Cobrindo os efeitos das mudanças climáticas na nossa saúde mental

porSherry Ricchiardi
Dec 21, 2019 em Temas especializados
Tristeza

O relatório sobre a crise climática da ONU não mediu palavras: sem "uma ação sem precedentes", condições catastróficas poderão chegar até 2030. Para humanizar essa notícia, a NBC News focou em uma mãe de três adolescentes na Cidade de Salt Lake.

O relatório da ONU em outubro constatou que o mundo precisaria tomar ações "sem precedentes" até 2030 para evitar os efeitos mais catastróficos das mudanças climáticas.

“A reação emocional dos meus filhos [ao relatório] foi severa. Houve muito choro. Eles me disseram: 'Sabemos o que está por vir e vai ser muito difícil' ', disse Amy Jordan à NBC. Ela começou a procurar maneiras de ajudá-los a lidar com o que os especialistas chamam de "tristeza climática".

O termo, juntamente com outros como "eco-ansiedade", a preocupação com as mudanças climáticas, e "eco-paralisia", o sentimento de que você não pode fazer nada para resolvê-las, entrou na conversa para descrever o impacto emocional das mudanças climáticas nos cidadãos do mundo.

De acordo com a ONU, os desastres das mudanças climáticas estão ocorrendo com frequência semanal: desde incêndios no norte da Califórnia até secas, ciclones e inundações na Índia e Moçambique.

Esses sentimentos são ainda mais prevalentes para as pessoas que enfrentam crises como resultado das mudanças climáticas em primeira mão. Por exemplo, os residentes da Groenlândia sentem “luto ecológico” à medida que seu modo de vida tradicional desaparece. Um estudo sobre os efeitos das mudanças ecológicas na psique humana comparou emoções relacionadas à destruição do meio ambiente à perda de um ente querido. Esses sentimentos podem incluir profunda tristeza, raiva, desespero e desamparo com o futuro. Depressão e ansiedade são efeitos colaterais comuns.

Apesar das claras indicações de impacto na saúde mental, a mídia demorou a destacar isso em suas reportagens. "Esta é uma história pouco coberta que merece maior atenção", disse Bara Vaida, especialista em doenças infecciosas da Associação de Jornalistas de Saúde (AHCJ, em inglês). “É mais do que tratar do clima. É sobre a natureza mutável do ambiente em que os humanos vivem.”

Vaida liderou um painel sobre o tema na conferência de maio da AHCJ para aumentar a conscientização dos jornalistas sobre a crise climática e seu impacto na saúde mental.

A seguir, confira uma amostra de recursos sobre o número emocional das mudanças climáticas. Eles fornecem links para uma rede de fontes, histórias atuais e pesquisas de ponta.

Lawrence A. Palinkas, co-autor de um artigo sobre mudanças climáticas e saúde mental e professor de política social e saúde da Universidade do Sul da Califórnia, disse que os desafios e o impacto na saúde mental são  "talvez a consequência mais negligenciada das mudanças climáticas."

A conscientização, diz ele, é o primeiro passo crucial.

Perguntado sobre o papel da mídia que ele gostaria de ver, Palinkas ofereceu as seguintes sugestões:

  • Envie uma mensagem consistente de que o clima da Terra está mudando e que essas mudanças estão impactando nossas vidas no momento.
  • Minimize as mensagens apocalípticas que tendem a promover a eco-ansiedade e a eco-paralisia.
  • Concentre-se no presente. As pessoas tendem a descontar os resultados futuros. Como os incêndios florestais, as inundações e o aumento do nível do mar afetam a vida hoje? Qual é o prognóstico para o futuro?
  • Personalize os impactos das mudanças climáticas com uma poderosa narrativa que responde às perguntas dos leitores: "Por que devo me importar?"
  • Explique como a ação faz a diferença e destaque as ações tomadas por indivíduos, empresas e governos locais.
  • Divulgue exemplos ou modelos de comportamento positivo, bem como histórias de pessoas envolvidas em etapas positivas em direção à mitigação e adaptação.
  • Divulgue a disponibilidade de ajuda para aqueles que sentem eco-ansiedade, eco-paralisia, depressão ou transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Leitura adicional

Ao começar a pesquisar e incluir os efeitos das mudanças climáticas em suas reportagens, é importante ter recursos para dar fundamento a suas reivindicações. Abaixo está uma lista de fontes para obter mais informações sobre o impacto das mudanças climáticas na saúde mental e histórias que incorporam o ângulo da saúde mental. Essa lista pode servir como um recurso e também como inspiração para jornalistas que desejam expandir suas reportagens.

Recursos

  • Em sua avaliação das mudanças climáticas, o Programa de Pesquisa em Mudanças Globais dos EUA listou distúrbios clínicos como ansiedade, depressão, TEPT e pensamentos suicidas como subprodutos das mudanças ambientais. O luto, o sentimento de perda, as tensões nas relações sociais e o abuso de substâncias também foram identificados como efeitos colaterais da crise climática na saúde mental. O Centro de Clima, Saúde e Ambiente Global de Harvard fornece as mais recentes pesquisas, fichas técnicas e visuais sobre a crise climática, incluindo uma seção sobre saúde mental.

  • Acima de tudo, concentre-se em uma melhor cobertura da crise climática em todos os níveis, o que ajudará a apoiar a saúde mental de seus leitores. Os recursos incluem um relatório Nieman de outubro de 2019 que fornece dicas para melhorar as reportagens das crises climáticas, além de vários artigos da IJNet.

  • O Climate Tracker publica dicas e diretrizes em dez idiomas, incluindo chinês, árabe, hindi e suaíli. O conteúdo é voltado para jovens jornalistas, mas é de interesse geral para qualquer pessoa que cubra a crise climática.

Exemplos

  • Uma história de agosto de 2019 no jornal Guardian examina uma comunidade devastada pelos incêndios florestais de 2017 na Califórnia e como seus residentes estão se recuperando do evento. O jornalista gasta tempo explicando os desafios de saúde mental dos cidadãos, citando um relatório da Associação Americana de Psicologia: "Os sobreviventes de desastres [de mudanças climáticas] estão sofrendo aumentos dramáticos em depressão, TEPT, distúrbios de ansiedade e comportamento violento". A matéria discute mecanismos de enfrentamento e efeitos na saúde mental. efeitos

  • A Associação Médica Australiana proclamou as mudanças climáticas como uma emergência de saúde, pois eventos climáticos sem precedentes estavam tendo "impactos devastadores na saúde mental", especialmente em áreas rurais afetadas por secas, incêndios e inundações. Isso é explorado em profundidade em um artigo escrito para The Conversation, como parte da iniciativa Covering Climate Now.


Imagem sobre licença CC no Unsplash via Toimetaja tõlkebüroo