Independência editorial impulsiona jornalismo na Internet

porJames Breiner
Aug 8, 2011 em Jornalismo digital

"Os jornalistas independentes na internet são capazes de se livrar dos poderes, práticas e ideias que definiram a imprensa tradicional", disse Guillermo Culell, gerente geral de mídia regional do Grupo Mercurio, do Chile, em uma conversa com os participantes do Laboratory of Digital Journalism Ventures.

Culell tem vasta experiência em mídia digital em várias organizações de notícias latino-americanas e ofereceu conselhos sensatos porém profundos. Ele argumentou que a mídia digital pode criar um novo modelo de "negócio independente" na Internet. Sua principal vantagem é ser independente de:

  • Influência de poderes corporativos e políticos

  • Velhos hábitos e vícios do jornalismo, como a linguagem formal e rígida

  • Agenda política dos poderosos

  • Aversão a erros e riscos

A grande diferença da mídia digital é que "podem dizer o que ninguém diz e revelar o que ninguém revela". Culell acrescentou que a audiência online vai premiar essas diferenças com lealdade, que é a base para um negócio forte.

Estude sucessos e fracassos

Culell exortou os empresários digitais a medir seu tráfego na Web e estudar incansavelmente sucessos e fracassos com cuidado:

  • Entenda o que funciona para os usuários

  • Entenda o que não funciona e porquê, tirando conclusões a partir das falhas

  • Aprenda com organizações ou ferramentas que funcionaram e pararam de funcionar

  • Identifique as boas ideias à frente de seu tempo

  • Reconheça o valor do simples e o valor do complexo

  • Preste atenção aos detalhes, porque a paixão de um usuário por um produto encontra-se em pequenas diferenças

Culell comparou a paixão de um usuário por um produto à paixão de um namorado, que pode brotar de detalhes simples na aparência, fala ou roupa da pessoa querida. Devemos saber quais são esses detalhes ou enfrentar a perda dessa paixão e lealdade.

As regras do jogo

Finalmente, ele falou de "provocação e transparência" no novo território da Internet, que tem suas próprias regras.

Em redes sociais, há diferentes códigos de comportamento, tais como a necessidade de adptar um estilo de conversação ao invés de institucional. Pense primeiro no que importa para o público e não o que é relevante para o jornalista.

Apesar de que os motores de busca ainda geram mais tráfego para sites de redes sociais, Culell acredita que as redes representam o principal motor da mídia digital. Um motor de busca que direciona o tráfego para um site nada mais é que um algoritmo de mecânica que representa uma relação de estímulo e resposta, explicou.

Por outro lado, nos meios de comunicação social, os usuários recomendam um artigo para seus amigos criam uma dimensão mais íntima e humana com o meio. A longo prazo, as redes sociais podem ultrapassar os motores de busca como geradores de tráfego, Culell disse.

Seja transparente

Ele também recomendou que os meios digitais se tornem cada vez mais transparente sobre suas práticas de negócios e políticas éticas.

Para começar, eles devem explicar claramente aos anunciantes a separação entre produto editorial e anúncios. Quando os anunciantes querem apagar essa divisão, pode causar algum conflito. No entanto, Culell aconselhou: "Na minha experiência, chega-se a um acordo com um diálogo aberto entre editores e anunciantes."