Fazendo a ponte entre números e jornalismo de dados

porMeredith Broussard
Jan 2, 2015 em Jornalismo básico
Ponte

Numeracia, ou literacia numérica, está no coração do jornalismo de dados. E se você é o tipo de pessoa que quer entender melhor os números para fazer jornalismo de dados (talvez você seja um designer? Um estudante? Um cidadão curioso?), uma maneira de começar é pensar num cavalo.

Especificamente, eu gostaria que você imaginasse um grande cavalo e cavaleiro na sua frente na extremidade oposta de uma pequena ponte de madeira. Esta é uma situação que eu me deparei recentemente na floresta perto da minha casa, na Filadélfia. O cavalo era enorme. A ponte era pequena e frágil. A ponte poderia cair com o peso de um cavalo e cavaleiro e uma andarilha? Eu não sabia. Esperei educadamente enquanto o cavalo e o cavaleiro atravessaram a ponte para o meu lado.

Deixando meu medo de lado, as pontes caem por causa da gravidade. Uma parte de uma reportagem sobre o colapso da ponte é humano: quem se machucou, quem eram eles e assim por diante. O outro lado da notícia é informado por dados. Pontes são parte da infraestrutura e infraestruturas são inspecionadas. Há dados de inspeção sobre todas as pontes --ou deveria haver (em parte, para evitar o colapso da ponte).

Tudo o que é inspecionado é uma fonte potencial para uma matéria rica em dados. Encontrar oportunidades para contar histórias orientadas por dados é o primeiro passo em direção a numeracia.

Os dados podem responder algumas perguntas, mas nem todas 

Digamos que você quer fazer uma história movida por seus pensamentos sobre cavalos e pontes, e você (felizmente) não está reagindo sobre um colapso local. 

Seu primeiro passo é obter os dados. Nos Estados Unidos, dados sobre pontes e inspeção (incluindo avaliações estruturais) podem ser encontradas no Departamento Nacional de Transportes dos EUA. Você pode fazer um pedido usando a lei de acesso à informação, mas a maneira mais fácil para os dados chegarem em suas mãos é encomendá-los da biblioteca de dados do IRE/NICAR

O próximo passo é fazer as perguntas de dados. As pessoas chamam isso de interrogar os dados, ou utilizar dados como uma fonte. Você deve ter em mente que os dados são burros; você só pode fazer certos tipos de perguntas.

Na minha aula de jornalismo de dados, os alunos muitas vezes começam fazendo perguntas como "as pessoas que andam de cavalos têm mais probabilidade de morrer no colapso de uma ponte?" Responder a esta pergunta nos obrigaria a calcular uma correlação, uma expressão matemática que tenta quantificar a relação entre duas coisas. Não tente fazer isso! As pessoas especialistas em números são as primeiras a dizer que correlação não implica causalidade. O mundo está cheio de correlações artificiais, que são contadas divertidamente neste blog.

Além disso, correlações são complicadas e demoradas para calcular. Para uma notícia, você quer algo rápido e fácil de calcular. Concentre-se no cálculo de diferença.

Diferença tem duas dimensões: matemática e conceitual. Uma maneira fácil de pensar sobre a dimensão conceitual é calcular a diferença entre o que é e o que deveria ser.

Por exemplo, poderíamos perguntar aos dados: "Que pontes na minha região estão atrasadas para inspeção?" Em outras palavras, qual é a diferença entre quando as pontes devem ser inspecionadas e quando são inspecionadas? Qualquer ponte com o tráfego de veículos devem ser inspecionados a cada X meses. X varia de estado para estado, mas em geral, é entre 0 e 48 meses no EUA. Os dados contêm a resposta para a pergunta "qual é o tempo real que decorreu entre as datas de inspeção para cada ponte?" Aí é que entra a matemática. Em geral, a fórmula que você quer é:

Novo - Velho = Mudança

Vamos dizer que em seu estado, as pontes devem ser inspecionados a cada quatro anos. Quatro anos, ou 48 meses, é 1460 dias. Se mais de 1460 dias decorreram entre o "velho" (o dia depois do último dia em que ponte foi inspecionada) e o "novo" (a última data em que a ponte foi inspecionada), você provavelmente tem uma história. A equação pode ser:

Velho = Última data de inspeção
Novo = Data mais recente de inspeção
Novo - Velho = Mudança
Se a mudança > 1460, então você pode  escrever uma notícia como "a ponte local passou muito tempo sem inspeção."

