Desenvolvendo aplicativos sobre qualidade da água na Costa Rica

por Mariana Santos
Jan 15, 2014 em Jornalismo digital

Não há nada mais essencial para a vida do que a água. No entanto, na Costa Rica, falta água potável, mesmo para pessoas que moram perto das praias mundialmente famosas do país.

Eu pensei: Qual melhor maneira de ajudar a mídia a identificar soluções e descobrir por que os sistemas de distribuição de água estão falhando que trazendo jornalistas, especialistas em visualização de dados e desenvolvedores a um lugar que sofre para manter um fornecimento regular de água potável?

Assim, realizamos um encontro da rede Chicas Poderosas na praia, em Nicoya, Costa Rica. A Chicas Poderosas visa capacitar as mulheres na América Latina para se envolverem e liderarem em tecnologia de redação e design interativo. Através da Chicas, montamos equipes de pessoas que têm habilidades complementares para que possam construir conteúdo interativo e adaptável sobre problemas sociais.

Nós nos reunimos em dezembro em Guanacaste, uma província que tem um dos mais fracos sistemas de distribuição de água do mundo. Três equipes, que incluíram jornalistas da Voz de Guanacaste, La Nación da Costa Rica e o Tico Times, trabalharam em aplicativos de notícias para ajudar a analisar dados sobre a potabilidade, consumo, distribuição e tratamento de água na província. Esta iniciativa teve o apoio da organização Hivos, o Harmony Institute e a Universidade Nacional de Nicoya.

Para dar início a este processo, montamos um time dos sonhos com mentores para desenvolver projetos: Brian Boyer da National Public Radio; Chris Cross do time interativo do jornal The Guardian (Londres); Martin Pellecer, ex-diretor do Plaza Publica na Guatemala; Gustavo Faleiros, bolsista do Knight Fellowship do ICFJ e fundador da InfoAmazonia; Giannina Segnini, chefe da equipe investigativa do La Nacion; David Boddinger, editor-chefe do Tico Times, Brian Abelson, ex-bolsista do Open News Fellowship no New York Times; e eu.

Usando dados sobre o abastecimento, a distribuição e o uso da água, e correspondendo os mesmos com bancos de dados do censo, as equipes criaram os seguintes aplicativos:

  • Abastecimento e demanda de água, um aplicativo que mostra a taxa de produção e consumo de água por pessoa por mês, a porcentagem da população que tem serviço de água através de canalização, bem como a porcentagem da população que depende de fossas sépticas.

  • Qualidade da água, um aplicativo que mostra a qualidade da água na província de Guanacaste, dependendo de onde as pessoas moram, quantas pessoas têm abastecimento de água e quanta água usam.

  • Fontes de água, um aplicativo que mostra as fontes que fornecem água para cada casa, por exemplo, o sistema de água e esgoto público, o aqueduto municipal, empresas privadas e outros.

  • Como é boa a minha água?, um aplicativo de geolocalização que mostra o número de pessoas que têm água encanada com base onde moram e a capacidade das linhas de água.

As equipes usaram os protótipos para gerar mapas mostrando pela primeira vez dados de água por província, município e distrito da Costa Rica.

Fazendo a Chicas Poderosas na praia, demonstramos como aumentou nossa energia, criatividade e comprometimento trabalhar em soluções para os problemas que afetam nosso ambiente e as pessoas que conhecemos lá. Aprendemos também que é preciso mais do que uma semana e um encontro para tornar os aplicativos de notícias operacionais. Por isso, vamos nos reunir em São José em março para criar um super mega projeto que junta todas as ideias. Esperamos que os aplicativos resultantes e o projeto vão ajudar a melhorar a qualidade e a disponibilidade da água em Guanacaste -- e além. Fique de olho nas atualizações no www.chicaspoderosas.org.

Veja o vídeo sobre o workshop:

Mariana Santos é jornalista visual e fundadora da Chicas Poderosas, que ela desenvolve como bolsista do Knight International Journalism Fellowship do Centro Internacional para Jornalistas.

Imagens cortersia de ©Fiorella Coto Signini