Como a mídia americana contou a insurreição no Capitólio

porDanielle Kilgo
Jan 16, 2021 em Temas especializados
Capitólio dos EUA

O caos no Capitólio dos Estados Unidos na quarta-feira de 6 de janeiro não foi típico, assim como sua cobertura.

As filmagens transmitidas ao vivo por notícias a cabo e clipes e fotos compartilhados nas redes sociais foram surpreendentes. Uma imagem mostrava um homem que invadiu o prédio sentado em uma cadeira, com os pés na mesa, no escritório da presidente da Câmara, Nancy Pelosi. Um video mostrou uma multidão perseguindo um policial enquanto ele recuava escada acima.

Como pesquisadora de mídia e movimentos sociais, fui absorvida pelos acontecimentos violentos que se desenrolaram. Minha pesquisa sobre protestos mostra que a forma como a mídia retrata a agitação – como tumulto ou resistência, por exemplo – ajuda a moldar a visão do público sobre os objetivos do protesto. Normalmente, a cobertura de notícias dá mais atenção às táticas disruptivas do que aos objetivos dos manifestantes, especialmente quando se trata de protestos contra o racismo negro ou ações que desafiam radicalmente o status quo.

Ao focar no tumulto enquanto subnotifica o conteúdo, as agendas e os objetivos do protesto, a cobertura contribui para uma "hierarquia de luta social" na qual as vozes de alguns grupos se elevam sobre outras.

Mas dessa vez foi diferente. O público de notícias não está necessariamente acostumado a ver violência e tumulto em manifestações de cidadãos em apoio a um presidente – e certamente não na escala que testemunhamos nao dia 6 de janeiro no Capitólio. Foi um novo teste de como a mídia noticiosa enquadraria a agitação e os objetivos dos envolvidos.

[Leia mais: Como cobrir extremismo antidemocrático nos EUA]

Tumulto ou resistência?

A mídia tradicional tem sofrido fortes críticas por sua cobertura de protestos pelos direitos civis, mais recentemente após a morte de George Floyd. Um estudo das manifestações entre 1967 e 2007 concluiu que os protestos eram frequentemente enquadrados como tumultos públicos, especialmente quando aqueles que protestavam eram ideologicamente de esquerda. Os protestos conservadores eram menos prováveis ​​de serem vistos como um tumulto. E minha pesquisa destacou a tendência de enquadrar os protestos contra o racismo negro como “motins” mais do que outros protestos.

Mas grande parte da cobertura dos eventos no Capitol tirou rótulos eufemísticos como “protestos”, “comícios” e “manifestações” de sua descrição do que estava acontecendo.

Em vez disso, a mídia rotulou o evento como um "cerco" ou "insurreição" realizado por uma "turba".

Também é notável que pelo menos uma grande rede, a CNN, descreveu os eventos como “terrorismo” – um termo ainda mais comum nas descrições de muçulmanos e pessoas de cor do que de supremacistas brancos.

Sem necessidade de tanques?

Em meu trabalho, peço aos jornalistas que alcancem um equilíbrio entre as ações dos manifestantes e as razões e queixas que os levaram às ruas em primeiro lugar – e reflitam isso em suas reportagens. Esse equilíbrio geralmente se inclina para as ações, especialmente quando essas ações envolvem violência ou danos à propriedade ou quando há confrontos com a polícia.

Apesar da escalada de eventos do protesto à insurreição, a cobertura inicial de 6 de janeiro parecia incluir as queixas dos participantes.

A cobertura também se concentrou no comportamento policial, mas parecia mais preocupada com a falta de policiamento. A polícia não apareceu em trajes de choque ou empunhando cassetetes enquanto os apoiadores de Trump subiam os degraus do Capitólio. Não havia tanques ou rifles de grande calibre em exibição quando os manifestantes chegaram.

Isso também foi diferente de outros protestos. Muitos comentaram nas redes sociais que, se estes fossem os manifestantes Black Lives Matter [Vidas Negras Importam], poderia ter havido um resultado muito diferente – levando à suposição de que as insurreições patrocinadas por Trump são tratadas de forma diferente pelas autoridades.

[Leia mais: Dicas para cobrir os protestos contra a violência policial nos EUA e ao redor do mundo]

 

Alguns meios de comunicação, como o USA Today, deixaram clara essa diferença comparativa em suas reportagens. Esta não é uma narrativa típica na cobertura de notícias de protesto.

Mesmo a cobertura de notícias inicial pela Fox News parecia em grande parte em linha com a de outros canais de notícias, até a noite, quando os comentários do programa "Tucker Carlson Tonight" mudaram a narrativa da rede.

O monólogo de Carlson na noite de quarta-feira abordou parcialmente o cerco, mas pediu ao público que considerasse por que pessoas como Ashli ​​Babbitt, a mulher baleada e morta durante a invasão, compareceram ao comício em primeiro lugar. Detalhando sua morte trágica, Tucker disse: “Ela não tinha nenhuma semelhança com os jovens raivosos que vimos destruindo nossas cidades nos últimos meses”. Carlson usou isso para fazer a transição para sua crítica aos líderes de esquerda e aos resultados eleitorais.

Alguns podem rejeitar os comentários de Carlson como irrelevantes e radicais. No entanto, seu enquadramento fornece uma visão sobre como a mídia de direita tem procurado retratar certos protestos nos últimos anos e as consequências dessa ação.

Minha colega da Michigan State University Rachel Mourão e eu usamos os dados de pesquisas de 2015 e 2016 para explorar as atitudes sobre os protestos em geral e as principais queixas do Black Lives Matter especificamente. Os resultados mostraram que o aumento do consumo de notícias de organizações de direita como Fox e Breitbart não afetou realmente a opinião das pessoas sobre os protestos em geral. Mas se correlacionou fortemente com opiniões mais negativas sobre algumas das principais queixas e demandas relacionadas com o Black Lives Matter.

Um grito de alerta

Mais evidências estão em outras mídias populares de direita. Seu enquadramento não acentua as ações violentas da agitação levadas a cabo por uma multidão enfurecida.

Menos de 24 horas após o cerco, a página inicial do site de direita do canal de notícias One America News Network (OAN) não tinha fotos de protestos. Enquanto isso, o site Breitbart tinha uma imagem de Mark Zuckerberg na frente e no centro. Esse artigo descreveu como o Facebook havia colocado Trump na "lista negra" após os "eventos" no Capitólio.

A mídia de direita não apenas distorce a realidade da insurreição, mas também enfraquece e apaga o impacto de tais ações não democráticas. Fora da vista, longe da mente.

Essas são realidades totalmente diferentes dos sites de veículos de notícias como ABC, NBC, CBS e CNN, bem como das primeiras páginas de jornais – tanto online quanto impressos – de todo o país.

Nos últimos meses, algumas organizações de notícias prometeram abordar as deficiências em sua cobertura, incluindo como os repórteres cobrem os protestos. Se a agitação que se seguiu à morte de George Floyd pela polícia foi o evento que desencadeou um reconhecimento bem-vindo da mídia, então a insurreição no Capitólio pode ser o evento que ajudará os meios de comunicação a entender melhor por que o enquadramento é importante.


Danielle K. Kilgo é professora da Universidade de Minnesota

Este artigo foi republicado do site The Conversation sob licença Creative Commons. Leia o artigo original em inglês.

Imagem sob licença CC no Unsplash via Andy Feliciotti.