Como conectar empreendedores mulheres e de grupos minoritários a financiamentos de projetos

porJessica Weiss
Apr 4, 2014 em Diversidade

De aplicativos móveis a visualizações de dados a áudio digital, ideias ousadas estão impulsionando a inovação na indústria de notícias. Mas as mulheres e as minorias são muitas vezes deixadas de fora do ecossistema de startups de mídia e de muitas outras indústrias.

Nos Estados Unidos, por exemplo, empreendimentos de propriedade de mulheres representaram apenas 16 por cento de todas as empresas que procuraram financiamento no primeiro semestre de 2013. Só 13 por cento das empresas que receberam capital de risco no ano passado nos Estados Unidos tinham mulheres como fundadores.

O programa "Tell Me More" da National Public Radio, a rádio pública americana, examinou o ciclo que leva a essa realidade: Se os tomadores de decisões têm uma certa visão de mundo, experiência ou rede de relacionamento, eles vão ver e valorizar as ideias que apelam ao seu círculo existente.

"Nós não estamos sendo chamadas para as salas", disse Natalia Oberti Noguera, fundadora do Pipeline Fellowship, que trabalha para suprir a falta de diversidade de gênero no mundo do capital de risco e melhorar as opções de financiamento para empresas lideradas por mulheres. Muitas mulheres não percebem que seu negócio é expansível e podem se beneficiar de investimento, disse.

A solução, segundo ela, encontra-se em expansão, no conjunto de ideias e de pessoas que estão ouvindo e aprendendo sobre as ideias de mulheres.

O Pipeline Fellowship busca esses objetivos através de investimento anjo, um tipo de financiamento para pequenas empresas iniciantes ou empresários que ganhou em popularidade nos últimos anos. "Anjos" são muitas vezes empresários ou executivos com dinheiro para investir. Mas além de apenas retorno monetário puro, muitos anjos também têm interesse na ideia do negócio em particular e podem até mesmo fornecer orientação, aconselhamento e contatos. Oberti Noguera descreve investimento anjo como "dinheiro inteligente".

"Não se trata apenas de capital financeiro que alguém pode colocar em uma startup", disse Oberti Noguera no programa, "mas também de capital humano e capital social, ou seja, a especialidade de alguém; os diferentes tipos de conjuntos de habilidades que podem trazer para a mesa e oferecer ao empreendedor."

Desde o lançamento de seu primeiro treinamento sobre investimento anjo em abril de 2011, o Pipeline Fellowship já formou mais de 70 mulheres em como ser anjos eficazes. Essas mulheres se comprometeram em investir mais de US$350.000 e o programa se expandiu de Nova York para Boston, Chicago, Los Angeles, San Francisco e Washington. As investidoras participam de workshops mensais sobre questões como "diligência devida"e fazem parceria com mentores que são investidores experientes, homens e mulheres.

Diversificando a rede de tomadores de decisões e empresários na mídia

Oberti Noguera é também jurada no projeto NewU: News Entrepreneurs Working through UNITY, que oferece boot camps de treinamento e tutoriais estratégicos para desenvolver e consolidar as competências de empreendedorismo de jornalistas de cor nos Estados Unidos.

Dos sete jurados do NewU ,"três são mulheres, mulheres de cor e fundadores/CEO de suas próprias empresas", disse à IJNet o co-diretor do projeto, [Doug Mitchell] http://www.linkedin.com/in/dougmitchelladelante). "E isso agrega valor ao nosso processo de concorrência."   A NewU, financiada pela Fundação Ford, patrocinou 12 empresas com investimentos que variam de US$3.000 a US$20.000 desde 2010. Mulheres lideram 11 das 12 empresas.

Removendo os controladores

No site internacional de crowdfunding Indiegogo, onde as pessoas arrecadam dinheiro para pequenas empresas, filmes, música e muito mais, a função de "gatekeeper" foi removida por completo, deixando as ideias se sobressaírem baseadas exclusivamente no mérito. Isso tem "dado o poder de volta para as pessoas", disse a fundadora da Indiegogo, Danae Ringelmann no "Tell Me More".   "Uma das coisas interessantes é que se você realmente inspirar as pessoas a agir e remover as barreiras e facilitar o acesso ao capital mais eficiente, as pessoas de todos os tipos se dão tão bem", disse ela.

No Indiegogo, quase metade das campanhas dirigidas por mulheres atingem sua meta de financiamento.

Ringelmann disse: "Se você oferecer uma oportunidade igual e condições de concorrência equitativas para todas as pessoas terem sucesso, então todas as pessoas têm sucesso da mesma forma."

Porque a hora para lançar uma ideia é agora

Oberti Noguera disse que muitas mulheres empresárias lutam contra um impulso de perfeição, isso significa que esperam até que uma ideia esteja perfeitamente formada para apresentá-la a um financiador, ao invés de tentar a sorte.

Se as mulheres não "assumirem de fato [e] compartilharem suas ideias, não vamos ser capazes de se conectarem com os outros potenciais investidores que não estão na sala naquele dia", disse ela.

Ouça o programa "Tell Me More" completo aqui (em inglês).

Imagem cortesia de 401(K) 2012 no Flickr sob licença Creative Commons