Dicas para aumentar a reportagem de cidadãos

por Jessica Weiss
Jul 15, 2013 em Diversos

As reportagens de cidadãos podem trazer contexto, nuance e uma ampla gama de vozes para o jornalismo. Mas, fora das grandes emergências, muitas agências de notícias ainda não criaram um ambiente que promova um alto nível de interação entre suas redações e o público.

Trevor Knoblich, gerente de projetos do FrontlineSMS, ajuda a jornalistas e meios de comunicação de todo o mundo a melhorar sua capacidade de reunir, acompanhar e compartilhar notícias. Recentemente, ele escreveu para o Idea Lab do PBS Media Shift sobre como as redações podem cultivar uma interação mais frequente com os cidadãos.

Aqui está o resumo da IJNet das dicas de Knoblich:

1. A crise impulsiona a narrativa

"Indiscutivelmente, todo jornalismo lida com crise", diz Knoblich, "seja individual ou coletiva, pessoal ou uma situação de emergência em larga escala."

Um veículo de notícias informando sobre uma questão preocupante pode pedir às pessoas para relatarem suas experiências pessoais, ou "crises". Relatos individuais tomados em conjunto ilustram uma tendência mais ampla.

Por exemplo, quando o site Huffington Post reportou sobre como as empresas de seguro decidem quem pretendem aprovar ou negar, pediu aos internautas para que escrevessem contando suas experiências. Jornalistas, em seguida, escolheram e compartilharam no site as histórias mais interessantes. Por exemplo, incluíram histórias sobre pessoas que foram negadas cobertura por causa de doença mental e outros que enfrentaram atrasos na aprovação de testes e tratamentos de câncer.

2 . Quais são canais onde as pessoas são suscetíveis de contribuir?

As redações devem reconhecer que pedir ao público para aprender uma nova plataforma é um grande obstáculo. O público vai utilizar o que lhe é familiar.

Em vez de usar uma plataforma de comentários intenra, um site de notícia pode pedir às pessoas para relatarem via SMS, Twitter, Facebook ou outras plataformas comuns. Jornalistas e editores devem se envolver nos sites que leitores já estão usando.

3. Ofereça múltiplos canais de participação

Algumas pessoas gostam de deixar comentários numa matéria online, enquanto outros preferem a privacidade do SMS ou e-mail. As redações devem pensar bem sobre que informação é mais útil, e, em seguida, que plataformas podem ser mais propícias para incentivar o público a compartilhar essa informação.

Se você só precisa de fotos, encontre vários sites de compartilhamento de fotos e permita que as pessoas façam upload ou enviar fotos. Se você precisa itens curtos de informações ou dados, o Twitter e SMS são ótimos. Se você está numa área onde o acesso à banda larga é um desafio, aceite telefonemas e SMS.

4. As pessoas querem ser ouvidas

Existe um tema sobre o qual as pessoas não têm muitas maneiras de se envolver? Se isso acontece, pense em abrir um canal na sua redação. O público pode surpreendê-lo com ânimo, interesse e vontade de participar.

Knoblich observa que a ONG de direitos humanos Kubatana Trust no Zimbábue usou FrontlineSMS para conversar com a comunidade sobre temas de direitos humanos e educação cívica. A organização usou isso para mobilizar e informar os cidadãos durante e após a 2008 as eleições no Zimbábue.

5. Considere 'redes limitadas'

Com uma rede limitada, você alcança uma rede específica de pessoas e pode pedir por suas opiniões sobre um tema específico. Isso requer um compromisso a longo prazo de um grupo específico de pessoas, bem como um relacionamento com a redação.

Por exemplo, a reportagem Ice Stories: Dispatches from Polar Scientists (Histórias do Gelo: Expedições de Cientistas Polares) pediu a um conjunto específico de cientistas para informar sobre seu trabalho no Ártico e na Antártida. Os cientistas receberam treinamento multimídia da PBS, NPR e do San Francisco Chronicle.

6. Faça pedidos específicos

Dar aos leitores tarefas ajuda a estruturar a discussão e geralmente dá para as redações mais histórias que precisam para completar sua cobertura. O pedido deve ser o mais específico possível. "Conte-nos sua história sobre o serviço ruim de saúde" é mais vago do que "Você ou um parente foi negado benefícios por um seguro de saúde nacional? Conte-nos a sua história!" Não tenha medo de ser específico.

7. Gaste o tempo necessário para tirar conclusões

Obviamente, é importante dar sentido à informação que você recebe - sejam os dados semi-estruturados ou múltiplas narrativas-- para o benefício da história. Mas destacar o bom conteúdo também vai incentivar os colaboradores que criaram esse conteúdo e mostrar o tipo de informação que é mais útil para futuras colaborações.

Via PBS Media Shift Idea Lab.

Jessica Weiss, ex-editora-chefe da IJNet, é uma jornalsta com base em Buenos Aires.

Parceiro da IJNet, o Idea Lab do PBS MediaShift é o blog escrito por um grupo de inovadores que estão reinventando notícias da comunidade para a Era Digital. Cada autor ganhou uma bolsa do Knight News Challenge para ajudar a financiar uma ideia de startup ou blogar sobre um tema relacionado à reformulação do jornalismo comunitário.

Imagem sob licena CC no Flickr via ausnahmezustand