Como organizações jornalísticas podem oferecer estágios mais imersivos

por Ron Taylor
Jun 21, 2017 em Diversidade

Mais de quatro décadas depois de entrar em uma redação para lançar minha carreira no jornalismo, encontrei-me no brilhante centro de operações do jornal USA Today, esperando que os cabelos grisalhos não chamassem muita atenção.

Por 10 semanas, acompanhei Terrance Smith da Morgan State University, durante o programa Back in the Newsroom Fellowship no jornal americano. Estudante de jornalismo, Terrance estava passando seu último semestre no USA Today, obtendo experiência prática em mídias sociais e outras tecnologias digitais, que são tão essenciais para os jornalistas de hoje.

A bolsa, dirigida pelo Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), é uma incubadora de jovens talentos jornalísticos, dirigida a estudantes de minorias. Através do programa do ICFJ, jovens jornalistas aprimoram suas habilidades e ganham a experiência necessária para eventualmente trabalhar nas principais salas de redação. O objetivo geral: melhorar a diversidade nas redações.

Hoje, sou bolsista da Faculdade de Jornalismo Global e Comunicação da Morgan State University, onde aconselho estudantes em projetos extracurriculares em sala de aula. Então eu estava preparado para orientar Terrance durante o estágio.

O salto físico da sala de redação bagunçada e cheia de tralhas de 1968 em Greensboro, Carolina do Norte, para uma câmara repleta de dispositivos eletrônicos em uma área de 2017 no norte da Virgínia perto de Washington foi tremendo. No entanto, o tom da sala de notícias do USA Today ecoou o que encontrei durante o meu próprio estágio. As atitudes dos apuradores de notícias profissionais não mudaram tanto, sugerindo que um aluno aberto e ansioso para aprender ainda pode prosperar.

Terrance estava perfeitamente adequado a este ambiente. Ele estava lá para aprimorar suas habilidades como jornalista e criar uma reportagem de vídeo para enviar como seu projeto principal de graduação.

Como jornalista veterano, minhas expectativas eram diferentes. Eu esperava obter novas técnicas de jornalismo para compartilhar com meus colegas e alunos da MSU.

A USA Today forneceu um laboratório de aprendizagem ideal. O carro-chefe da Gannett apresentou para Terrance a dura e implacável realidade da publicação diária de notícias. O jornal de cada dia começa com uma página em branco. O que você conseguiu hoje? Ao mesmo tempo, os principais editores e seus funcionários foram além de suas descrições de trabalho para serem úteis e encorajadores para o jornalista novato e seu mentor veterano. Duas vezes por semana, sentamos na conferência de imprensa da manhã com a equipe de vídeo, onde os tópicos são aprimorados em vídeos focados.

A composição da equipe de notícias foi uma inversão surpreendente de um aspecto do negócio de notícias que eu achava problemático em meus primeiros anos no jornalismo. Esta não era as redes de notícias repletas de homens brancos que eu tinha que navegar. Em vez disso, a equipe do USA Today reflete mais precisamente a demografia do país.

A viagem -- Terrance foi de trem de Baltimore para Washington, onde o recebi na Union Station -- nos deu tempo para falarmos sobre as personalidades na rede Gannett e como ele planejava contribuir para o fornecimento de notícias. Como veterano e sobrevivente de inúmeras conferências de jornalismo, minha abordagem inicial foi sugerir tópicos para histórias de video que não seriam ignoradas. Mais tarde, durante sua bolsa, falamos sobre como ele poderia abordar a caça a um emprego após a formatura.

Enquanto isso, aprendi como a arte da narrativa de vídeo está sendo refinada. A equipe de video da redação usa Adobe Premiere Pro e outros softwares de edição de vídeo que levam a arte da edição de linha digital para um nível simples. Isso foi útil para o projeto final de Terrance. Seu plano para comparar como três gerações se preparam e entram na idade adulta ganhou um grande impulso graças à assistência dos editores e videógrafos da equipe de video da Gannett.

Pensando sobre a experiência, aqui estão algumas dicas sobre como melhorar os estágios imersivos, como o "Back in the Newsroom":

  • Fortalecer a conexão entre o campus e a redação. Os estagiários devem ser encorajados a informar sobre suas próprias comunidades, que é uma maneira importante de trazer novas vozes para a notícia, especialmente em uma redação dedicada a notícias nacionais. Além disso, os alunos devem ter permissão para trabalhar remotamente, tanto para poder reportar quanto para acomodar seus horários.
  • Passe mais tempo na redação. Os estagiários devem trabalhar mais de dois dias por semana. Eles também se beneficiarão de trabalhar nos fins de semana, especialmente aos domingos, quando as perspectivas das notícias nacionais e esportivas estão sendo moldadas e provavelmente terão um impacto na próxima semana.
    Coloque o mentor para trabalhar. Pedir ao mentor para entrar em campo ajudaria ele ou ela a dar mais apoio ao estagiário ao atualizar suas próprias habilidades.

Ron Taylor é professor convidado em jornalismo e conselheiro estudantil na Morgan State University. Ele trabalhou como mentor para o Back in the Newsroom Fellowship do ICFJ.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via Ingolf. Segunda imagem de Ron Taylor cortesia de Taylor.