Jornalista do mês da IJNet: Mnaku Mbani

porDana Liebelson
Apr 8, 2011 em Temas especializados

A cada mês, a IJNet apresenta um jornalista internacional que exemplifica a profissão e tem usado o site para promover sua carreira. Se você gostaria de ser apresentado, envie um e-mail com uma curta biografia e um parágrafo sobre como usa os recursos da IJNet para Dana Liebelson, dliebelson@icfj.org até 20 de abril.

O jornalista deste mês é Mnaku Mbani, que cobre negócios na Tanzânia.

IJNet: Em que organização de notícias atualmente trabalha? Onde trabalhou no passado?

Mnaku Mbani: Atualmente, estou trabalhando no Business Times Limited como repórter e editor de notícias. Minha missão principal é gerar novas idéias, atribuir pautas para jornalistas e editar artigos. Também sou um repórter sênior da agência de notícias NewsQuotes, com sede em Bruxelas. Esta é uma nova organização que começamo depois de terminarmos um treinamento em jornalismo financeiro realizado pela instituição alemã, o Instituto Internacional para Jornalistas.

No passado, eu trabalhei para The Guardian Limited e Mwananchi Comunicações Limited.

IJNet: Como você tem usado a IJNet?

MM: Todos os cursos de formação profissional que frequentei entre 2002 e 2009 achei através da IJNet.

A IJNet é um portal que tem realmente me ajudado a desenvolver a minha carreira. Através da IJNet, encontrei um curso de formação da Reuters em 2002 para jornalismo de negócios. Eu também fiz cursos de jornalismo financeiro e econômica em Berlim, EUA e Nairobi que encontrei através da IJNet. No momento, estou usando o site para desenvolver normas de reportagem e estou estudando para um diploma em jornalismo empresarial no CTJT, que encontrei através da IJNet. O site também me ajuda a fazer contatos com vários profissionais globalmente e eu assino o boletim.

IJNet: Quando descobriu que queria ser jornalista? Como começou?

MM: Eu sonhava em se tornar um jornalista desde que era um adolescente. Inicialmente, eu realmente queria ser um apresentador de rádio. Meu plano sempre foi entrar para a escola de jornalismo depois de terminar o ensino médio.

Depois de entrar na escola de jornalismo, percebi que jornalismo impresso era mais interessante para mim do que o rádio e tenho escrito matérias em inglês desde então.

IJNet: Como tem ideias de matérias? Tem uma rotina definida para redação e reportagem?

MM: Gosto de ler. Também gosto de ouvir rádio, principalmente as estações de rádio internacionais como a BBC, VOA, etc. Sempre que leio um jornal ou escuto uma transmissão, penso em como expandir as histórias que já estão publicadas. Às vezes, eu também tiro ideias de histórias da vida real. Por exemplo, quando vou às compras e acho que há um aumento de preços, quero descobrir o por quê -- daí surge uma nova ideia.

Também participo de reuniões, falo com as pessoas que me dão dicas, e leio relatórios empresariais e governamentais. Acho que é útil visitar sites como os do Banco Central, as organizações de pesquisa, FMI, Banco Mundial, Organização Mundial da Saúde, UNCTAD, etc. Penso que histórias são encontradas em toda parte e muitas vezes começam em casa.

IJNet: Qual é o seu trabalho/matéria de maior orgulho até agora? Por quê?

MM: Tenho um monte de trabalho do qual me orgulho, mas acho que minha melhor história foi uma reportagem sobre a obesidade na Tanzânia. Tive a ideia de que nossa saúde pública está em crise devido à crescente população de renda média tanzaniana.

Engordar tem sido muitas vezes visto como uma coisa boa em muitas comunidades da Tanzânia, mas desde o lançamento do artigo -- que mostrou os perigos da obesidade --- algumas pessoas têm realmente mudado seu estilo de vida e hábitos alimentares.

IJNet: Que conselho daria a aspirantes a jornalista? Existem programas de treinamento ou escolas que foram particularmente úteis para o senhor?

MM: A profissão de jornalismo está mudando muito rápido. Graduar-se em uma escola de jornalismo não é mais prova suficiente de que uma pessoa vai se sobressair na profissão. Tenho visto muitos graduados que não conseguem se manter quando chega a hora de entrarem no mercado de trabalho.

Acho que é importante tirar proveito dos cursos de especialização para jornalistas. Existem muitas organizações que oferecem treinamento em jornalismo, como o Thompson/Reuters, Instituto Internacional para Jornalistas, Population Reference Bureau, Banco Mundial, etc. É realmente útil para os jornalistas escolher um campo, seja ele de negócios, reportagem financeira, política ou esportiva.

IJNet: Como você acha que os jornalistas podem melhor se adaptar ao campo da mídia em mutação?

MM: Na Tanzânia, a mídia impressa está perdendo a sua importância, porque a maioria dos leitores tem optado por receber notícias através da televisão, o novo meio na Tanzânia. O surgimento dos blogs criou também um momento difícil para a mídia impressa.

Acredito que os jornalistas têm a chance de se adaptar a estas mudanças, redefinindo a maneira como trabalham. Treinamento para o desenvolvimento da carreira é realmente a melhor e única opção para permitir que os jornalistas se adaptem ao mundo dos meios de comunicação em rápida transformação.