Dicas da conferência internacional de mulheres empreendedoras

porMargaret Looney
Feb 3, 2015 em Empreendedorismo de mídia

Mulheres que tentam iniciar seus próprios projetos na área de mídia digital têm sua parcela de questões a abordar  --combater os estereótipos de gênero, as ideias boas que são ignoradas e muito mais-- mas achar dinheiro é fundamental.

"As pessoas vão pagar por conteúdo", disse Jessica Lessin, fundadora e editora-chefe do The Information, durante "Cracking the Code" da Women Digital News Entrepreneurs Summit, organizado pela Fundação Internacional de Mulheres de mídia na Fundação Ford, em Nova York.

Lessin se juntou a um grupo de mulheres internacionais que fazem grandes progressos em suas próprias startups, incluindo Maria Ressa do Rappler nas Filipinas, Nataliya Gumenyuk of Hromadske.TV na Ucrânia e Natalia Viana da Agência Pública no Brasil.

O Information um site de notícias fundado em 2013, que cobre a indústria de tecnologia para profissionais, é baseado em um modelo de assinatura de US$400 por ano, o que inclui notícias, análises e eventos gratuitos para os assinantes.

"Um modelo de negócio que puxa para cima a qualidade do jornalismo, que nos inspira a escrever um melhor material, é um modelo de assinatura", Lessin disse, acrescentando que não importa onde você define o seu preço-ponto, mas vai indicar que tipo de público você vai se envolver. "Como jornalistas, estamos tentando escrever para agregar valor e dizer algo novo." Esse modelo estimula esse incentivo", disse ela.

"Nós não estamos prontos para todos, particularmente como uma startup nestes primeiros dias", ela acrescentou. "Se não conhecemos o nosso público, [o site] não será relevante. Para nós, concentrando-se em uma pessoa para quem a nossa proposta vale a pena [a assinatura], isso é o que vai nos fazer relevante e vamos fazer esse tipo de jornalismo que os mantém voltando [ao site]."

Maria, uma "rede social de notícias" com um forte foco no engajamento da comunidade e ação social, segue um tipo diferente de modelo. Fundada por Maria, nas Filipinas, há três anos, o site é construído em torno de um modelo de quatro fases de negócios: publicidade nativa (claramente identificada), engajamento de mídia social (também claramente identificado), venda de métricas e venda de dados grandes. "Está pegando as ferramentas existentes e monetizando cada passo", disse Ressa.

Maria usa um "modelo de engajamento do usuário patenteado" para capturar como as pessoas estão se sentindo em torno de cada artigo e vende essa informação. Também rentabiliza plataformas que capturam grandes dados como reach-social.com, que mostra como o conteúdo social navega e os maiores influenciadores sociais em torno de um determinado tema.

"Nós os jornalistas temos de se mover para o mundo da tecnologia", disse Maria. "Os caras de tecnologia estão fazendo dinheiro com o nosso trabalho e deixamos. Esta tecnologia permite que você use a ciência comportamental de uma maneira que nunca antes poderíamos e que deveríamos. "

Fundada por Natália, a Agência Pública é uma organização sem fins lucrativos que se concentra em jornalismo investigativo no Brasil, tanto como uma organização de produção e uma incubadora. A Agência Pública produz duas matérias de formato longo por semana, e a equipe trabalha constantemente para promover histórias --disponíveis gratuitamente-- nos meios de comunicação e organizações de notícias de maior dimensão. A organização segue um modelo crowdfunding de negócio inclusivo, pedindo às pessoas para pagar por conteúdo de qualidade e envolvendo-os no processo editorial.

Os doadores que ajudam a financiar as matérias obtém acesso exclusivo para votar nas histórias que eles vão investigar. Os doadores também são convidados para uma página no Facebook, onde podem seguir o processo do repórter enquanto ele ou ela investiga a história, e, depois, vão ajudar a distribuir o conteúdo também. A Agência Pública já angariou US$25.000 em seu primeiro esforço de crowdfunding.

"Faça o que sabe, faça o seu jornalismo e o dinheiro virá", disse Viana. "Você tem que mostrar ao mundo que pode fazer isso um jornalismo muito om que outras pessoas não estão produzindo e o público vai prestar atenção."

Fundada por Nataliya, a Hromadske.TV também é uma organização sem fins lucrativos, que preencheu uma grave falta de radiodifusão pública independente para o país, e é apresentada em inglês e russo. A iniciativa cívica começou com um braço de crowdfunding e recebeu até 70 por cento do seu financiamento, apesar de pessimistas apostarem que os ucranianos não estariam dispostos a pagar por este tipo de jornalismo, disse Nataliya.

Agora a filantropia está em um ponto mais alto na Ucrânia, Nataliya disse, e o site ainda está recebendo fundos através de doações, o que sustentam o site, considerando que tem um custo baixo de produção.

Qual modelo de negócio que você está usando para tirar sua startup do papel? Compartilhe com a gente na seção de comentários.

Imagem de doug88888 no Flickr sob licença CC