Cinco coisas que jornalistas e fotógrafos precisam saber sobre tablets

porNicole Martinelli
Nov 30, 2011 em Jornalismo digital

Jornalistas e fotógrafos devem repensar a forma como preparam seus trabalhos e são pagos quando se trata de computadores do tipo tablet. Os tablets, previstos para se tornarem o dispositivo de leitura mais preferido nos próximos anos, vão mudar a demanda e o mercado da informação.

Essas são algumas das lições de um encontro dos Hacks e Hackers sobre o tema ("New rules of storytelling: The rise of tablets"), realizado na sede do Storify em San Francisco.

Falando sobre a crescente demanda por informações compatíveis com o dispositivo estavam John Knight, co-fundador e editor da Once Magazine, uma publicação de fotojornalismo para o iPad que os leitores têm chamado de "semelhante ao American Life e National Geographic", e Jessi Rymill, consultor editorial e de design para o Closed Mondays, cujos recentes projetos para tablet incluem "Our Choice" do Al Gore e "4-Hour Chef."

Aqui estão mais cinco pontos para jornalistas e fotógrafos interessados em tablets.

  • Não há dinheiro no mercado editorial para computadores tablet - ainda. A Once Magazine, lançada em setembro, tem um modelo de repartição das receitas que visa pagar jornalistas e fotógrafos um valor decente pelo trabalho. Os leitores pagam atualmente US$ 2,99 por cada edição. Ao responder uma pergunta da platéia sobre se a publicação no tablet fornece um salário decente, o editor disse: "NÃO! Brincadeirinha. Às vezes. Bem, poderia ... Se tivermos 20 mil assinantes, seria salário decente. Quero dizer, se pudéssemos pagar US$2.500 pelas fotos e US$1 por palavra, seria justo. Primeiro, você tem que estabelecer-se. O ônus agora é sobre os colaboradores do mercado... Não há um mercado para nós agora mais do que há para os colaboradores. "

  • A sua organização de notícias está interessada neles. Em janeiro, um estudo previu que os consumidores americanos vão comprar mais tablets do que computadores até 2015.

Além de lançar centenas de aplicativos dedicados, as organizações de notícias atenderam ao chamado para criar conteúdo consumível em tablets com iniciativas que vão desde a publicação especial para iPad do The Daily de Rupert Murdoch a um grupo de mídia na Filadélfia [ subsidiando tablets para os leitores. O resultado? O Economist recentemente atingiu 100.000 assinantes em sua versão de iPad.

  • Publicação em tablet não é necessariamente baseada interatividade ou histórias extremas. O formato da Once não permite que os leitores segurem e façam "zoom" nas fotos, por exemplo. "É assim que a foto foi tirada e é assim que você olha para ela", disse Knight. Ele acrescentou que as fotos são cuidadosamente escolhidas e trabalhadas, e que o leitor não é o profissional, mais ainda é mais trabalho para o editor. Uma das matérias mais populares, disse Knight, "não é fotografia de guerra, mas uma história sobre uma comunidade de aposentados no Arizona". As fotos mostram as atividades diárias dos membros acima de 55 anos, da ginástica ao crochê.

  • Publicação em tablet pode inverter a tradicional relação texto-foto. A revista Once publica três artigos por edição, cada um contém 15 a 20 fotos acompanhadas por 800 palavras de texto, o oposto de uma revista comum que tem uma duas ou três fotos acompanhando 10 mil palavras de cópia.

  • Prepare-se para o "bookification" do conteúdo. O projeto mais recente de Rymill é o "4-hour Chef" feito especificamente para o Kindle Fire. O aplicativo gratuito, desenvolvido para usuários de primeira viagem, dá um "gostinho" do próximo livro de Tim Ferriss, do mesmo título. Lançado logo após o Dia de Ação de Graças, é um livro de receitas, dieta e exercício que promete boa forma aos leitores antes das festas de Natal.