HackPack cria comunidades virtuais e offline para jornalistas freelancers

por Natalia Smolentceva
Jun 28, 2018 em Freelance

Ao buscar freelancers ou fixers para cobrir notícias de última hora em todo o mundo, a maioria dos editores costumava recorrer a redes sociais — até Justin Varilek, um jornalista e empresário americano, ter a ideia de um mecanismo mais simples e seguro para conectar editores e freelancers.

É assim que o HackPack, uma redação virtual que conecta jornalistas, editores e especialistas, surgiu em julho de 2015. Essa comunidade profissional agora conecta mais de 12.000 membros de 160 países e está crescendo rapidamente.

O que é o HackPack?

"Nosso objetivo é fornecer acesso a jornalistas no campo quando as grandes histórias de conflito acontecem", disse Varilek. “Então, quando as notícias de última hora acontecem em algum lugar aleatório no mundo, já existe uma comunidade de especialistas com quem você pode trabalhar.”

Mas, como conflitos não acontecem o tempo todo, a plataforma oferece a jornalistas uma oportunidade de criar seu portfólio e conhecimento --e ganhar algum dinheiro extra-- ao fazer isso, acrescentou.

O HackPack é gratuito e fácil de usar para freelancers. Depois de criar uma conta, os usuários podem configurar seus idiomas, localização e áreas de conhecimento (ou editorias). Com base nessas informações, recebem informações personalizadas sobre subsídios, bolsas de estudo, empregos em tempo integral e oportunidades de freelancer em seu feed. Ao adicionar um número de telefone, podem receber solicitações urgentes de notícias recentes ou solicitações rápidas de trabalho freelance em seu telefone. Há também um boletim semanal que destaca oportunidades para jornalistas e apresenta membros da comunidade que podem ser contatados para matérias futuras ou em andamento.

Os jornalistas também podem usar o HackPack mais ativamente e propor matérias diretamente para os editores. Quando algo grande está acontecendo em seu país, escreva no feed: “xxx está acontecendo. Estou disponível para cobri-lo". Os editores verão isso e poderão contatá-lo para solicitar uma história ou trabalhar com o jornalista como um fixer/colaborador. As melhores ideias de pauta são promovidas a editores de todo o mundo.

Várias grandes empresas de mídia e marketing já estão usando o HackPack para encontrar talentos, incluindo NPR, BBC e Spoon Agency. Em julho, o HackPack está lançando um sistema de assinatura para que editores e empresas possam gerenciar freelancers e pagar jornalistas diretamente pela plataforma. Isso ajuda a reduzir o tempo e os custos de contabilidade e transferências bancárias.

Ganhar dinheiro como freelancer

"A indústria de notícias é o que mais amamos e o que mais nos preocupa", disse Varilek. “Mas nós entendemos que isso não é suficiente, então pensamos como podemos ajudar jornalistas a ganhar dinheiro enquanto esperam que boas reportagens aconteçam. É por isso que também estamos destacando outros trabalhos relacionados à mídia: em marketing de conteúdo, pesquisa e reportagem investigativa sobre empresas.”

O próprio Varilek trabalhou como freelancer e com freelancers e conhece todas as armadilhas desse modo de vida. Seu melhor conselho para freelancers: diversifique sua renda. "Tenha um ou dois empregadores mais ou menos constantes que possam pagar as contas fundamentais e depois aumente o número de outros clientes que possam trazer mais dinheiro e tarefas interessantes."

Muitos freelancers têm um emprego de meio período em uma ONG ou empresa de marketing e cobrem os tópicos em que são especializados para uma série de publicações em seu tempo livre.

Outro aspecto fundamental são as habilidades linguísticas: o bom conhecimento do inglês é crucial para que um jornalista local possa trabalhar como freelancer ou fixer de uma mídia estrangeira. A velocidade e o profissionalismo da comunicação também desempenham um grande papel nas relações entre freelancer e editor. "Algumas pessoas estão apenas sendo 'amigas' do cliente e não é o que a grande mídia quer: elas querem que você esclareça, faça mais perguntas e seja profissional", disse Varilek.

Como a maior parte da comunicação entre o editor e o freelancer ocorre online, habilidades técnicas são muito importantes. "Utilize todas as ferramentas tecnológicas possíveis: Telegram, WhatsApp, Google Docs e respostas rápidas por e-mail", disse Varilek.

Um senso de comunidade

"O maior problema de ser freelancer: você fica entediado", disse Varilek. “Está em casa trabalhando em artigos, não tem mais uma redação onde pode conversar com as pessoas e sair. Então, criamos uma redação virtual: uma redação de bolso.”

Embora existam jornalistas de todas as idades e estágios de carreira no HackPack, Varilek disse que é especialmente útil para jornalistas entre 24 e 32 anos que estão procurando expandir sua clientela, colaborar uns com os outros e ter uma comunidade.

O próximo objetivo do HackPack é fortalecer e expandir sua comunidade em todo o mundo. A equipe já organizou eventos offline para reunir jornalistas em Moscou e Berlim. Em 28 de junho, haverá um encontro fechado em Londres sobre jornalismo investigativo (clique aqui para mais informações). Também este mês, o grupo planeja lançar um novo recurso no site: as comunidades online, ou Packs, baseadas na localização geográfica, onde os jornalistas podem colaborar mais facilmente e se conectar uns com os outros.

Imagens cortesia do HackPack