Entrevista com Margaret Sullivan: Jornalistas locais têm que defender seu trabalho

porElizabeth Lepro
May 13, 2019 em Notícias locais
Washington Post Live

No final de março, o Pew Research Center divulgou um estudo que foi igualmente enfurecedor e alucinante para os repórteres locais. Entre as descobertas mais notáveis, o relatório revela que a maioria dos americanos acha que as notícias locais estão "bem" financeiramente --mas apenas 14% pagam por elas.

“Essas descobertas irritaram aqueles que acreditam que as notícias locais são extremamente importantes em nossa cultura e que precisam de apoio público para sobreviver”, escreveu a colunista de mídia do Washington Post, Margaret Sullivan, em uma coluna sobre os resultados da pesquisa.

Em vez de afirmar que o público precisa se familiarizar com isso, no entanto, Sullivan sugere que são os jornalistas que têm um trabalho a fazer.

Como ex-editora pública do New York Times --cuja função era agir como defensora pública para os leitores do Times-- e editora anterior do jornal de sua cidade natal, o Buffalo News, Sullivan sabe do que está falando. Os jornalistas, escreveu ela, precisam fazer um trabalho melhor para explicar seu ofício.

Depois de escrever a coluna, Sullivan moderou um painel do Washington Post elaborando sobre esse ponto, onde ela e três repórteres locais discutiram formas inovadoras de financiar reportagens locais importantes.

Em uma entrevista à IJNet, Sullivan discutiu como ela acha que podemos nos envolver melhor com os leitores e o que ela espera para o futuro do jornalismo local.

IJNet: Sua coluna sobre jornalismo local argumenta que precisamos explicar melhor nosso ofício. Qual é o seu conselho para repórteres e editores: como podemos defender melhor a importância do que fazemos?

Sullivan: Em parte, falando com as pessoas: amigos, família, pessoas com quem entramos em contato através do nosso trabalho, desafiando as pessoas que afirmam que estamos produzindo notícias falsas ou algo parecido. E escreva sobre isso, ofereça-se para conversar com grupos sobre isso. Basicamente, comunique e explique implacavelmente.

Jornais locais têm a vantagem de ter acesso mais fácil aos nossos leitores. Como podemos nos envolver melhor com eles? Você recomenda publicar mais artigos ou seções contando o trabalho dos jornalistas e o por quê de nossas escolhas de reportagem?

Sim, acho que todas essas ferramentas são ótimas. Eu fazia um chat ao vivo com os leitores em Buffalo, e uma coluna do editor. Todas essas técnicas são úteis, assim como responder a comentários nas redes sociais, quando apropriado.

Como editora pública do Times, você foi, essencialmente, uma crítica do jornal. Qual seria a sua crítica agora da maneira como vê os jornais locais reagindo e tentando se adaptar às mudanças da mídia?

Jornais locais estão em uma situação difícil. Eles precisam solidificar e expandir os laços com suas comunidades para sobreviverem a longo prazo. E eles precisam continuar construindo a ponte entre o presente e o futuro digital, sem abandonar os valores --e, em alguns casos, a receita-- do passado.

Muitos leitores de notícias locais estão entre os mais velhos e ainda preferem os jornais impressos pela mídia digital. Como podemos usar o impresso e o digital de maneiras diferentes para atingir o mesmo objetivo: defender a importância de nosso ofício?

Como uma jornalista veterana do impresso, eu não quero ver os jornais abandonando o papel. Na verdade, acho que a experiência da leitura do impresso é muitas vezes superior e acredito que a leitura de um papel impresso de capa a capa é uma das melhores maneiras de se manter informado. Quando as pessoas desistem do hábito diário de ler o artigo, é mais provável que as percamos. Ainda assim, temos que reconhecer plenamente que a maioria das pessoas recorre ao digital agora. Então, temos que fazer as duas coisas, pelo menos por enquanto.

Existem alguns tipos de conteúdo que funcionam melhor no formato digital --os gráficos informativos são um exemplo-- e devemos tentar usar a melhor vantagem de cada mídia. Esse é um equilíbrio difícil, é claro, e não acho que muitas organizações de notícias tenham percebido isso.

No painel que você moderou recentemente para o Washington Post, você perguntou aos painelistas se eles achavam que haveria jornalismo sem fins lucrativos suficiente para complementar o que está sendo perdido no nível local. Acha que as organizações sem fins lucrativos são o futuro do jornalismo local?

Eu acho que em grandes áreas urbanas, organizações sem fins lucrativos podem ser parte da resposta. É difícil imaginá-las preenchendo o vazio por completo. Acho que teremos que ter uma combinação de coisas e, mesmo com isso, lamento dizer que não sou tremendamente otimista sobre o futuro a longo prazo do jornalismo nas cidades pequenas dos Estados Unidos.

Você começou como estagiária no jornal de sua cidade natal. Faria o mesmo agora? Recomendaria que recém-formados ou jovens jornalistas começassem assim?

Se você pode conseguir um estágio em um jornal, é um ótimo treinamento, e eu o recomendaria sinceramente. Há menos oportunidades agora. E esse é um dos grandes problemas porque os estágios em jornais pequenos têm sido um ótimo campo de treinamento: bom para os jornais e bom para jovens jornalistas.

Já que estou sendo negativa aqui, acrescentarei que o jornalismo é mais importante do que nunca, e espero que  jovens talentosos encontrem maneiras de fazer um bom trabalho. Eu acredito que isso é possível, e sei que é absolutamente necessário para que nossa democracia funcione.


Margaret Sullivan é a colunista de mídia do Washington Post. Foi membro do conselho do Prêmio Pulitzer de 2011 a 2012 e foi eleita duas vezes como diretora da Sociedade Americana de Editores de Jornais, onde liderou o comitê da Primeira Emenda. Leia o trabalho dela para o Post aqui.

Imagem principal da esquerda para a direita: Margaret Sullivan, Sacha Pfeiffer, Julie K. Brown e Andrew Chavez.