Media Party 2016 leva inovação para Buenos Aires

porMariana Berruezo
Oct 6, 2016 em Jornalismo digital

Algumas semanas atrás aconteceu a quinta conferência Media Party, organizada pela Hacks/Hackers Buenos Aires. O evento reúne jornalistas, programadores, designers e empresários dos cinco continentes trabalhando para fazer avançar o jornalismo online.

A Media Party 2016 teve mais de 2.300 pessoas em uma programação intensiva de três dias de conferências e workshops, culminando com uma hackatona e uma "Feira de mídia" com aplicativos e ferramentas de jornalismo de dados. Todos os anos, o evento fica cada vez maior e melhor: a logística é melhor, mais gente participa de um maior número de países e despertamos maior interesse regional nas tendências de inovação jornalística. Nos últimos anos, vimos o número de participantes aumentar em 30 por cento em comparação com anos anteriores; este último evento teve o nosso maior aumento: 40 por cento.

Com o objetivo de ampliar o conhecimento daqueles que tentam inovar a mídia latino-americana, aqui estão algumas das mais importantes lições que aprendemos organizando o evento e por que achamos que deu certo.

Planeje atividades sobre temas de vanguarda

Todos os anos discutimos quais as tendências devemos enfatizar. A equipe de organizadores da Media Party -- cerca de 20 pessoas ativas no Hacks/Hackers em Buenos Aires -- se reúne e seleciona o foco do evento. Tentamos chegar a um consenso rapidamente. Os temas deste ano foram:

  • Realidade virtual e vídeo 360º
  • Inteligência artificial
  • Robôs
  • Jogos de notícias
  • Engajamento do público
  • "Panama Papers", como um estudo de caso em projetos de visualização de dados intensivos e jornalismo colaborativo realizado por centenas de jornalistas de todo o mundo.

Isso ajuda a atrair a atenção do público que desejamos atingir: aqueles que estão curiosos, que querem se desafiar e surpreender-se. Isso é precisamente com quem queremos trabalhar e treinar.

Pense no evento como um todo, com cada atividade alimentando a próxima

Na prática, isto significa que cada atividade do Media Party -- e a forma como é programado -- prepara os participantes para o que vem a seguir.

O evento começa com os nossos palestrantes falando sobre sua área de especialização. Em seguida, eles convidam as pessoas a participarem de suas oficinas de formação começando naquela mesma tarde. Desta forma, os participantes podem absorver melhor o assunto e decidir qual oficinas que desejam participar.

As oficinas são onde as pessoas podem desenvolver as habilidades que usarão mais tarde durante a hackatona, realizada no terceiro dia. Basicamente, os oradores, workshops e "Lightning Talks" são o prólogo para o evento final, a hackatona, porque nesse momento as pessoas se conhecem e estão dispostas a trabalhar em conjunto.

Atenha-se à mesma estrutura básica, mas continue a melhorar

Nossos eventos da Media Party sempre seguem o mesmo formato básico: dois dias de palestras e oficinas, terminando com uma hackatona no terceiro dia. Isso ajuda os participantes a interiorizar a programação durante um evento em que há muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Eles podem explorar, descobrir, se conectar e, em seguida, começar a trabalhar sobre o que estão interessados, com as pessoas que lhes interessam.

Prepare os participantes para a hackatona 

Temos uma equipe dedicada exclusivamente à organização da maratona hacker e também projetamos uma campanha promocional antes do evento. O dia antes da hackatona, organizamos um evento de duas horas para os interessados em participar -- dessa forma, as pessoas podem começar a formar equipes e discutir projetos. Cerca de 70 pessoas participaram este ano.

Graças às lições de anos anteriores, ficamos muito satisfeitos com os resultados da Hackatona 2016: tivemos quase o dobro do número de participantes em comparação ao ano passado; o número e a qualidade dos projetos melhorou significativamente; e quase todas as equipes de projeto cumpriram seus objetivos até o final do dia. Você pode ver alguns dos projetos no Hackathon Media Party 2016 HackDash

Deixe as pessoas participarem na organização do evento

Temos sempre um processo de inscrição aberto para pessoas apresentarem suas propostas de oficinas, projetos, produtos e serviços na Media Party. Após um mês aceitando inscrições, analisamos o que recebemos e escolhemos aqueles que parecem ser os mais sólidos, inovadores e de acordo com os temas que decidimos destacar. O resultado é uma boa mistura de palestras e workshops; ao mesmo tempo, é uma oportunidade para os membros do Hacks/Hackers Buenos Aires mostrarem seu talento e criações. Ao longo dos anos, tentamos fazer melhorias no processo de inscrição para garantir que as pessoas entendam o que estamos procurando e que tenhamos as informações suficientes sobre todas as propostas para tomarmos decisões justas.

Atue com base no feedback do público 

Claro, isto é óbvio, mas não podemos desmerecer sua importância. Pesquisas nos ajudam a entender melhor o que nossa comunidade gosta, quem são, quais as expectativas que tem e por quê. Isto dá informação importante para melhorar ano após ano, o que nos permite levantar mais fundos para o ano seguinte, quando somos capazes de mostrar como continuamos a evoluir.

Com base em nossas pesquisas de 2013, em 2014 começamos a usar "Lightning Talks" como uma forma de destacar projetos regionais. Este ano, trouxemos os "Lightning Talks" para o palco principal e traduzimos simultaneamente para o inglês, outra decisão que fizemos com base no feedback de enquetes. Outros pedidos frequentes incluíram mais networking, que é por isso que organizamos um espaço relaxado de trabalho colaborativo que funcionou muito bem.

Se você não veio para a Media Party 2016 ou se gostaria de revisitá-la, confira nosso canal no YouTube

Mariana Berruezo é coorganizadora do Hacks/Hackers Buenos Aires.

Imagens cortesia do ICFJ Knight. Infográfico produzido por Sam Berkhead.