Jornalista do mês: Michelle Agoh

Apr 7, 2020 em Jornalista do mês
Michelle Agoh

Nascida e criada na Nigéria, Michelle Agoh nunca se considerou uma ótima redatora, mas planejava ser jornalista de rádio e não achava que precisava escrever bem para que isso acontecesse.

"Sou faladora, me sinto bem falando", disse Agoh, "escrever parecia impossível".

Ela completou sua graduação em Sistemas de Informação de Negócios pela Universidade de Cape Coast e iniciou sua carreira como apresentadora de rádio em 2015, onde ela acreditava que ia capitalizar sua força.

No entanto, depois de participar de um curso de jornalismo móvel do Centro Knight para Jornalismo nas Américas da Universidade do Texas, Austin, em 2018, seu mentor perguntou se ela iria publicar seu trabalho. Agoh hesitou, pois nunca se considerou uma redatora. No final, ela decidiu publicar, e essa decisão fez sua carreira avançar.

Hoje ela conquistou o jornalismo impresso e eletrônico, publicando artigos e um minidocumentário que gravou em seu telefone.

 

 

Agoh trabalha para o Lagos Talks, como apresentadora de rádio do programa The Live Drive, abordando tópicos como assuntos atuais, notícias e política.

"Minha história sobre menos condenações por casos de estupro reportados na Nigéria teve um enorme impacto em mim porque esse foi meu primeiro artigo", disse Agoh. "Antes disso, eu não havia experimentado o nível de pesquisa e investigação que fiz."

Conversamos com Agoh sobre sua luta para entrar no jornalismo, enfrentando seu medo de escrever e as oportunidades que avançaram sua carreira.

[Leia mais: Dicas para jornalistas interessados em colaborações transfronteiriças]

No que você está trabalhando atualmente?

Nos últimos seis anos, tenho trabalhado no jornalismo de difusão. Foi uma jornada incrível, porque cada um desses anos foi repleto de aprendizado constante, crescimento e uma visão mais ampla do que eu queria em minha carreira.

Assuntos atuais sempre foram meu nicho, mas ao longo dos anos fiz coisas que nunca pensei que poderia fazer, como escrever meu primeiro artigo, organizar e apresentar reuniões da prefeitura, maximizar minhas habilidades em jornalismo móvel, entre outras. Atualmente, estou trabalhando em um projeto multimídia sobre a pandemia de coronavírus na Nigéria e estou muito animada porque, pela primeira vez, estarei colaborando com outro jornalista.

O que inspirou você a ser jornalista?

O que realmente me inspirou a entrar no jornalismo de radiodifusão foi o desejo de equilibrar a comunicação cidadão-governo. Sempre observei que essa é uma peça que falta na democracia que afirmamos praticar. Quando as pessoas não têm plataforma para falar, ser ouvidas e responsabilizar seus líderes, isso é simplesmente uma electocracia.

Entrei no jornalismo com o objetivo de preencher essa falta, contar histórias e relatar os fatos com uma abordagem imparcial.

[Leia mais: Como incorporar jornalismo móvel nas redações locais]

Qual foi o seu maior desafio?

Eu tenho um emprego em período integral aqui em Lagos, na Nigéria, e às vezes é um desafio buscar histórias que acho interessantes porque tenho que estar no estúdio. Recentemente, descobri que colaborar com outros jornalistas, especialmente freelancers, é a melhor maneira de resolver isso.

Outro desafio é a falta de financiamento e oportunidades para jornalistas de países em desenvolvimento. Acredito que os jornalistas na Nigéria são muito criativos e bastante motivados. Se pudermos ter mais oportunidades de treinamento, financiamento e plataformas internacionais que nos expõem a práticas e tecnologias de qualidade mundial, poderíamos contar melhor nossas histórias.

Agoh interviewing

Como você usou a IJNet e o que aprendeu com essa experiência?

A IJNet, sozinha, foi a única maneira de descobrir as oportunidades disponíveis de jornalismo. Por meio dela, me matriculei no meu curso de jornalismo móvel no Centro Knight de Jornalismo e me tornei membro do Centro Wole Soyinka de Jornalismo Investigativo, para citar alguns exemplos. Todas essas oportunidades deram origem a muitos projetos interessantes dos quais me orgulho muito. Esses treinamentos me deram a oportunidade de fazer algo que nunca fiz antes e, com a IJNet, é sempre algo novo esperando para nascer. 

Qual é o seu conselho para jovens jornalistas emergentes?

Ser muito ousado na busca de respostas, abraçar constantemente o aprendizado e aproveitar a jornada — é gratificante. 


Todas as imagens cortesia de Michelle Agoh