Cobrindo a pandemia sob a censura do governo

porTedi Doychinova
Sep 17, 2020 em Reportagem sobre COVID-19
Ani Mejlumyan

Em parceria com nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redação por meio de uma série de seminários online sobre a COVID-19. A série faz parte do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ.

Este artigo é parte de nossa cobertura online de reportagem sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

A jornalista investigativa Ani Mejlumyan relembra o surgimento da COVID-19 em seu país. Um dia após a Armênia declarar estado de emergência em meados de março, o governo censurou a mídia para impedi-los de noticiar a pandemia. Os restaurantes, no entanto, permaneceram abertos por mais dez dias.

Correspondente sênior da Eurasianet, Mejlumyan escreve artigos investigativos e analíticos aprofundados sobre a Armênia, muitas vezes para um público internacional. Enquanto a pandemia se espalhava pelo mundo em março, ela escreveu sobre o assédio e as ameaças por parte da polícia que jornalistas sofreram por cobrir a crise de saúde em seu país.

“O que fazemos como mídia se não cobrimos os principais eventos?” pergunta Mejlumyan. Ela acredita que a censura do governo não foi instituída para proteger a segurança do povo armênio, mas, em vez disso, foi um esforço para controlar as mensagens em torno do vírus e evitar que as pessoas entrem em pânico.

[Leia mais: Como jornalistas se disfarçaram para investigar crime organizado e máscaras defeituosas]

COVID-19 na Armênia

Os armênios condenaram a proibição da mídia e, graças à pressão internacional, o governo acabou por suspendê-la em meados de abril. No entanto, como as informações foram ocultadas dos jornalistas, os armênios não conseguiram entender a gravidade da pandemia até que ela começou a afetá-los pessoalmente.

“Para mim, esse foi o maior problema”, disse Mejlumyan. “As pessoas não estavam vendo a imagem real da COVID-19 e questionavam se existia até seus familiares ou vizinhos adoecerem.”

Com quase 46.000 casos e mais de 900 mortes confirmadas na Armênia hoje, não se pode mais negar com credibilidade a existência da COVID-19. “Ao não permitir que os jornalistas cobrissem a pandemia, o público perdeu o acesso a informações vitais”, disse ela. “As pessoas precisavam ter medo. Precisavam entrar em pânico um pouco, para que pudessem perceber que cada decisão que tomam pode ter consequências.”

O governo armênio hesitou em sua abordagem para conter a COVID-19 durante a crise, disse Mejlumyan. Por exemplo, ele mudou sua postura sobre o uso da máscara várias vezes. Embora hoje as máscaras sejam exigidas em espaços públicos, o governo anteriormente aconselhou apenas os doentes a usarem máscaras em público. Hoje, os vídeos que circulam online mostram policiais espancando pessoas por não usarem máscaras em público.

Mejlumyan culpa o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan. “No início da pandemia, o primeiro-ministro não estava levando a sério e dizia: ‘O que a pandemia pode fazer contra nós?’". No início de junho, Pashinyan testou positivo para COVID-19.

[Leia mais: Entrevista: 'A pandemia é uma oficina jornalística em larga escala]

Reportagem com dados

Ao reportar sobre a pandemia, Mejlumyan recomendou: “Primeiro, olhe os dados. Peça aos governos para manterem dados abrangentes e, em seguida, converse com médicos e pacientes. Tente encontrar as histórias mais inesperadas.”

No entanto, conseguir acesso aos dados tem sido um problema na Armênia, já que o governo tem ignorado repetidamente as perguntas dos jornalistas sobre os números, observou Mejlumyan. Para preencher esse vazio, ela e outros jornalistas assistem às coletivas de imprensa do governo para ficar por dentro dos acontecimentos.

Eles também visitam as páginas de funcionários do governo no Facebook para rastrear números importantes, como quantas pessoas estão passando por condições graves. “O que quer que esteja faltando, estou sempre em contato com meus colegas e trocamos informações”, disse ela.

Monitorando a resposta do governo

Os esforços do governo para aprovar secretamente uma legislação sob o pretexto da emergência também são uma tendência que Mejlumyan está rastreando. “A maioria deles nem mesmo tem elementos de emergência”, disse ela. Um exemplo é a proposta de legislação da Armênia para enfraquecer a lei de liberdade de informação do país, que Mejlumyan cobriu em abril.

Os leitores da Eurasianet podem usar o site para examinar como o governo armênio está lidando com a pandemia, e Mejlumyan acredita que é uma plataforma útil para estrangeiros monitorarem se os líderes da Armênia estão tomando medidas autoritárias que podem colocar em risco a democracia do país. “Não somos pró ou anti-governo, então podemos examinar as questões livremente”, disse ela.

Quando o ministro da saúde da Armênia, Arsen Torosyan, anunciou em maio que os pacientes recém-infectados seriam tratados em casa, Mejlumyan investigou a posição do governo e descobriu que os hospitais na Armênia estavam atingindo sua capacidade máxima e os pacientes morriam em hospitais devido à falta de leitos.

“A mídia precisa fazer barulho o suficiente para que o governo possa fazer algo a respeito”, disse Mejlumyan. “Por que não estamos expandindo a capacidade? Por que não estamos agindo rápido o suficiente?”

Conselhos para colegas jornalistas

Mejlumyan aconselhou colegas repórteres a colaborar e sempre verificar os fatos quando reportam sobre a crise de saúde e outras questões urgentes de hoje. “Mesmo se você achar que sabe de algo, sempre faça seu trabalho e verifique-o colaborando com a mídia legítima de seu país. Qualquer coisa que você escrever pode prejudicá-lo, arruinar sua reputação e prejudicar seu veículo de comunicação. “É muito importante investir tempo na verificação dos fatos”, disse Mejlumyan. Sem a verificação de fatos, os jornalistas podem perpetuar a desinformação citando funcionários do governo que o fazem, ela continuou, acrescentando que simplesmente usar um "de acordo com" não é suficiente, quando números confiáveis ​​não são a fonte das informações.

O Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ é uma forma pela qual Mejlumyan se manteve informada sobre a COVID-19 e se envolveu com outros repórteres que cobrem a crise de saúde. “Desde que o ICFJ criou o grupo de crise para a pandemia, tenho seguido o que dizem os especialistas, quais são os desdobramentos e a discussão geral entre jornalistas de todo o mundo”, disse ela.

Mejlumyan também recomendou recursos do Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP), uma plataforma de reportagens investigativas que se concentra em expor o crime organizado e a corrupção. “Se for uma emergência, eles têm toda uma rede de jornalistas que irão ajudar a verificar os fatos e pesquisar bancos de dados”, disse ela.

O jornalismo não é um trabalho para uma só pessoa, mas muitos veículos de notícias locais na Armênia não têm editores ou verificadores de fatos, observou Mejlumyan, ou não os pagam bem ou pagam nada. Por meio de colaboração e checagem de fatos eficazes, os jornalistas podem melhorar suas reportagens e ajudar a melhorar a educação midiática do público, afirma ela.

Apesar das dificuldades da indústria de notícias hoje, Mejlumyan disse à IJNet: “Eu ficaria muito triste se tivesse que deixar o jornalismo.”


Tedi Doychinova é oficial de programa do ICFJ.

Foto principal cortesia de Ani Mejlumyan