Como usar TweetDeck para investigações de fontes abertas

porJake Creps
Jun 20, 2019 em Jornalismo investigativo
twitter

Se você é um investigador de OSINT (informações de fontes públicas) ou usa OSINT em qualquer um de seus trabalhos, é impossível ignorar o Twitter como uma fonte de coleta. Com as preocupações com a privacidade de dados sendo um tópico importante, muitas outras redes sociais estão reprimindo suas APIs, tornando mais difícil para as pessoas reunirem OSINT em plataformas sociais. O Twitter continua sendo minha melhor fonte para investigações em mídias sociais.

Eu uso o TweetDeck, um painel que permite que você visualize fluxos de tuites com base nos parâmetros que você seleciona, como nomes de usuário, hashtags, palavras-chave e uma variedade de outros recursos internos. Veja um guia sobre como começar a usar o TweetDeck.

1. Vá para o TweetDeck

Se você está lendo isso, eu suponho que já tenha uma conta no Twitter. Se assim for, há boas notícias: isso é tudo que você precisa! Se você visitar o site do TweetDeck, chegará você diretamente ao painel. Você está pronto para começar.

2. Construa sua homepage

Uma das colunas internas do TweetDeck é sua página inicial. Isso fará essencialmente o que o aplicativo normal do Twitter faz, mostrando o conteúdo publicado pelas pessoas que você segue. Muitas pessoas deletam essa coluna e vão direto para a customização. Eu escolho mantê-la e personalizar as pessoas que eu sigo como um radar de aviso antecipado para as últimas notícias e outros conteúdos úteis. Eu sugiro que você faça o mesmo. Se você estiver seguindo pessoas que não fornecem conteúdo útil, deixe de segui-las. Se você estiver preocupado em deixar de seguir amigos e familiares, crie uma conta separada apenas para sua coleção OSINT.

3. #Breaking

A hashtag #breaking é algo que sempre usei para identificar eventos de última hora. Eventos como atiradores ativos, desastres naturais e outros acontecimentos interessantes geralmente aparecem nas redes sociais antes de serem veiculados em noticiários. Você pode obter 10 a 20 minutos de investigação antes mesmo de vê-los ao vivo! Aviso: a maior parte do conteúdo que chega ao #breaking é lixo, mas é uma ferramenta útil para monitoramento passivo.

4.  Procurando palavras-chave usando operadores booleanos

Ao inserir um novo termo de pesquisa, você descobrirá rapidamente que, se pesquisar por algo com mais de uma palavra, receberá um conteúdo que contenha uma ou a outra. Por exemplo, se você procurar atirador ativo, obterá resultados que listem ativo e/ou atirador. Isso geralmente cria resultados indesejados, forçando você a filtrar manualmente o conteúdo.

Você pode consertar isso usando operadores booleanos. Se você alterar sua consulta para “atirador ativo” (entre aspas) em vez de atirador ativo, o Twitter saberá agrupar essas palavras. Se você quiser pesquisar várias ocorrências da mesma palavra, poderá consultar "atirador ativo" OU "atiradorativo".

Esteja atento ao OU. Isso mostrará os resultados de qualquer uma das ocorrências.

Enquanto estamos no assunto, aqui está uma dica rápida. Muita gente vai escrever mal as coisas no Twitter. Lembre-se de consultar os erros ortográficos de suas palavras-chave alvo para obter a imagem completa.

5. Usando Filtros

Se você clicar no ícone azul à direita da palavra-chave alvo em uma coluna, encontrará uma lista de filtros ajustáveis. Você verá conteúdo, localização, usuários, engajamento e preferências. Isso ajudará você a ajustar seu fluxo.

No entanto, aconselho a não aplicar esses filtros imediatamente. Os motivos que eu recomendo esperar é o risco de filtrar conteúdo acidentalmente, o que pode ser útil devido à falta de experiência no monitoramento dessa palavra-chave. Por exemplo, você pode filtrar conteúdo de qualidade porque ele não tem engajamento, como curtidas ou retuites. Este conteúdo pode ser um relato inicial de um atirador ativo em uma escola. Tenha isso em mente.

Volte ao tópico. Os principais filtros que uso são conteúdo e engajamento. O motivo pelo qual eu não uso local é que especificar um determinado local reduz significativamente a quantidade de conteúdo que você recebe. Se você está alvejando uma área muito específica e só quer encontrar informações dentro dessa área, é muito útil. O mesmo vale para os usuários.

Eu gosto do filtro de conteúdo porque você pode remover palavras ou frases que aparecem com frequência e que não são úteis. Isso remete a conhecer seu fluxo e saber o histórico dessa palavra-chave ou consulta de hashtag.

Você também pode filtrar o conteúdo de um determinado usuário e monitorar apenas o conteúdo que ele publica relacionado à sua investigação. Por exemplo, você pode filtrar todos os tuites sobre Donald Trump que mencionam Hillary. Por fim, uso o filtro de interação ao monitorar uma hashtag de tendência com uma quantidade ridícula de conteúdo. Um bom exemplo seria o furacão Harvey. Eu não queria ver 100 postagens por segundo, apenas as pessoas envolvidas.

6. Outras dicas úteis

Nós cobrimos o básico do uso do TweetDeck para OSINT. Você aprenderá muito mais usando a plataforma e personalizando-a ao seu gosto. Com isso em mente, aqui estão mais algumas dicas.

  • Pode limpar seu stream clicando no ícone azul ao lado do seu termo de pesquisa (o mesmo para os filtros) e clique no botão "limpar" com a gota de água. Isso eliminará a coluna, permitindo que você se concentre apenas em novos conteúdos.
  • Pode compartilhar o fluxo que está analisando clicando no botão "Compartilhar" ao lado do botão "Limpar". Em seguida, você pode incorporar o fluxo em seu site ou compartilhá-lo com amigos. Veja um exemplo: #breaking.
  • Evite termos genéricos como "filmagem" ou "bomba", porque na maior parte você terá conteúdo irrelevante. "Tiro" terá principalmente filmagens de câmeras e "bomba" muitas vezes será algo como "Isso foi uma bomba". Seja específico.
  • Não fique muito preso em uma coluna. Se não estiver funcionando para você, basta excluí-la ou personalizá-la para obter melhores resultados.
  • Não se esqueça de verificar as contas do departamento policial no Twitter. Elas fornecerão informações que você pode confiar em notícias de última hora.
  • Silencie as contas com spam para que você não veja a porcaria delas o tempo todo.
  • Desative as visualizações de mídia se você estiver no trabalho (muita pornografia).

Este artigo apareceu originalmente no blog de Jake Creps e foi publicado no GIJN. Foi republicado na IJNet com permissão.

Jake Creps é um analista de inteligência de fonte aberta (OSINT, em inglês) com experiência no setor público e privado. Ele é o criador e apresentador do OSINT Podcast. Confira @osintpodcast no Twitter ou osintpodcast.com  para mais detalhes.

Imagem principal sob licença CC no Unsplash via Con Karampelas