Melhore sua reportagem sobre segurança nacional e terrorismo com estes bancos de dados

porSherry Ricchiardi
Mar 6, 2017 em Temas especializados

Reportagens sobre questões de segurança nacional podem ser um dos trabalhos mais difíceis para um jornalista, mas há especialistas e um conjunto de dados que podem ser encontrados em várias iniciativas de pesquisa universitária.

Uma delas é um centro de pesquisa da Universidade de Maryland que se concentra no estudo do terrorismo. A iniciativa, conhecida como START (Estudo de Terrorismo e Respostas ao Terrorismo), apresenta um banco de dados pesquisável de artigos de mais de 50 instituições acadêmicas e de pesquisa, bem como agências de segurança doméstica, sobre uma variedade de tópicos relacionados à segurança.

"Este não é o seu projeto acadêmico padrão", disse o diretor do START, Gary LaFree. "Nós tentamos divulgar tudo para o público e torná-lo fácil de usar. Os jornalistas estão entre nossos principais usuários, especialmente para o Global Terrorism Database (GTD)."

O GTD se autodenomina o maior e mais abrangente banco de dados de código aberto sobre eventos terroristas internacionais e nacionais, com informações sobre mais de 150.000 ataques terroristas entre 1970 e 2015.

Os Departamentos de Defesa e Segurança Doméstica dos EUA são os principais usuários do site START, que recebe "milhões de usuários por mês", de acordo com LaFree.

O banco de dados pode revelar-se particularmente útil para os jornalistas que procuram fornecer contexto e estatísticas para matérias sobre terrorismo e política de segurança nacional. Por exemplo, um infográfico publicado pelo START em janeiro identificou 109 planos ligados ao jihad para usar violência contra os Estados Unidos entre janeiro de 1993 e fevereiro de 2016. Destas, apenas 13 foram concluídos com sucesso.

Outros resultados significativos compilados pelo START, que podem ser relevantes para os jornalistas que cobrem a política de segurança nacional, incluem:

  • A maioria dos perpetradores desses planos eram cidadãos americanos ou residentes (75 por cento); poucos terroristas estrangeiros de volta ao EUA estavam entre eles (3 por cento); e não houve refugiados.
  • Pessoas solitárias eram raras: apenas nove planos em mais de 20 anos foram orquestrados por alguém agindo sozinho.

  • Cerca de 25 por cento dos planos podem ser ligados de forma credível a uma organização terrorista conhecida.

Há também uma página de informação sobre o número de mortes americanas em ataques terroristas entre 1995 e 2015.

Em uma matéria de fevereiro de 2017, o Washington Post usou um estudo do START para negar a noção de que o extremismo islâmico é uma ameaça pior do que os movimentos extremistas de origem nacional.

Citando uma análise do START, o Post informou: "Dos 66 homicídios militares ou de justiça criminal perpetrados pela Al-Qaida e seus movimentos associados e extremistas de extrema-direita de 1990 a 2015, 54 dessas mortes -- mais de 80 por cento -- vieram da extrema direita."

"Um exemplo disso seria um extremista anti-governo que ataca um policial porque suas crenças ideológicas exigem que ele lute contra o governo, particularmente a polícia", observou a reportagem do Post.

Outras publicações apresentadas pelo START examinam o recrutamento e a radicalização de terroristas de extrema-direita nos EUA, questões de terrorismo na Europa e a ajuda a sobreviventes e famílias afetadas pelo terrorismo, entre outros temas.

Os usuários também encontrarão um link para um curso online gratuito, "Entendendo o terrorismo e a ameaça terrorista", que começa no dia 13 de março.

Para aqueles que buscam outros recursos acadêmicos para complementar suas reportagens sobre política de segurança, outro recurso valioso é o Centro de Segurança Nacional (CNS, em inglês) na Faculdade de Direito Fordham. A iniciativa é descrita como "a fonte proeminente de análise jurídica e dados estatísticos sobre os processos de terrorismo nos EUA."

Um dos destaques: um exame caso a caso de processos do ISIS nos Estados Unidos de março de 2014 a junho de 2016. Os jornalistas podem encontrar informações detalhadas sobre esses casos, incluindo cidadania, gênero, história pessoal e redes interpessoais.

O CNS também tem um banco de dados pesquisável sobre os processos de terrorismo nos EUA, que não é público, mas os jornalistas podem entrar em contato com o pessoal do CNS com perguntas específicas de busca. O banco de dados monitora "o progresso dos casos de terrorismo pelo sistema judicial dos EUA e analisa as tendências de radicalização, estratégias legais e sentenças para os acusados ​​de crimes relacionados ao terrorismo", de acordo com o site.

Baseado em informações deste banco de dados, o CNS irá criar fichas de fatos sobre questões como casos de combatentes estrangeiros, casos de informantes do FBI, detalhes biográficos sobre acusados de terrorismo e padrões de condenação. Seu último relatório, "Casos do ISIS nos Estados Unidos", foi publicado em julho de 2016.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via The U.S. Army