Explorando as fronteiras entre ética jornalística, caridade e ativismo

porSherry Ricchiardi
Jun 30, 2020 em Jornalismo básico
Duas mãos compartilham um coração de papel

A repórter veterana Adie Vanessa Offiong estava trabalhando em uma história sobre os desafios à saúde materna que as mulheres nigerianas enfrentam durante a pandemia de COVID-19. Uma de suas fontes era uma mãe, grávida de gêmeos, à beira da ruína financeira.

Ela e o marido recentemente perderam o emprego. Eles tinham um filho de três anos e estavam sendo ameaçados de despejo. Após a entrevista, Offiong pensou em enviar dinheiro para ajudar a família, mas estava bem ciente dos problemas éticos.

Os jornalistas devem fornecer assistência financeira — ou qualquer outra ajuda — para as pessoas sobre as quais estão reportando? Poderia parecer que ela estava pagando a mulher pela cooperação? Poderia estabelecer um mau precedente?

[Leia mais: Quando jornalismo e ativismo caminham juntos]

 

Dar testemunho e dizer a verdade exige os mais altos padrões éticos, mas há áreas cinzentas.

Offiong, uma jornalista freelance premiada, organizou um webinar para explorar as perguntas que ela enfrentou, transmitido no dia 9 de junho da capital nigeriana de Abuja.

Os participantes do painel incluíram a mim mesma, instrutora de mídia global; o bispo Matthew Hassan Kukah, chefe da diocese católica de Sokoto; Motunrayo Alaka, diretor executivo do Centro de Jornalismo Investigativo Wole Soyinka, e Jeff Lowenstein, fundador e diretor executivo do Centro de Jornalismo Investigativo Colaborativo (CCIJ, em inglês).

Offiong atuou como moderadora do programa, patrocinado pela Black Banana Media and Development Initiative, que ela fundou e dirige.

“Este é um desafio que muitos jornalistas que cobrem questões humanitárias enfrentam: devemos oferecer assistência monetária ou outras formas de ajuda às pessoas que entrevistamos quando precisam de ajuda? Alguns de nós já fizeram isso e outros não”, disse Offiong. "Muitas das decisões que tomamos a esse respeito estão no limite entre respeito à ética da profissão e a nossa compaixão e humanidade."

[Leia mais: Jornalista ou ativista: é importante traçar a linha na era digital?]

 

Reportar sobre o sofrimento causado pela COVID-19 tornou isso mais difícil, disse Offiong, cujas matérias altamente humanizadas costumam destacar populações vulneráveis.

Historicamente, os jornalistas têm desaprovado dar dinheiro ou presentes a suas fontes. O princípio sustenta que qualquer pagamento ou favor pode ser visto como um conflito de interesses e uma ameaça à credibilidade das informações e à confiança do público.

“Os jornalistas têm mais chances de obter resultados se vierem com as mãos limpas, daí a ética da veracidade, precisão, justiça, responsabilidade pública e humanidade. Tudo isso é crítico para o jornalista e a mídia, se quisermos desempenhar nosso papel na sociedade de maneira eficaz”, afirmou Alaka.

Por outro lado, os jornalistas ativistas argumentam que fazer um esforço para ajudar a melhorar ou até salvar vidas também é importante, especialmente em países onde a pobreza e as comunidades marginalizadas são comuns. Na Nigéria, por exemplo, as crianças de rua estavam no centro do surto de COVID-19.

“Uma boa qualidade de vida é o que todos aspiramos, e o governo deve fazer isso acontecer. Quando os encarregados desse dever fracassam, os jornalistas preenchem o vazio dando voz às condições inaceitáveis ​​dos sem voz”, disse o bispo Kukah. “O jornalista, quando a oportunidade se apresenta, deveria fazer mais do que reportar a história. Deveria aproveitar sua voz e o acesso aos que estão no poder para pressionar pelas mudanças que suas reportagens destacam.”

Durante o webinar, os painelistas disseram repetidamente que nossas responsabilidades como profissionais da mídia e como seres humanos podem estar em conflito. As reportagens humanitárias, por sua própria natureza, podem resultar em um conflito de deveres morais e éticos.

Não é fácil encontrar um equilíbrio, mas os jornalistas precisam estar dispostos a viver sob essa tensão, respeitando seus deveres e humanidade -- e a humanidade de suas fontes.

"No trabalho, o jornalista deve agir primeiro como profissional", disse Alaka. "Mas o compromisso e a conexão da pessoa com questões humanitárias e patriotismo são forças que não podem ser ignoradas."

"Siga sua consciência, siga seu coração e siga sua humanidade", acrescentei. Mas sempre respeite as linhas éticas rígidas. "Se uma fonte pedir para ser paga por uma entrevista, vá embora."

Isso não entra em conflito com nossos padrões profissionais. Isso nos torna melhores jornalistas.

E quando surgirem questões éticas como essa, siga os passos de Offiong: convoque um grupo de aliados confiáveis.

"Você precisa se sentir confortável consigo mesmo", disse Lowenstein. "Ajuda a ter um número de pessoas confiáveis ​​com quem você pode conversar sobre as decisões [éticas] difíceis e obscuras que quase inevitavelmente surgem."

Para ajudar a resolver seu dilema sobre o envio de dinheiro para a família carente, Offiong discutiu em profundidade com Lowenstein, que ela conhecia através do CCIJ. Ela conversou com seus colegas também.

Todos eles afirmaram sua decisão: não havia problema em oferecer uma ajuda amiga para um ser humano necessitado.


Imagem sob licença CC no Unsplash via Kelly Sikkema