Claro, você vai querer validar a sua descoberta em potencial com algumas reportagens de rua. Os dados são uma fonte e requerem confirmação como qualquer informação controversa de outra fonte. Você deve falar com as autoridades de controle da ponte para dar-lhes uma chance de responder ou esclarecer. Verifique se a ponte não foi inspecionada mais recentemente do que os dados sugerem. Fale com um especialista em ponte para descobrir por que a ponte não foi inspecionada, ou quais podem ser as consequências se uma ponte está em condições precárias. Você também pode conversar com outros jornalistas de dados, que podem ser encontrados em uma lista de e-mail como do NICAR ou ddj.

Numeracia requer confiança

Outra coisa a lembrar na sua busca de numeracia é que você deve ler. Não apenas artigos e tutoriais na internet; você também deve ler livros. É assim que os profissionais fazem. Alguns livros fabulosos (em inglês) que são escritos para pessoas comuns e jornalistas incluem: Numbers in the Newsroom de Sarah Cohen; How Not to be Wrong de Jordan EllenbergInnumeracy or A Mathematician Reads the Newspaper de John Allen PaulosDamned Lies and Statistics de Joel Best.

Enquanto você lê, livre-se da ansiedade matemática. Sua educação matemática provavelmente preparou você melhor do que pensa. Matemática (especialmente matemática de jornalismo) não é uma disciplina inacessível apenas para elites, como o matemático John Allen Paulos nos lembra em seu livro Innumeracy. Ele escreve: "Quase todo mundo pode desenvolver uma compreensão viável de números e probabilidades, de relacionamentos e argumentos, de gráficos e taxas de mudança e do papel onipresente que essas noções cumprem na vida cotidiana". A maior parte da batalha para se tornar bom em números é a confiança. Você vai cometer erros, com certeza. Mas você está escrevendo jornalismo, que é uma aventura coletiva em vez de individual. Estenda a mão para as pessoas que podem ajudá-lo a validar suas descobertas. De preferência, antes da publicação.

Comece pequeno

Sua primeira matéria de dados não deve ser muito ampla em escopo. Você quer uma matéria rápida de sucesso, depois uma grande reportagem. A grande coisa sobre a escrita de uma notícia sobre uma ponte é que você não é a primeira pessoa a fazer isso. Escrever uma notícia sobre uma ponte como um jornalista de dados é semelhante a escrever um programa "Olá, mundo" quando você aprende computação. É uma boa maneira de começar na técnica básica. Olhe para uma matéria sobre ponte de outro jornalista e adapte para a sua, e você estará indo bem em seu caminho para numeracia.

Uma matéria sobre uma ponte pode ser simples e elegante, com fotos ou um mapa que mostre a extensão de um problema, como neste artigo do The State Journal-Register em Illinois: “Area bridges show age”.

Pode ser uma matéria de reação depois da queda de uma ponte, como nesta reportagem do Seattle Times depois do colapso da ponte sobre o rio Skagit em 2013: “Span wasn’t built to take critical hit”.

Pode ser uma reportagem investigativa que cobre o país inteiro, como neste artigo de 2008: “Bridge collapse revealed holes in fed data”.

Existem pontes com problemas de estruturais entre a sua casa e seu trabalho? Existe uma ponte em seu bairro que você hesitaria em atravessar se houvesse um grande cavalo sobre ela? Estes são os tipos de perguntas que você pode responder usando dados. Você pode ou não descobrir um problema. Em qualquer caso, vai encontrar com certeza algo intrigante o suficiente para acompanhar. Quando descobrir um só dado intrigante, você vai encontrar-se em terreno muito familiar. Vai ter encontrado uma ideia de pauta. E terá usado dados para encontrá-la.


Meredith Broussard ensina jornalismo de dados na Universidade Temple. Siga-a no Twitter @merbroussard ou visite site.

Este post foi publicado originalmente no PBS MediaShift e é traduzido e resumido na IJNet com permissão.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via davebloggs007 - imagem secundária do site de Jordan Ellenberg