Como criar um plano de comunicação para uma reportagem de risco

porAndrew Ford Lyons
Dec 02 em Freelance

Qualquer jornalista que trabalha numa matéria de risco deve colocar em prática um bom plano de comunicação. Mas para o jornalista freelance trabalhando sozinho, o plano pode salvar sua vida

A maioria das organizações de notícias tem um plano de comunicação para o jornalista que vai em missões de alto risco, e por um bom motivo: vai alertá-los rapidamente se algo der errado e fornecer detalhes sobre o que fazer sobre isso. Mas para muitos freelancers isso é o que falta na sua preparação, especialmente para aqueles que trabalham em projetos autofinanciados.

É por isso que inclui um modelo de plano de comunicação detalhado nos recursos de segurança para freelancers do Rory Peck Trust. É uma maneira simples de colocar todas as suas informações de emergência em um só lugar. É um plano que fica em casa com um contato designado e dá tudo o que precisam saber, em caso de uma emergência.

Aqui estão alguns pontos importantes a considerar quando você fizer o seu.

Escolha seu contato chave

"O seu contato precisa ser alguém que entende e leva a sério o que seu papel significa", disse Elisabet Cantenys, diretora de programas de Rory Peck Trust. "Tem que ser alguém que também tem a capacidade de colocar o plano em ação, se necessário."

"Colegas mais próximos podem ser bons nisso porque têm uma compreensão da natureza do trabalho, especialmente se têm experiência e conhecimento do país onde você vai trabalhar. A desvantagem é que você não quer ter um colega que possa estar correndo para cobrir a sua própria matéria quando você está contando que ele ou ela fique à espera". Ela disse que um editor pode ser o candidato ideal se você está trabalhando com ele: É do interesse dele você voltar para casa em segurança.

No entanto, um bom contato de segurança não precisa ser um pessoa de dentro da comunidade do jornalismo, apenas alguém que você possa ter certeza que será confiável, calmo e prático se algo der errado. Cantenys recomenda que "membros da família podem não ser sempre a melhor opção se são suscetíveis a ficarem nervosos ou se sentirem paralisados em uma situação de crise. Se o seu contato de segurança é alguém que não esteve nessa posição antes ou é novo no assunto, você vai precisar prepará-los e fazer com que entendam o que é esperado."

O fotógrafo freelance Daniel van Moll, que usa o modelo de plano de comunicação do Trust, diz que tende a usar um colega jornalista com conhecimento de campo e contatos como seu contato de segurança.

"Enquanto estava em Gaza, eu usei como meu contato de segurança um amigo que trabalhou muito na Palestina e tinha excelentes contatos com a embaixada em Israel e também com a Força de Defesa de Israel. Escolha alguém que você confia e que não tem tendência a entrar em pânico", disse ele.

O que entra no plano?

Ao preencher um plano de comunicação, é importante dar ao seu contato tudo o que ele precisa se você ficar em apuros e não poder se comunicar com ninguém.

"Você precisa de um plano bem pensado", disse Cantenys, "com os dados de contato no lugar certo e informações que respondam às necessidades de sua missão. No final, quanto melhor for sua avaliação de risco e plano de comunicação, mais fácil será para o seu contato de segurança pressionar o botão vermelho e acionar seu plano de emergência."

"Seja extremamente meticuloso", disse van Moll. "Coloque todos os contatos na ordem que você quer que sejam contatados para os vários tipos de níveis - por exemplo, quando você não se comunicou em 24 horas, em 48 horas, etc... Eu sempre incluo também informações como o meu tipo sanguíneo, detalhes de seguros, cópias de passaportes nesse papel, também para que meu contato de segurança lide, por exemplo, com hospitais e evacuação médica."

Como você vai ficar em contato?

Se o seu contato chave de segurança coloca ou não seu plano em ação depende de quando e como você vai ficar em contato. Na parte superior do modelo do plano de comunicação da RPT estão as perguntas "quantas vezes você precisa estar em contato com o seu contato chave?" E "através de que métodos?"

"Quando você concorda em entrar em contato a cada 12 horas, tenha absoluta certeza de que fazê-lo", disse van Moll. Isso é importante em dois níveis: Se você não fizer isso, seu principal contato pode iniciar um plano de segurança que não é necessário. A situação chata é que podem se acostumar com você perdendo os prazos e não começar a entrar em contato com os contatos de segurança quando é realmente necessário.

Adicionar bons protocolos de segurança digital para suas comunicações pode ajudar a mantê-las privadas, bem como ajudar a provar a autenticidade. Usar senhas para mensagens (ou, melhor ainda, criptografia) pode ajudar a alertar o seu contato de que nem tudo está certo se o seu computador for roubado. Se você precisar entrar em contato com eles através de um método diferente do concordado, ter perguntas e respostas curtas no início (com respostas difíceis de adivinhar) pode confirmar que cada um de vocês é a pessoa certa.

Um plano de comunicação reduz a sensação de "trabalhar sozinho." É uma parte da preparação do trabalho de um freelancer. Você pode ver mais no recurso de Health and Safety [Saúde e Segurança] do Rory Peck Trust.

Dicas para um bom plano de comunicação

1. Escolha o contato certo

  • Escolha alguém que vai estar disponível e acessível
  • A pessoa deve ser organizada
  • Deve estar informada sobre o seu trabalho e missão
  • Ser capaz de manter a calma em situações de emergência estressantes

2. Certifique-se de que a pessoa tenha a informação correta

  • Sua lista de contatos de emergência, com detalhes atualizados
  • Quando cada um deve ser contatado (depois de não se comunicar depois de 12 horas, 24 horas, etc.)
  • Seus dados pessoais (biográfico, médico, familiar, profissional, etc.)
  • Informações sobre o trabalho (sujeito, contatos, itinerário de viagem, hotéis, etc.)

3. Decida claramente como e quando você vai se comunicar

  • Quantas vezes e quando você vai estar se comunicando com seu contato chave de segurança?
  • Por que método? Avalie se e-mail, telefone, SMS ou outros métodos vão funcionar. Tenha back-ups.
  • Faça uma avaliação de risco sobre esses métodos: podem ser bloqueados ou indisponíveis, enquanto você está no trabalho?
  • Em que situações podem ser monitorados e por quem?
  • Há métodos que vocês podem adotar para aumentar a segurança (criptografia, serviço de chat com privacidade, etc.)?
  • Certifique-se de testar seus métodos de comunicação antes de iniciar o seu trabalho.

Andrew Ford Lyons é produtor digital do Rory Peck Trust, a única organização dedicada ao apoio, segurança e bem-estar de jornalistas freelance em todo o mundo. Ford Lyons coordena os projetos onlines do Trust e dirige seus programas de segurança digital. Sua chave GPG está aqui.

Este post foi publicado originalmente no PBS MediaShift e é reproduzido na IJNet com permissão.

Imagem principal sob licença CC no Flickr via urbanfeel