Como o Oriente Médio usa a mídia social: 5 tendências-chave

May 18, 2017 em Redes sociais

Seis anos após a Primavera Árabe ter mexido com muitas partes do Oriente Médio, a região continua a sentir ramificações desse período turbulento.

O trabalho pioneiro conduzido por Andy Carvin durante esse tempo inaugurou uma era nova de reportagem das mídias sociais, com Carvin aproveitando notavelmente o Twitter como uma fonte para identificar, compartilhar e verificar histórias em um ambiente da notícia de última hora.

As mídias sociais, é claro, foram vistas como desempenhando um papel-chave nas ruas e na redação. A extensão disso permanece aberta ao debate. As perspectivas variam de “Small change – why the revolution will not be tweeted” [Mudança pequena –  por que a revolução não vai ser tuitada] de Malcolm Gladwell a “Streetbook – how Egyptian and Tunisian youth hacked the Arab Spring” [Livro de rua  –  como a juventude egípcia e tunisina hackeou a Primavera Árabe] de John Pollock e o ensaio de Clay Shirky, "Technology, the public sphere, and political change” [Tecnologia, a esfera pública e a mudança política]. Mas o que está claro é que, seis anos depois, a importância das redes sociais na mídia e no cenário das comunicações no Oriente Médio é maior do que nunca.

Aqui estão as cinco principais tendências que os jornalistas e organizações jornalísticas que trabalham na região precisam considerar:

1. Facebook é grande demais para ser ignorado

Isso pode parecer bastante óbvio, mas o número de usuários mensais ativos da maior rede social do mundo triplicou no Oriente Médio desde 2012. Na região, o Facebook agora tem 136 milhões de usuários mensais. Em uma região de mais de 300 milhões de pessoas, isso quer dizer que ainda há muito espaço para o crescimento.

Além de seu produto primário, dados da Universidade Northwestern no Qatar descobriram que, entre os cidadãos árabes, o WhatsApp é o serviço de mensagens diretos mais popular na região.

2. O uso de plataformas visuais está crescendo rapidamente 

Além disso, outro serviço do Facebook, o Instagram, agora tem mais usuários do que o Twitter, de acordo com um levantamento de internautas (somente nacionais) no Egito, Líbano, Arábia Saudita, Tunísia e Emirados Árabes Unidos.

O estudo global Connected Life, publicado pela agência de pesquisa Kantar TNS, destacou que tanto o Instagram quanto o Snapchat estão crescendo rapidamente nos principais mercados do Golfo, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

Entre os internautas, o Instagram nos Emirados Árabes Unidos cresceu de 38 por cento em 2014 para 60 por cento em 2016 e de 57 por cento para 82 por cento na Arábia Saudita. O Snapchat, entretanto, cresceu de 24 para 74 por cento na Arábia Saudita durante 2014 e 2016, e de 15 para 53 por cento nos Emirados Árabes Unidos.

O Snapchat aumentou globalmente de 12 para 24 por cento de usuários da internet entre 2014 e 2016, enquanto o Instagram alcançou um aumento de 24 para 42 por cento.

3. O Oriente Médio ama vídeos 

O Oriente Médio e Norte da África é a região consumidora de vídeos no Facebook que mais cresce, alcançando o dobro da média global. A região também tem a segunda maior visualização de vídeos online do mundo, em segundo lugar apenas para os Estados Unidos.

O recurso de vídeo encontrado em redes sociais de crescimento rápido como o Snapchat e Instagram alimenta esta tendência, enquanto o YouTube também está buscando duplicar a fixação no vídeo por parte do Oriente Médio e Norte da África. Seu aplicativo para dispositivos móveis agora permite que usuários no Egito, Jordânia, Líbia, Iêmen e Argélia visualizem o conteúdo off-line, minimizando assim o uso caro de dados.

4. A experiência móvel é primordial

Muitas dessas experiências nas redes sociais focam no mobile. Entre os 136 milhões de usuários do Facebook no Oriente Médio e Norte da África, 93 por cento acessam via celular.

Já em 2013, 50 por cento das visualizações do YouTube na Arábia Saudita e 40 por cento nos Emirados Árabes Unidos vinham de dispositivos móveis. E, para não esquecer, serviços populares como o WhatsApp, o Snapchat e o Instagram já dão prioridade ao mobile ou focam somente no mobile. 

De olho no futuro, a GSMA prevê que o número total de conexões de smartphones na região crescerá de 117 milhões para 327 milhões. Há 15 anos, o Oriente Médio e o Norte da África tinham apenas 19 milhões de conexões móveis totais.

5. Navegando em questões de privacidade e outras restrições

Os governos e reguladores da região continuam a ter um relacionamento difícil com as tecnologias digitais. Em 2016, os serviços eram restritos de forma temporária ou permanente em toda a região. Isso incluiu blocos de vários serviços na Turquia durante março, julho e novembro. A Arábia Saudita acrescentou chamadas do aplicativo Line para sua lista de serviços bloqueados em setembro, enquanto alguns meses antes os Emirados Árabes Unidos emitiram uma nova lei proibindo o uso de redes privadas virtuais.

Com isso, não é de se admirar, como informou a Universidade Northwestern no Catar, que "quase sete de cada 10 usuários da internet dizem que mudaram a maneira como usam as mídias sociais devido a preocupações com a privacidade."

Jornalistas e organizações de notícias precisam reconhecer que isso afetará a reportagem e distribuição de notícias, de modo que poderemos esperar ver o interesse contínuo por serviços criptografados como o Telegram, o WhatsApp e o suposto favorito dos funcionários da Casa Branca, a Confide.

Esse desejo de maior privacidade, aliado à primazia do vídeo móvel e social e à importância do portfólio de serviços de mídia social do Facebook, precisa estar no centro de qualquer estratégia eficaz de rede social no Oriente Médio para o futuro próximo.

Damian Radcliffe é professor de jornalismo na Universidade de Oregon, bolsista do Centro Tow para Jornalismo Digital na Universidade Columbia e pesquisador honorário da Universidade Cardiff. 

Imagem com licença CC no Flickr via mbaudier


Leia mais artigos de

Freelance writer

Damian Radcliffe

Damian Radcliffe is the Carolyn S. Chambers Professor in Journalism at the University of Oregon, a fellow of the Tow Center for Digital Journalism at Columbia University, an honorary research fellow at Cardiff University’s School of Journalism, Media and Culture Studies, and a fellow of the Royal Society for the Encouragement of Arts, Manufactures and Commerce (RSA).