Jovens jornalistas se unem para contar histórias de adolescentes durante a pandemia

porAbby Geluso
May 19, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Máscaras com bandeiras de países

Em março, Dylan Carlson, de 18 anos, iniciou um estágio no News Decoder, um serviço global de notícias educacionais para jovens. No final daquele mês, os países europeus começaram a implementar confinamentos para combater o COVID-19. A empresa sediada na França aconselhou sua equipe a trabalhar de casa.

Pouco depois, o News Decoder se juntou ao Teenage Reporting Project COVID-19, uma plataforma para adolescentes jornalistas de todo o mundo compartilharem suas reportagens sobre como seus colegas estão ajudando durante a pandemia -- numa época em que jovens são vistos como indisciplinados e indiferentes.

"Há tantos jovens que estão fazendo coisas realmente positivas", disse Carlson. "Acho que, entre os adolescentes, também tínhamos essa percepção de que muitos de nós não estavam se preocupando com isso ou não estavam fazendo nada a respeito."

O Teenage Reporting Project COVID-19 lançou seu primeiro lote de artigos no início de maio. Até agora, as matérias cobrem desde iniciativas de captação de recursos, até um protótipo de germe-zapper criado por estudantes, até um esforço para alimentar cães vadios na Índia durante a pandemia.

O News Decoder é o principal parceiro de mídia do projeto. A iniciativa se uniu a organizações de notícias lideradas por estudantes em mais de 15 países, incluindo China, África do Sul e Estados Unidos.

[Leia mais: A perda por trás dos números: Como o jornalismo brasileiro está registrando as mortes por COVID-19]

A origem do projeto

Dra. Aralynn McMane foi inspirada a criar o projeto depois de ver representações consistentemente negativas de adolescentes se recusando a distanciar-se fisicamente.

"Acho importante ouvir também, alto e claro, sobre como os jovens estão fazendo a diferença. Quem é melhor para fazer isso do que seus colegas de todo o mundo que também são jornalistas?", disse McMane.

McMane é administradora do News Decoder e diretora do Global Youth & News Media Prize. Ela utilizou os contatos que tinha durante a competição para reunir os primeiros participantes do Teenage Reporting Project.

A revista estudantil da Escola Secundária Marjory Stoneman Douglas da Flórida, The Eagle Eye, foi uma das primeiras a ingressar no Teenage Reporting Project, juntamente com o News Decoder. Em 2018, o The Eagle Eye ganhou o primeiro Prêmio Global de Juventude e Notícias em 2018, por sua cobertura da Marcha para Nossas Vidas, que foi organizada por estudantes após o tiroteio em massa na escola em 2018.

Os Young Reporters for the Environment da Dinamarca e o Student View do Reino Unido também foram premiados com o Prêmio Global de Mídia Juvenil e Notícias, e agora estão envolvidos no Teenage Reporting Project.

McMane reuniu participantes adicionais por meio do boca a boca e de promoção nas mídias sociais. Atualmente, são mais de 20 organizações de notícias estudantis participantes em mais de 15 países. Organizações interessadas podem entrar em contato para participar do projeto.

[Leia mais: Jornalistas de favelas informam e fazem ações de prevenção contra o novo coronavírus] 

Destaques de jovens repórteres

Até agora, Carlson contribuiu com duas histórias para o projeto de reportagem. Na primeira, ele escreveu sobre uma jovem e sua família no Quênia que fazem protetores faciais de tapetes de ioga para dar a profissionais de saúde próximos. Ele descobriu essa história fazendo conexões por meio de uma página no Facebook para a turma de 2024 da Universidade de Yale, da qual ele faz parte.

“Inicialmente, eu não estava procurando uma história, estava apenas procurando o que poderia fazer para ajudar”, disse Carlson. “Então, quando vi as respostas, pensei: 'Ok, essas histórias precisam ser divulgadas.'”

Carlson começou a reportar para seu jornal do ensino médio em Upper Arlington, Ohio. Depois de se formar em 2019, ele tirou um ano sabático para morar no exterior na França, onde agora faz estágio no News Decoder.

"Por natureza, sou uma pessoa curiosa e isso me dá um acesso incrível para conversar com as pessoas e descobrir suas histórias", disse Carlson.

Carlson acredita firmemente na importância do jornalismo estudantil, por causa de sua capacidade de tirar os jovens de suas zonas de conforto, de buscar e contar histórias importantes.

"Acho ótimo que possa haver um tipo de plataforma internacional que destaque essas histórias e redatores diferentes", disse ele.

Enquanto isso, Dara Rosen, da Escola Secundária Marjory Stoneman Douglas, também se inspirou no papel do jornalismo na sociedade. "Vi a importância e o poder do [jornalismo] e decidi que era isso que queria fazer da minha vida", disse ela. Rosen ingressou no The Eagle Eye em seu segundo ano do ensino médio.

Recordando a vitória anterior da escola no Prêmio Global Juventude e Mídia de Notícias, McMane imediatamente procurou o The Eagle Eye para se juntar ao Teenage Reporting Project. "Antes deste projeto, estávamos cobrindo a política em torno da COVID-19, as decisões da escola, opiniões e reações dos alunos, lutas escolares online e muitos artigos de opinião sobre estilo de arte e lazer", disse Rosen, de 18 anos, agora editora do The Eagle Eye. "Mas desde o começo com esse projeto, trouxemos à luz as coisas surpreendentes que alguns estudantes de nossa comunidade fizeram."

Rosen vai para a Universidade da Costa do Golfo da Flórida no outono, onde estudará jornalismo. "Espero que pessoalmente", acrescentou.


Jovens jornalistas de todo o mundo continuam contribuindo para o Projeto de Comunicação de Adolescentes COVID-19. O projeto lançará histórias adicionais nos dias 20 de maio e 7 de junho.

Imagem criada por Laura Makaltses para a United Nations COVID-19 Response sob licença CC no Unsplash