consultas! Se você não tiver tempo para ir muito fundo, fornecerão informações rápidas:   um, doistrêsquatrocinco.
  • Conjuntos de dados que você usa para trabalhar nos estágios iniciante, intermediário e avançado do treinamento, incluindo clássicos do jornalismo como dados do censo, dados de financiamento de campanha e dados do BLS. Mas não seja tonto e tente escrever notícias de verdade com base nessas planilhas; o Times adverte em negrito: "NOTA: Nós alteramos muitos desses conjuntos de dados para fins de instrução, então baixe os dados da fonte original se você quiser usá-los em suas reportagens."
  • "Como não estar errado", o que sempre é útil.

Este artigo foi originalmente publicado pelo Nieman Lab. Foi republicado na IJNet com permissão.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Stéphan Valentin