Joseph Poliszuk expõe corrupção na Venezuela através de dados e colaboração

porSam Berkhead
Nov 10 em Jornalismo investigativo
Joseph Poliszuk

Ao longo de sua carreira, Joseph Poliszuk aprendeu que a independência jornalística é, às vezes, uma batalha duramente conquistada.

Poliszuk é um jornalista investigativo da Venezuela --um dos países mais corruptos do mundo, segundo a Transparência Internacional. Ele foi detido pelas forças de segurança e perseguido e ameaçado por causa de seu trabalho, que descobriu tráfico de drogas, mineração ilegal, abusos dos direitos humanos e mais.

Como cofundador e editor-chefe do Armando.info, sua reputação por reportagens detalhadas e apoiadas por dados chamou a atenção internacional. Ele coordenou a seção venezuelana do "Panama Papers". A reportagem levou à prisão de vários venezuelanos influentes que foram descobertos por ter escondido fortunas em contas no exterior.

Antes de receber o Prêmio Knight Internacional de Jornalismo de 2018 no jantar de premiação do ICFJ, Poliszuk conversou com a IJNet sobre sua carreira e os desafios que enfrentou.

Depois que o El Universal (o jornal onde ele trabalhou por uma década) foi comprado por empresários ligados ao governo em 2014, Poliszuk e seus colegas decidiram lançar o Armando.info para preservar sua independência jornalística.

"Temos que lutar pela independência", disse ele. "Imagine que você está escrevendo sobre drogas ou lavagem de dinheiro e não sabe quem está pagando seu salário."

No final de 2017, o Armando.info informou que um empresário colombiano estava vendendo produtos superfaturados para um programa de alimentos administrado pelo governo. Mais tarde, repórteres testaram o leite distribuído pelo programa e descobriram que continha sal e não continha cálcio. O empresário, que o Armando.info diz ter laços estreitos com o partido do presidente Nicolás Maduro, entrou com uma ação contra eles, forçando Poliszuk e três de seus colegas a fugirem para a Colômbia para proteger a investigação e a si mesmos.

O empresário, que negou as acusações, está agora sob investigação na Colômbia e no México, e jornais desses países começaram a publicar histórias sobre ele. Isso legitimou o trabalho de investigação que o Armando.info produziu, disse Poliszuk.

"Os governos da Colômbia e do México estão legitimando nossa investigação", disse Poliszuk. “Foi muito importante, porque durante muito tempo estávamos sozinhos [em nossas alegações].”

Com seu país de origem sofrendo tumulto político, humanitário e econômico, Poliszuk e sua equipe continuaram seus trabalhos em Bogotá.

"Eu sempre digo que estamos temporariamente na Colômbia por causa de duas coisas", disse ele. “Primeiramente, é claro, por causa do risco; mas mais do que isso, temos que continuar publicando.”

No entanto, o site ainda enfrenta desafios significativos: foi bloqueado pelo governo venezuelano no passado e está sob frequentes ataques cibernéticos. O site alterou seu endereço IP e recebeu assistência do Google para evitar futuros ataques cibernéticos.

"Isso é segurança digital, mas existem outros tipos de segurança", disse ele. “Em segurança física, tentamos fazer as coisas que temos que fazer: não ser inocente, não ser ingênuo e ser discreto também. Há um ditado em espanhol: 'Quando você fecha a boca, as moscas não entram'. Você tem que ser discreto."

Como muitos dos jornalistas do Armando.info ainda estão baseados na Venezuela, Poliszuk disse que se comunicar com seus repórteres é um desafio. Os repórteres do Armando.info esperam na mesma fila por comida como outros venezuelanos, e estão sujeitos à censura e a um clima de imprensa restrito.

"Eu acho que você tem que ser mais comunicativo quando sua redação está dividida", disse ele. "Mas estamos muito orgulhosos da equipe que temos e queremos continuar porque estamos confiantes de que o que fazemos é importante e útil."

Apesar disso, a equipe continua seu trabalho e está construindo uma reputação em investigações amplamente reportadas e verificadas por fatos.

"Se não temos provas, não podemos publicar a matéria", disse ele sobre o processo editorial do Armando.info. “Essa é uma das coisas que faz a diferença entre nós e muitos outros sites venezuelanos, já que nos dedicamos exclusivamente ao jornalismo investigativo. Editamos as matérias e a edição leva tempo. É uma grande parte da marca Armando.info. Mas não estamos interessados ​​em notícias diárias. Estamos empenhados em explicar a estrutura do sistema.”

A colaboração também desempenha um papel importante no trabalho de Poliszuk e do Armando.info. A redação frequentemente faz parcerias com outras redações venezuelanas, e Poliszuk diz que essa colaboração oferece três benefícios: maior tráfego na web, proteção adicional contra ameaças e censura, e compartilhamento de recursos e informações.

"Dois meses atrás, o governo nos proibiu de continuar a escrever sobre o programa de alimentos", disse ele. “Nós publicamos mesmo assim, mas não estávamos sozinhos. Dezesseis outros sites venezuelanos e um site colombiano também publicaram.”

Como o governo não conseguiu fechar todos os 17 sites de notícias, a investigação foi mantida viva e online.

Poliszuk afirmou que a permanência dele e de sua equipe na Colômbia é temporária: ele espera que a redação do Armando.info possa retornar à Venezuela em breve, após a conclusão da investigação sobre o programa de alimentos do país.

Além da investigação do programa de alimentos, Poliszuk disse que o Armando.info está atualmente construindo bancos de dados de importações que entram nos portos da Venezuela e lançando mais colaborações transnacionais com seus parceiros.

"Estou surpreso com a solidariedade de alguns colegas em todo o mundo", disse ele. "Estou surpreso com a solidariedade de vocês, de organizações como o ICFJ. No começo, não foi fácil. Não esperávamos essa situação, mas muitos colegas nos apoiaram.”