Dicas para repórteres que cobrem protestos

porDena Levitz
May 6, 2015 em Segurança do jornalista

Em alguns aspectos, reportagem é reportagem não importa a história. Mas também há considerações especiais que devemos ter em mente quando cobrimos um evento de notícias volátil e perigoso como um protesto. Eu conversei com dois jornalistas com diferentes pontos de vista sobre a questão para obter seus conselhos sobre o que fazer e o que não fazer em coberturas de protestos.

Paul Lewis, um correspondente do jornal The Guardian, foi despachado para Baltimore para cobrir os protestos contra a morte de Freddie Gray enquanto estava em custódia policial. Lewis não só escreveu uma variedade de artigos da rua, mas também transmitiu ao vivo com o app Periscope para documentar os eventos antes do toque de recolher da cidade. Lewis também cobriu protestos no Reino Unido em 2011 e em Ferguson, Missouri.

David Francis é um repórter que escreve para publicações impressas e digitais como Foreign Policy, The Christian Science Monitor e o Financial Times.  Ele não cobriu Baltimore na semana passada, mas tem reportado de zonas de conflito e cobriu eventos tensos de notícias de última hora na Nigéria, Quênia e outros países no exterior.

Aqui estão as suas dicas combinadas para jornalistas que trabalham em situações de conflito pesado:

Possua uma rota de fuga

Tenha sempre uma saída. Ficar preso no meio de uma multidão é potencialmente muito perigoso, Francis aconselha, por isso "sempre saber como escapar de uma situação e saber antes de ir".

Lewis sugere ficar relativamente perto do centro da ação para poder fugir com pressa, mas não tão perto que você possa se enrolar em altercações físicas.

Seja o mais discreto possível na cena

Tente não fazer sua presença óbvia, de acordo com Francis. "Para alguém que trabalha principalmente em jornal e revista, isso é mais fácil. Quanto menos você fizer para provocar uma situação já volátil, melhor ", acrescenta.

Leve o mínimo possível, mas o suficiente para mantê-lo seguro

Francis diz que ele tende a levar pouco mais que um notebook e gravador, o que torna mais fácil fazer entrevistas. "Uma câmera torna a sua presença óbvia e pode irritar as pessoas que não querem ser fotografadas", diz ele.

Lewis diz que ele mantém um capacete de moto ou outra cobertura para a cabeça em mão para proteger-se fisicamente. Certamente não ter que carregar uma grande câmara ou ser parte de uma equipe enorme - como alguns repórteres de notícias a cabo e âncoras devem fazer - ajuda. As baterias também são uma obrigação para manter gravadores e telefones carregados. E ele mantém o seu cartão de imprensa no bolso de trás. Às vezes, isso vem a calhar, às vezes não.

Conecte-se com uma pessoa local e seja delicado com a comunidade local em geral

Quando Francis está trabalhando no exterior, em particular, ele sempre contrata um colaborador local que conhece seus entrevistados bem e "pode ​​acalmar as coisas se situações ficam tensas". Ganhar a confiança local ou aproveitar o conhecimento dos cidadãos é uma tática que é muito útil no mercado interno. Lewis diz que tenta ser o compreensivo, acima de tudo.

Confie na sua intuição

Se algo parece errado, Francis diz, vá embora. "Há uma razão de o seu corpo lhe diz que algo está estranho". E quando se trata de decidir quem entrevistar no local para obter comentários ou informações, Lewis diz que conta com sua intuição básica.

Não fique passivo muito tempo

Mesmo ao avaliar a situação, Lewis salienta que há um trabalho a ser feito. "Você nunca vai conseguir qualquer bom material parado". Em sua experiência as pessoas geralmente são receptivas a cooperar, oferecer observações e contexto e responder sobre o que passaram e viram. Isso as ajuda a dar sentido do que está acontecendo.

Seja sempre cauteloso

A situação podem ir de calma para perigosa num piscar de olhos, Francis avisa, portanto, fique atento e não corra riscos desnecessários. Lewis concorda que o clima pode mudar rapidamente. Tudo é volátil, incluindo a forma como o público se sente sobre jornalistas estarem lá. Ele diz que às vezes isso é porque eles acham que sua cidade será deturpada ou estão com medo e tensos e acaba sobrando para alguém.

Entre outros recursos para cobrir tumultos e protestos se incluem dicas de cobertura de desastres do NewsLab, o guia do MinnPost sobre a cobertura de protestos e o guia de segurança do National Security Zone para ambientes hostis.

Imagem sob licença CC no Flickr via Arash Azizzada